Alexandre Fontes da Fonseca

>    Os mecanismos do auxílio a Espíritos sofredores através do diálogo fraterno - Parte 1

Artigos, teses e publicações

Alexandre Fontes da Fonseca
>   Os mecanismos do auxílio a Espíritos sofredores através do diálogo fraterno
- Parte 1

 

No Brasil, as reuniões mediúnicas (RMs) são dedicadas ao atendimento, através do diálogo fraterno, de Espíritos sofredores. Por sofredores, entende-se os Espíritos infelizes que experimentam dores físicas ou morais. Dentre eles, há os chamamos Espíritos obsessores que também são sofredores apesar de apresentarem perfil mais endurecido do que sofredor. A obra O céu e o inferno (KARDEC, 2000) apresenta exemplos, dentre outros, de perfis de Espíritos sofredores, de sofrimento mediano, suicidas e endurecidos.

Embora os diferentes graus de lucidez e sofrimento dos Espíritos, um resultado bastante comum das RMs é o relativo sucesso desses diálogos fraternos. Através deles se consegue aliviar dores; consolar; esclarecer; mostrar novos caminhos; e até mesmo apaziguar sentimentos agressivos; dentre outros. Mesmo nos casos de maior sofrimento como naqueles em que o Espírito se apresenta com o seu perispírito mutilado, deformado ou animalizado, alguns se perguntam como é possível que através de um ou poucos diálogos, um Espírito assim recobre seu equilíbrio, alivie-se de suas dores, recomponha seu perispírito e se sinta em condições melhores. O propósito deste artigo é mostrar, com base em Kardec, quais os mecanismos do auxílio e melhoria espiritual desses Espíritos através do diálogo. Ao mesmo tempo mostraremos, também com base em Kardec, a importância do conteúdo desses diálogos. Veremos que essa atividade requer não apenas boa vontade, mas estudo evangélico e doutrinário.

O fundamento da doutrina espírita necessário ao entendimento dos mecanismos do diálogo fraterno com os Espíritos é a conformidade das modificações do fluido universal ao pensamento e vontade do Espírito (item 14, do cap. XIV de A gênese). Duas consequências importantes desse primeiro princípio são: i) os fluidos são “impregnados das qualidades boas ou más dos pensamentos que os fazem vibrar” (KARDEC, item 15, idem); ii) o perispírito, que é “uma condensação desses fluidos em torno de um foco de inteligência” (item 7, idem), tem sua natureza determinada pelo “grau de adiantamento moral do Espírito” (item 9, idem). Como veremos a seguir, essas duas consequências são importantíssimas para o sucesso do trabalho do diálogo fraterno com Espíritos sofredores.

No item 81 do capítulo XXVIII de O Evangelho segundo o Espiritismo (ESE), Kardec analisa os efeitos da prece em favor de pessoas obsidiadas. Ele apresenta duas condições para o sucesso de um diálogo com um Espírito endurecido. Primeiro, após comentar a importância de uma ação fluídica que ele chama de “mecânica”, no sentido de ser necessário eliminar o fluido mau com um fluido bom em um obsidiado, ele diz:

Esta a ação mecânica, mas que não basta; necessário, sobretudo, é que se atue sobre o ser inteligente, ao qual importa se possa falar com autoridade, que só existe onde há superioridade moral. (KARDEC, item 81, cap. XXVIII, ESE, grifos em negrito meus, em itálico originais).

A questão da autoridade moral é muito importante. Conforme item i) acima, ela faz com que os fluidos irradiados pelo dialogador contenham qualidades morais elevadas. Porém, ao contrário do que se imagina em geral, só autoridade moral não é suficiente para realizar um bom atendimento de socorro a um Espírito sofredor. Não que bons fluidos irradiados pelo dialogador não possam auxiliar o Espírito. Dependendo da capacidade de afinidade fluídica do Espírito, isso irá auxiliar (DA FONSECA, 2022). Entretanto, se a autoridade moral, sozinha, fosse suficiente para libertar Espíritos sofredores, bastaria que Jesus ou os bons Espíritos se aproximassem de um sofredor para livrá-lo do sofrimento, aclarar-lhe a mente e reequilibrar seu íntimo e perispírito. É necessário, então, mais um ingrediente para o sucesso de um trabalho de auxílio aos Espíritos sofredores. É o próprio Kardec quem esclarece isso no mesmo item do ESE:

E não é tudo: para garantir-se a libertação, cumpre induzir o Espírito perverso a renunciar aos seus maus desígnios; fazer que nele despontem o arrependimento e o desejo do bem, por meio de instruções habilmente ministradas, em evocações particulares, objetivando a sua educação moral. Pode-se então lograr a dupla satisfação de libertar um encarnado e de converter um Espírito imperfeito. (Idem, grifos meus).

Por quê Kardec recomenda que seja necessário “induzir” um Espírito perverso a renúncia dos maus desígnios ou “fazer que nele despontem” o arrependimento e o desejo do bem? E mais, por quê Kardec recomenda que se faça isso “por meio de instruções habilmente ministradas”? A autoridade moral não seria suficiente? O que “instruções habilmente ministradas” podem fazer pelo Espírito infeliz? Veremos que isso tem a ver com as duas consequências, i) e ii) acima, do princípio de que os fluidos obedecem apenas ao pensamento e à vontade.

Kardec explica no item 14 do cap. XIV de A gênese que das transformações que o fluido universal sofre pela ação do pensa mento e da vontade algumas “resultam de uma intenção, outras, são o produto de um pensamento inconsciente. Basta que o Espírito pense em uma coisa, para que ela seja feita.” Em seguida, no mesmo item, ele descreve que:

É assim, por exemplo, que um Espírito se faz visível a um encarnado que possua a vista espiritual, sob a aparência que tinha quando estava vivo, (...) Apresenta-se com as vestes, os sinais externos, enfermidades, cicatrizes, membros amputados etc. que tinha. (...). Isso não quer dizer que tenha conservado essas aparências, não, certamente, porque, como Espírito, ele não é coxo nem maneta, nem caolho, nem decapitado; mas seu pensamento, se reportando à época em que era assim, seu perispírito toma instantaneamente essa aparência, a qual muda também instantaneamente. (KARDEC, item 14, cap. XIV, A gênese, grifos meus).

No item 16 do mesmo capítulo e obra, Kardec complementa: “Os fluidos viciados pelos eflúvios dos maus Espíritos podem se purificar pelo afastamento deles, mas seu perispírito será sempre o que é, enquanto o Espírito não se modificar por si mesmo.” Essa última afirmativa é consequência direta dos itens i) e ii).

Então vejamos o que tudo isso significa. Pelo pensamento, o Espírito modifica seu próprio perispírito, manifestando nele seu estado de equilíbrio ou desequilíbrio, saúde ou enfermidade. Um Espírito sofredor irá manifestar enfermidade, deformação, desequilíbrio em seu próprio corpo espiritual. Nessa última afirmação de Kardec, ele deixa claro que se o Espírito “não se modificar por si mesmo” ele continuará manifestando o seu perispírito desequilibrado da mesma forma. Isso está condizente com os itens i) e ii) porque a forma e qualidade dos fluidos são efeitos enquanto que a causa está no pensamento do Espírito. Como, então, um Espírito sofredor pode se modificar? Dentre as diversas formas, existe a que depende do diálogo fraterno que as RMs espíritas realizam. Através desses diálogos fraternos, (parafraseando Kardec) instruções são habilmente ministradas. Como assim habilmente? Em que sentido? A habilidade das instruções consiste em causar uma “educação moral” no Espírito sofredor através do pensamento. Ao dialogarmos fraternalmente com um Espírito sofredor, ao darmos atenção, ouvimo-lo, nos apiedarmos do seu sofrimento e esclarece-lo, semeamos neles bons e novos pensamentos. Essas “instruções” que os dialogadores passam aos Espíritos sofredores, geram pensamentos de consolo, de acolhimento, de entendimento, de reflexão, de esperança, de arrependimento e muitos outros bons pensamentos. Ao pensarem nessas coisas, instantaneamente conforme garantem os princípios descritos nos itens i) e ii) anteriormente, seus perispíritos começam a modificar refletindo esse estado de entendimento novo que surge nas mentes desses Espíritos.

Por exemplo, se um Espírito começa um diálogo pedindo para falar baixo ou nem falar com ele porque ele está com medo de ser descoberto e atacado, se conseguimos explicar que nós estamos com uma equipe que pode fornecer segurança e que temos uma forma de “tirar” o Espírito do lugar inseguro que ele acha que está, o simples fato do Espírito sentir-se seguro, já muda o pensamento que de temor passa a de segurança e confiança que, por sua vez, permite ele formar sintonia com outros quadros que os bons Espíritos preparam para ele(a).

Quando um Espírito que por qualquer razão passou a acreditar que ele(a) é um animal e assim se apresenta com seu perispírito, ao dizermos a esse Espírito que na verdade ele(a) é humano como todos nós, e conversarmos fraternalmente, estimulando-o através de afirmações bem positivas sobre si, sobre sua dignidade, sugerindo se possível a se lembrar de fatos vividos no passado, ele(a) vai retomando o pensamento na forma anterior até começar a perceber uma modificação consigo mesmo, no seu “corpo”.

Quando um Espírito endurecido é convidado a refletir sobre o que de fato consiste a felicidade no mundo; quando lembrado de que independente das razões que o tornaram revoltado e infeliz, que há Espíritos que o querem bem, que o amam e querem voltar a conviver com ele(a); pensamentos de saudades, de lembrança de períodos de paz que viveu no passado, podem despertar sentimentos que instantaneamente, gerarão nele(a) mesmo fluidos bons, renovados, e que permitirão sintonizá-lo a outros Espíritos mais evoluídos.

 

Notem que a instrução ou palavra amiga do dialogador é importante não apenas pela vibração boa que carrega, mas pela habilidade que a instrução tem de fazer o Espírito pensar, refletir, ponderar, revisar valores e, com isso, mudar seu íntimo e, por consequência dos itens i) e ii), mudar seu próprio perispírito para melhor.

Esse é o mecanismo doutrinário e simples da melhoria dos Espíritos sofredores através do diálogo fraterno. Não tem mistério, nem misticismo, nem ritual ou gesto de natureza exterior que gere o mesmo resultado. Quando um diálogo com um Espírito sofredor combina bons sentimentos (desejo sincero de ajudar) com os conhecimentos doutrinários, evangélicos e psicológicos que o ajudam a refletir melhor sobre si mesmo, o resultado (mais uma vez parafraseando Kardec) é lograr a satisfação de aliviar, consolar e/ou converter um Espírito imperfeito. É por essas razões que o Espírito de Verdade recomendou não apenas que amássemos uns aos outros, mas que também nos instruamos, pois que o conhecimento também é ferramenta necessária para bem cumprir a caridade. Na próxima parte desta matéria, vamos analisar o papel (não apenas passivo) do médium no sucesso de um diálogo fraterno com Espíritos sofredores.

 

 

Bibliografia:

DA FONSECA, A. F. 2022. “Ensaio teórico sobre afinidade no Espiritismo”, Jornal de Estudos Espíritas 10, 010201 (2022). DOI: http://dx.doi.org/10.22568/jee. v10.artn.010201, acessado em 27/10/2022.

KARDEC, A. 1996a. O Evangelho segundo o Espiritismo, Editora FEB, 112ª Edição, Rio de Janeiro, RJ.

KARDEC, A. 1996b. O livro dos médiuns. Editora FEB, 62ª Edição, Rio de Janeiro, RJ.

KARDEC, A. 2000. O céu e o inferno, ou, a justiça divina segundo o Espiritismo. Editora FEB, 45ª Edição, Rio de Janeiro, RJ.

KARDEC, A. 2021. A gênese, os milagres e as predições segundo o Espiritismo. USE. Kindle Edition.

 

 

Alexandre Fontes da Fonseca é Físico, Mestre e Doutor pela Unicamp, pós-doutor pela USP, professor de Física da UNICAMP, membro do Liga de Pesquisadores do Espiritismo, Assessor de Ciência e Pesquisa Espírita da USE e fundador e responsá vel pelo Jornal de Estudos Espíritas




Fonte: https://usesp.org.br/wp-content/uploads/2022/12/reDE-192-nov-e-dez-2022.pdf

 




topo

 

 

Visitem também o Jornal de Estudos Espíritas (JEE), editado por Alexandre Fontes da Fonseca
       -   https://sites.google.com/site/jeespiritas

Leiam outros artigos de Alexandre Fontes da Fonseca


>  Alguns comentários sobre Física Quântica e Espiritismo
>  Aliança entre Ciência e Religião: Uma Contribuição da Matemática

>  Amai-vos e instruí-vos: estudando Ciência
>  Análise Científica da Teoria da Apometria
>  Análise de 'A Teoria Corpuscular do Espírito' e 'Psi quântico
>  Aniversário do Desencarne de Kardec: como comemorar?
>  A atualidade do termo “fluido” no Espiritismo
>  Caos, complexidade e a influência dos espíritos sobre os fenômenos da natureza
>  Caráter Progressivo do Espiritismo versus Responsabilidade do Movimento Espírita: Dúvidas e Solução
>  Carne: comer ou não comer? Eis a questão sob a luz da Doutrina Espírita
>  A Ciência em busca da verdadeira felicidade
>  Ciência e Espiritismo: um alerta de Allan Kardec e André Luiz
>  Controvérsias, contradições e polêmicas: um paralelo entre a Ciência e o Espiritismo
>  Chips em Cérebros: o que diz o Espiritismo
>  O Cientista, a pulga e Kardec
>  Como se ver livre da Obsessão?
>  Como o Espiritismo contribui para a Sociedade?
>  Considerações sobre a Ressonância "Shumann"
>  Cura Quântica
>  Curas: pomadas e cremes de origem mediúnica sob a luz do Espiritismo
>  Das Simetrias da Natureza às leis Morais
>  Duplo etérico: conceito espírita ou não?
>  É correto falar magnetismo?
>  Em Busca dos Mecanismos da Mediunidade
>  Ensaio teórico sobre afinidade no Espiritismo
>  Estaria o Espiritismo ultrapassado?... Ou muito na frente?
>  O Espiritismo e a Universidade: condições necessárias mas não suficientes
>  Explicando conceitos espíritas em Mecanismos da Mediunidade parte I: analogia com raios gama
>  Explicando conceitos espíritas em Mecanismos da Mediunidade parte II: analogia com circuitos elétricos
>  Evocação direta de Espíritos: quatro condições necessárias para fazê-la com um fim sério
>  Evocação no Movimento Espírita: quem disse que não há?
>  A Fábula dos Três Porquinhos e o Estudo do Espiritismo
>  Fé Raciocinada: Segundo Jesus, a Maior Fé!
>  Fenômeno de transporte: Bozzano, Zöllner, a Física e o Espiritismo
>  Física Quântica e Espiritismo : Um Alerta!
>  O Fluido Cósmico Universal e as Teorias Cosmológicas
>  Fluidos espirituais obedecem aos passes longitudinal e transversal?
>  Fluidos, Perispírito e as Manifestações Espirituais
>  O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
>  O homem que questionou Jesus
>  Homenagem aos 150 anos do Espiritismo: uma análise matemática do Método do Controle Universal do Ensino dos Espíritos
>  Homenagem aos 156 anos (1857-2013) do Espiritismo: uma análise matemática do Controle Universal do Ensino dos Espíritos
>  A Importância do "Instruí-vos"
> A incoerência doutrinária das técnicas no passe
>  O “insight” pertence ao cérebro ou ao Espírito?
>  Jesus: Amor e Inteligência
>  Jogo do Ultimato e o Progresso da Humanidade
>  Magnetismo ou Espiritismo? Parte I: A excelência teórica do Espiritismo
>  Magnetismo ou Espiritismo? Parte II: Reflexões em torno da palavra magnetismo no movimento espírita
>  Matéria e Energia Escura: não são o Fluido Universal
>  Mecanismos da Mediunidade segundo o Espiritismo
>  Os mecanismos do auxílio a Espíritos sofredores através do diálogo fraterno - Parte 1
>  Os mecanismos do auxílio a Espíritos sofredores através do diálogo fraterno - Parte II: o papel dos médiuns   
>  Os mecanismos do auxílio a Espíritos sofredores através do diálogo fraterno - Parte III - o papel dos elementos de sustentação
>  "Mensagem" dos Cristais de Água: Cientificamente NÃO Comprovado
>  O Natal na Codificação Espírita
>  A obra "A Física da Alma" e o Espiritismo
>  Opinião do espírita no movimento espírita
>  Parábola do Semeador: Revisitando Reflexões sobre o “Semeador”
>  O Pensamento é matéria? É quântico?
>  Permanentes Mudanças e Permanência
>  Pesquisa Espírita e Espiritualista
>  Pesquisas e documentos inéditos de Allan Kardec. Como vamos lidar com isso?
>  A Pureza Doutrinária e a Ciência
>  O que é Apometria e diferenças entre ela e o Espiritismo
>  O que é que o Espiritismo tem... que os outros não tem?
>  O que seria Pureza Doutrinária segundo o Espiritismo?
>  Reflexões sobre a validade das técnicas de passes segundo a Doutrina Espírita
>  Sobre Caboclos e Pretos Velhos
>  A Temática Espírita na Atualidade - entrevista
>  A Transmissão do Pensamento é um Fenômeno Não-Local?
>  Um ensaio sobre matéria e energia
>  Um ensaio teórico sobre a estabilidade de grandes construções espirituais
>  Uma análise científica de algumas afirmações de A Grande Síntese, de Pietro Ubaldi
>  Uma explicação alternativa, espírita e científica, para a concepção do corpo material de Jesus em Maria ainda virgem
>  Uma Hipótese para a Autoridade da Doutrina Espírita Ser Explicada em O Evangelho Segundo o Espiritismo e Não em Outra Obra
>  Unificação espírita segundo Kardec, o modelo de unificação da Ciência e uma proposta de unificação para o movimento espírita
>  Viagem no tempo: uma restrição espírita

Curso de Ciência e Espiritismo :
>   1 - Introdução e Conceito de Ciência
>   2 - O Método científico e um pouco mais sobre ciência
>   3 - A Ciência Espírita e a divulgação dos trabalhos científicos
>   4 - Tópicos de pesquisa multidisciplinar entre algumas Ciências e o Espiritismo - O método de análise por pares
>  5 - Contribuições da Matemática : Periódicos espíritas
>  6 - Física e Espiritismo I : propriedades da matéria - A diferença entre livros e artigos
>  7 - Física e Espiritismo II : energia e matéria. Referências científicas na pesquisa espírita
>  8 - Física e Espiritismo III : Análise dos Fenômenos Espíritas. Exemplos de pesquisas com valor científico
>  9 - Física e Espiritismo IV : Fenômenos espíritas: Clássicos ou quânticos?
>  10 - Física e Espiritismo V : Deus, Espírito e Função de onda
>  11 - Comprovação científica versus característica científica
>  12 - Física e Espiritismo : considerações finais
>  13 - O Espiritismo e a Universidade
>  14 - O que é um Projeto de Pesquisa ?
>  15 - Exemplo de Projeto de Pesquisa Espírita
>  16 - O Estudo e a orientação no trabalho de pesquisa espírita
>  17 - O Laboratório da Pesquisa Espírita
>  18 - Conclusões Finais

> Curso de Ciência e Espiritismo - texto completo em word

Artigos com co-autoria:

Alexandre Fontes da Fonseca; Ademir Xavier Jr.,
> Um Diálogo Fraterno sobre Ciência & Espiritismo

Alexandre Fontes da Fonseca; Alvaro Vannucci
> Embriões congelados: espíritos ligados por até 12 Anos

Alexandre Fontes da Fonseca; Andrea Laporte
> Os centros de força não são conceitos espíritas

Alexandre Fontes da Fonseca; Antonio Cunha Leite Lacerda; CristianoTorchi
> Reflexões Críticas sobre o Perispírito e sua Influência na Formação e Manutenção do Corpo Físico

Alexandre Fontes da Fonseca; Leonardo Marmo Moreira
>    As Barreiras vibratórias e suas consequências para a programação reencarnatória
>    Reencarnação e suas evidências científicas: trabalhos acadêmicos de Erlendur Haraldsson e correlações doutrinárias

Alexandre Fontes da Fonseca; Marise Simões
>   Instinto: inteligência de origem divina na matéria

 



topo


Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z 
  - Allan Kardec
   -   Special Page - Translated Titles
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual :