Espiritualidade e Sociedade





Rogério Miguez


>   As primeiras traduções inglesas do pentateuco espírita

Artigos, teses e publicações

Rogério Miguez
>   As primeiras traduções inglesas do pentateuco espírita

 

 

Preocupado em melhor difundir o Espiritismo pelo mundo, viabilizando a todos desta forma o correto entendimento das Leis Divinas e, considerando estar a Doutrina consideravelmente disseminada em território francês àquela época, o Mestre lionês, sete meses após a sua desencarnação, ocorrida em março de 1869, comparece a uma reunião espírita e dita mais uma comunicação por meio do médium Sr. Tailleur,(1) pois já o havia feito em outras ocasiões, enfatizando ao final desta comunicação:

Traduzi as minhas obras! Só se conhecem na América os argumentos contra a reencarnação. Quando as demonstrações em favor desse princípio ali se tornarem populares, o Espiritismo e o Espiritualismo não tardarão a se confundir, tornando-se, por sua fusão, a Filosofia natural adotada por todos.(2)

Presentes nesta reunião estavam, entre outros, o Sr. Peebles,(3) partidário da escola espiritualista americana, muito conhecido do mundo espírita americano como redator do Banner of Light (Estandarte de Luz), em tradução livre, jornal espiritualista de Boston, e Anna Blackwell, correspondente espírita em Londres. O enfático apelo do Prof. Rivail foi feito a ambos e, até onde sabemos, apenas Anna Blackwell atendeu este significativo e especial pedido.

Além de tradutora, Anna Blackwell se destacou na poesia e jornalismo, desempenhando também atividades de ensino. Ela foi contribuinte correspondente em cerca de onze jornais, nos seguintes países: África do Sul, Austrália, Canadá, Estados Unidos e Índia. Hannah e Samuel Blackwell, pais de Anna, imigraram da Inglaterra para os Estados Unidos com seus nove filhos, em 1832. Anna Blackwell foi membro da comunidade Brook Farm, em 1845, instalando-se na França a partir de então. Traduziu as obras do socialista francês Fourier e as novelas de Georges Sand. Ao final de sua vida, morou em Triel, na França, desperdiçando seus recursos em uma busca infrutífera pelo tesouro perdido do rei James II da Inglaterra.(4,5)

Desconhecemos por qual razão Anna Blackwell só viria a se debruçar na tarefa de traduzir algumas obras espíritas anos após aquela solicitação de Allan Kardec, pois foi somente em 1875, aproximadamente seis anos depois daquela reunião que viria a lume a primeira tradução para o inglês de O livro dos espíritos - The Spirits' Book, pela editora Colby and Rich, Publishers, 9 Montgomery Place, Boston.(6) Neste ano, O livro dos espíritos já se encontrava na 12ª edição publicada em 1864, versão definitiva que não mais sofreria qualquer alteração do mestre em seu conteúdo. Se algum tradutor houvesse vertido esta obra espírita anteriormente à 12ª edição, o trabalho, se não fosse “retocado” no futuro, talvez permanecesse sem fidelidade às derradeiras correções do Codificador.

No seu primeiro trabalho de tradução espírita, Anna Blackwell deixou registrada uma breve biografia de Allan Kardec endereçada aos seus conterrâneos ingleses, porém, com vários detalhes de interesse aos espíritas de modo geral. Anna era amiga do casal Rivail, por isso pôde registrar aspectos pessoais de ambos em sua sucinta, mas importante biografia.(7)

Tudo indicava ter sido Anna a pioneira na tradução de obras espíritas, contudo, não o foi, pois em 1865, dez anos antes do lançamento do The Spirits' Book, surge uma versão para o inglês de O espiritismo na sua expressão mais simplesSpiritism in its most simple expression, por Miss GR. & J. J. T. - Leipzig, impresso por Bir & Hermann.(8) Esta obra foi originalmente oferecida ao público por Allan Kardec, em 1862, em um esforço por divulgar pontos fundamentais da Doutrina ao grande público.

Entretanto, considerando que o opúsculo O espiritismo na sua expressão mais simples não faz parte da relação de obras básicas, Anna Blackwell ainda permaneceria como a primeira tradutora de obras espíritas fundamentais.

Nada obstante, o esforço e dedicação de Anna Blackwell não terminaram na tradução da primeira obra básica da Doutrina, pois em 1876, pelos mesmos editores, O livro dos médiuns – Book of Mediuns: or, Guide for médiuns and invocators (9) materializa-se em língua inglesa, permitindo que as comunidades americana e inglesa, entre outros leitores deste idioma, pudessem bem se instruir nas práticas espíritas propriamente ditas.

Dando prosseguimento às suas atividades de tradução, em 1878, publicou o seu terceiro trabalho, O céu e o inferno ou a justiça divina segundo o espiritismo - Heaven and Hell, or, the divine justice vindicated in the plurality of existences,(10) esta obra foi revista e reeditada em 2003, conforme segue: New Edition Totally Revised by the Spiritist Alliance for Books 2003 by Spiritist Alliance for Books/Spiritist Group of New York. (11)

Não há indícios de que Anna Blackwell tenha terminado o seu trabalho de tradução de A gênese, conforme consta menção em seu prefácio do livro O céu e o inferno traduzido para o inglês (12) ou mesmo no livro de Berthe Fropo, vice-presidente da União Espírita Francesa, intitulado Beaucoup de lumière (13) (Muita luz), em tradução livre, quando, neste último, Anna afirmou que já havia iniciado o seu quarto trabalho de tradução das obras espíritas.

Contudo, em paralelo ao esforço de Anna Blackwell em popularizar o Espiritismo, outra tradutora, Emma A. Wood, também havia se ocupado em traduzir obras espíritas e publica em 1874, (14) alguns meses antes da correspondente tradução de Anna Blackwell, sua própria tradução de O livro dos médiuns, originalmente publicado em francês pelo Codificador em 1861.

Até o momento não obtivemos sucesso em encontrar versões de A gênese em inglês, cuja primeira edição data do ano de 1868, exceto uma tradução preparada por Mr. W. J. Colville de 1883, conforme segue: Genesis: the miracles and the predictions according to spiritism pela Colby & Rich, Boston. (14)

Em relação à obra O evangelho segundo o espiritismo, publicado pelo Codificador em 1864, do que se sabe, não há tradução antiga dessa obra, fato no mínimo curioso. Foi somente ao final do século XX, em um encontro singular descrito pelo biógrafo Mickaël Ponsardin no livro Chico Xavier, l'homme et le medium, (16) entre Janet A. Duncan, inglesa nascida em 1928, em Londres e o médium. Neste encontro Chico solicitou que Janet traduzisse a obra, pedindo: “Janet! Janet! Você tem que traduzir o Evangelho!”, Janet atendeu à sua solicitação e, em 1987, conforme data de seu Prefácio no referido livro, teve publicado o seu trabalho: The Gospel According to Spiritism. (17)

A Doutrina Espírita foi codificada com o propósito de transformar o mundo em que vivemos, mas precisa estar compreensível ao entendimento de todos. Somos ainda uma grande massa de Espíritos estratificados pelas muitas culturas e idiomas. Allan Kardec percebeu claramente esta realidade, quando aqui esteve em sua última reencarnação, e se esforçou sobremaneira por difundir o Espiritismo para as comunidades da língua inglesa.

Alguns atenderam este chamamento, seja diretamente, seja por intuições pessoais de seus Espíritos protetores, e ofereceram ao mundo daqueles tempos algumas obras espíritas vertidas ao idioma inglês.

Tais quais os leitores dos textos espíritas na língua inglesa, nós, os brasileiros que também temos estas obras à disposição há um bom tempo em nosso próprio idioma, precisamos, mais do que ler, estudar com afinco e metodicamente a Doutrina.

A propósito, foi Joaquim Carlos Travassos quem primeiro traduziu O livro dos espíritos para o idioma português, em 1875, mesmo ano da primeira tradução de Anna Blackwell para o inglês. Uma “coincidência” e tanto. (18)

Do Brasil espera-se o exemplo maior para que as leis de Deus, explicadas à luz do Espiritismo, se espalhem e frutifiquem em entendimento e vivência. Cabe a nós a decisão de concretizar tal conquista o mais rápido possível, para colhermos, quem sabe, em futuro não muito distante, as benesses, tão ansiosamente almejadas, de uma vida de acordo com os preceitos divinos.


Os livros aí estão: Estudemo-los!

 

* texto também disponível em pdf - clique aqui para acessar -

 

 

REFERÊNCIAS:

1 http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5496012h/f42.item.r=243,120
página 40.
2 KARDEC, Allan. Revista espírita, Jornal de estudos psicológicos. Trad. Evandro Noleto Bezerra. ano 12. n. 11, nov. 1969. “O espiritismo e o espiritualismo” (Paris, 4 de outubro de 1869, em casa de Miss Anna Blackwell).
3______. _____. “Viagem do Sr. Peebles na Europa”.
4 http://schlesinger.radcliffe.harvard.edu/onlinecollections/blackwell/blackwells
5 http://guides.library.harvard.edu/c.php?g=337761&p=2500242
6 https://babel.hathitrust.org/cgi/pt?id=loc.ark:/13960/t9n30ph7k;view=1up;seq=25
7http://www.autoresespiritasclassicos.com/Allan%20Kardec/Biografias%20Allan%20Kardec/Obra%206/Allan%20Kardec%20-%20Uma%20Biografia%20Esquecida%20-%20Anna%20Blackwell.htm
8 http://www.iapsop.com/ssoc/1865__kardec___spiritism.pdf
9 http://www.allan-kardec.com/Allan_Kardec/Le_livre_des_mediums/lmed_us.pdf
ou por este link,
http://www.worldcat.org/title/experimental-spiritism-the-mediums-book-or-guide-for-mediums-and-for-evocations-translated-by-anna-blackwell/oclc/820725476&referer=brief_results
10https://books.google.com.br/books?id=hkL7GwAACAAJ&dq=heaven+and+hell+divine+justice+vindicated+in+the+plurality+of+existences+anna+blackwell&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwib64bFzP_WAhUGGZAKHVMiD7MQ6AEIJjAA
11 http://www.ssbaltimore.org/PDF/Heaven_Hell.pdf
12 _______._______.
13 http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5496012h/f42.item.r=243,120
página 71.
14 http://www.worldcat.org/search?q=no:016424172
15 http://www.worldcat.org/search?q=genesis+w+j+colville&qt=results_page
16 PONSARDIN, Mickaël. Chico Xavier, o homem e o médium. Trad. Evandro Noleto Bezerra. ed: Brasilia (DF) Conselho Espírita Internacional, 2010.
17 https://www.amazon.com/Gospel-According-Spiritism-Allan-Kardec/dp/8598161047#reader_8598161047
18 WANTUIL, Zêus. Grandes espíritas do Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2002. Joaquim Carlos Travassos, p. 400 a 432.

Nota: todos os links mencionados foram acessados em 10/11/2017.

 

 

Fonte: texto enviado pelo autor

 

 

 

Leiam de Rogério Miguez
seta dupla verde claro direita  150 anos de Ciência ao alcance do povo
seta dupla verde claro direita  Adeus às armas
seta dupla verde claro direita  Allan Kardec e os Banquetes Magnéticos
seta dupla verde claro direita  Anjo da Guarda, nosso amigo incondicional
seta dupla verde claro direita  O ano é novo, o Espírito não!
seta dupla verde claro direita  Ano novo, convite à renovação
seta dupla verde claro direita  Arma, para que te quero!?
seta dupla verde claro direita  O bem no limite das forças
seta dupla verde claro direita  A busca da paz e o ano novo
seta dupla verde claro direita  Caixa de vibrações: solução dos problemas?
seta dupla verde claro direita  Como conversar com o guia espiritual
seta dupla verde claro direita  Divulgação espírita na atualidade
seta dupla verde claro direita  Enquanto o Coronavírus avança, os suicídios também avançam
seta dupla verde claro direita  Esquecer é preciso
seta dupla verde claro direita  É Natal
seta dupla verde claro direita  Falando de Liberdade
seta dupla verde claro direita  A força do exemplo
seta dupla verde claro direita  Há casamento ocasional?
seta dupla verde claro direita  Há 160 anos a Inquisição tentou conter a marcha do Espiritismo
seta dupla verde claro direita  Hora de seguir o Mestre
seta dupla verde claro direita  Impaiciente x Aborrecente
seta dupla verde claro direita  Jesus, Governador da Terra
seta dupla verde claro direita  Joana Angélica de Jesus: Bicentenário de desencarnação
seta dupla verde claro direita  O joio e o trigo
seta dupla verde claro direita  Morte: Tristeza pelos que partem, alegria pelos que retornam
seta dupla verde claro direita  A morte segundo Cairbar Schutel
seta dupla verde claro direita  Nada mais além do que simpatizantes do Cristo
seta dupla verde claro direita  No ano novo, a vida é nova?
seta dupla verde claro direita  Ocupemo-nos com sabedoria
seta dupla verde claro direita  Pais dificultosos
seta dupla verde claro direita  O papel das mesas girantes
seta dupla verde claro direita  Por autopunição ou abreviação do sofrimento, o suicídio jamais será solução

seta dupla verde claro direita  As primeiras traduções inglesas do pentateuco espírita
seta dupla verde claro direita  O Provisório Esquecimento do Passado
seta dupla verde claro direita  Qual o significado de reencarnar?
seta dupla verde claro direita  A reencarnação e a metempsicose
seta dupla verde claro direita  Salvemo-nos!
seta dupla verde claro direita  Saúde e o Ano Novo
seta dupla verde claro direita  O Século XXI chegou, e a Lei de talião, finalmente se foi!?
seta dupla verde claro direita  Sejamos como os essênios
seta dupla verde claro direita  Suicídio e o 5º Mandamento (O)
seta dupla verde claro direita  Um dia, dois Pais

 

 



topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z 
  - Allan Kardec
   -   Special Page - Translated Titles
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual :