Espiritualidade e Sociedade





Rogério Miguez


>    Como conversar com o guia espiritual

Artigos, teses e publicações

Rogério Miguez
>   Como conversar com o guia espiritual

 

 

Quando estamos nos sentindo mal, cabeça pesada, nada dá certo, desânimo e apreensões à nossa volta, é muito comum nos apontarem a razão clássica para estes incertos momentos: deve haver algum “encosto” conosco, e a solução segue rápida e “infalível” - tomar passes!

Entre tantos ótimos conselhos, boas sugestões e pertinentes orientações possíveis, esta parece ser a fórmula mágica para solucionar qualquer problema, seja de qual ordem for. As muitas possibilidades apresentadas pela Doutrina para nos renovarmos, melhorarmos e evoluirmos ficam reduzidas a uma conduta ancestral presente desde nossas primeiras encarnações; é lei de Deus, não há dúvida, qual seja, a transferência de energias, uma inquestionável medida, mesmo que apenas provisoriamente tranquilizadora.

Entretanto, raros se lembram nestas horas, e podemos afirmar que a maioria desconhece, da existência de outra proposta espírita, muito mais eficaz, atingindo a raiz dos problemas. Referimo-nos a uma prática ao alcance de todos: a conversa direta com o nosso espírito protetor:

Há Espíritos que se ligam particularmente a um indivíduo para protegê-lo?
“Sim, o irmão espiritual. É o que chamais o Espírito bom ou o gênio bom.”(1)

Invariavelmente temos ao seu lado, desde o momento da reencarnação e mesmo antes desse retorno, um Espírito designado por Deus para nos acompanhar em nosso processo evolutivo, entidade esta de maior envergadura moral, ética e intelectual, que, não fosse assim, não poderia ser nosso guia espiritual, conforme se nota neste texto:

O Espírito protetor liga-se ao indivíduo desde o seu nascimento?
“Desde o nascimento até a morte. Muitas vezes ele o segue após a morte, na vida espiritual, e mesmo por intermédio de muitas existências corpóreas, já que tais existências não passam de fases bem curtas da vida do Espírito.”(2)

Quis a Divindade fôssemos e continuássemos a ser acompanhados por um Espírito previamente escolhido visando a ajudar-nos na conquista da melhora moral e intelectual ao longo de nossas existências:

O Espírito protetor abandona algumas vezes o seu protegido, quando este não lhe ouve os conselhos?
“Afasta-se, quando vê que seus conselhos são inúteis e que mais forte é a vontade do seu protegido em submeter-se à influência dos Espíritos inferiores, mas não o abandona completamente e sempre se faz ouvir. O homem é que fecha os ouvidos. O protetor volta, desde que chamado.
[...]
Esses seres estão ao vosso lado por ordem de Deus. Foi Ele quem os colocou perto de vós; aí estão por amor a Ele, desempenhando uma bela, porém penosa missão. [...]”(3)

Esta entidade está à nossa disposição e não nos perde de vista. Todavia, diminuta quantidade de espíritas lembramo-nos dela nos momentos de aflição e dúvida, quando os problemas parecem amontoar-se sobre nossas cabeças impedindo o continuar de nossa esperada caminhada rumo a Deus.

Não somos todos médiuns videntes, portanto, não vemos estes dedicados e valorosos Espíritos acompanhando-nos. Aliás, mesmo se fôssemos, raríssimos são aqueles a percebê-los ao lado; o fato, contudo, é que, mesmo não os enxergando, podemos registrar-lhes a presença ao serem chamados.

Há uma conduta muito simples, outro mecanismo divino, que permite entrar em contato mais direto com o nosso protetor: basta fazermos uma oração, no silêncio do nosso íntimo, sem necessidade de pronunciar palavras em alto e bom som, pois tais abnegados trabalhadores abraçaram a tarefa de nos ajudar e pelo pensamento respondem imediatamente, isto se antes já não estavam ao nosso lado, pacientes e solícitos escutando os diversos e aparentemente infindáveis reclamos.

Feita a oração, nascida de nossos corações, tomemos um livro de mensagens espíritas, desses com diversas abordagens de autoria de Emmanuel, André Luiz, Joanna de Ângelis, dentre tantos outros, e fixemos nossa atenção pensando detidamente no que está incomodando. Em seguida, “ao acaso”, com fé, abramos o livro.

É impressionante a quantidade de mensagens que se apresentam “ao acaso”, abordando diretamente a nossa particular questão. Muitas possuem, já no título, o tema em exame por nossas consciências. Geralmente, o texto, de imediato, é profundamente elucidativo, tratando com exatidão do que se passa conosco e propondo ações, providências, para fazer ou para deixar de fazer.

Nesta hora, precisamos ter o cuidado de ler com bastante atenção, pois o conteúdo é sempre muito útil, mesmo que não percebamos de pronto sua aplicação em nosso particular momento. Sendo assim, perguntamos: Como se dá esta “coincidência” entre o que pensamos e o que surge como orientação e esclarecimento? Simples, o guia espiritual toma sutilmente de nossa mão, orienta-nos a escolher – se houver vários livros à disposição - um particular, fazendo-nos abrir na página necessária; ou então, pelo pensamento, repercute em nossa mente o momento de parar de folhear o livro e abrir nesta e não naquela outra mensagem. O protetor tem vários recursos para nos induzir a tomar o livro certo e abri-lo na parte mais apropriada. Concluímos desta forma não existir o acaso.

Ocorre, às vezes, que a mensagem não “diz” exatamente aquilo por nós desejado. Por exemplo, se estamos doentes, e sofrendo muito, gostaríamos de receber um texto passando a mão em nossas cabeças, apoiando-nos como se fôssemos injustiçados pela ordem divina, “reconhecendo” que, pobrezinhos de nós, talvez sejamos o último dos últimos, certamente não merecedores de tanto sofrimento. A mensagem, bem ao contrário, surge desafiadora, mostrando-nos ser a doença agora enfrentada o resultado de condutas distanciadas das leis de Deus, vivenciadas durante largo tempo, nesta, ou em outras vidas. Uma decepção, segundo o nosso acanhado e obtuso entendimento da mecânica da vida.

Nesta hora, é preciso ter muita firmeza para aceitar o “puxão de orelhas”, ponderando que somos sempre os artífices de nossas próprias mazelas. Será preciso reconhecer os erros cometidos, levantar os joelhos desconjuntados e retomar a marcha sempre avante em busca da perfeição.

Há também as mensagens vistas como enigmáticas, aquelas que, na aparência, não contém nenhuma menção sobre a nossa dúvida. Tais orientações não são raras e nos instigam a procurar seu significado ao que tudo indica oculto, mas que, quando esclarecido, se revela de um modo diverso daquele que imaginávamos. Nestes casos, é interessante voltar ao mesmo texto, meditando ao longo dos dias. Diz a prática que muito em breve reconheceremos a propriedade daquelas palavras, descobrindo então como o guia espiritual acertou ao sugerir-nos a ação a ser tomada, mesmo que diversa da nossa expectativa.

É nosso costume, quando em oração, formular o pedido, já pensando na resposta mais agradável. Isto ocorre devido a nossa óptica imediatista e limitada, pois não nos lembramos do passado e das promessas da erraticidade (4), nada obstante, o protetor tem todas essas informações, por isso faz um ajuizamento mais apropriado que aquele que costumamos fazer, mostrando a realidade da vida, aquilo que de fato devemos atentar.

Fica assim a despretensiosa sugestão: oremos e escutemos através das mensagens o que os Espíritos protetores têm a dizer. Não nos preocupemos que os estejamos fatigando, pois eles estão hoje ao nosso lado e aí permanecerão até que aprendamos a andar pelas nossas próprias pernas, ou seja, através do uso consciente de nosso livre-arbítrio. Se os escutarmos, tanto melhor para nós.





 

 

REFERÊNCIA:

1 KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução Evandro Noleto Bezerra. 3ª Edição Comemorativa do Sesquicentenário. Brasília: FEB, 2006. q. 489.
2 ________._______. q. 492.
3 ________._______. q. 495.
4 Erraticidade: estado dos espíritos errantes, isto é, não encarnados, durante os intervalos de suas diversas existências corpóreas (Allan Kardec no livro Instruções Práticas sobre as manifestações espíritas. Vocabulário espírita).

 

* texto completo disponível em pdf - clique aqui para acessar

 

 

Fonte: texto enviado pelo autor

 

 

 

Leiam de Rogério Miguez
seta dupla verde claro direita  150 anos de Ciência ao alcance do povo
seta dupla verde claro direita  Adeus às armas
seta dupla verde claro direita  Afinal, a quem pertence O livro dos espíritos?
seta dupla verde claro direita  Allan Kardec e os Banquetes Magnéticos
seta dupla verde claro direita  Anjo da Guarda, nosso amigo incondicional
seta dupla verde claro direita  O ano é novo, o Espírito não!
seta dupla verde claro direita  Ano novo, convite à renovação
seta dupla verde claro direita  Arma, para que te quero!?
seta dupla verde claro direita  O bem no limite das forças
seta dupla verde claro direita  A busca da paz e o ano novo
seta dupla verde claro direita  Caixa de vibrações: solução dos problemas?
seta dupla verde claro direita  Como conversar com o guia espiritual
seta dupla verde claro direita  Divulgação espírita na atualidade
seta dupla verde claro direita  Enquanto o Coronavírus avança, os suicídios também avançam
seta dupla verde claro direita  Esquecer é preciso
seta dupla verde claro direita  É Natal
seta dupla verde claro direita  Falando de Liberdade
seta dupla verde claro direita  A força do exemplo
seta dupla verde claro direita  Há casamento ocasional?
seta dupla verde claro direita  Há 160 anos a Inquisição tentou conter a marcha do Espiritismo
seta dupla verde claro direita  Hora de seguir o Mestre
seta dupla verde claro direita  Impaiciente x Aborrecente
seta dupla verde claro direita  Jesus, Governador da Terra
seta dupla verde claro direita  Joana Angélica de Jesus: Bicentenário de desencarnação
seta dupla verde claro direita  O joio e o trigo
seta dupla verde claro direita  Mais uma vez, o paraíso perdido
seta dupla verde claro direita  Morte: Tristeza pelos que partem, alegria pelos que retornam
seta dupla verde claro direita  A morte segundo Cairbar Schutel
seta dupla verde claro direita  Muito de nós dentro de nós
seta dupla verde claro direita  Nada mais além do que simpatizantes do Cristo
seta dupla verde claro direita  No ano novo, a vida é nova?
seta dupla verde claro direita  Ocupemo-nos com sabedoria
seta dupla verde claro direita  Pais dificultosos
seta dupla verde claro direita  A palavra na casa espírita
seta dupla verde claro direita  O papel das mesas girantes
seta dupla verde claro direita  Por autopunição ou abreviação do sofrimento, o suicídio jamais será solução

seta dupla verde claro direita  As primeiras traduções inglesas do pentateuco espírita
seta dupla verde claro direita  O Provisório Esquecimento do Passado
seta dupla verde claro direita  Qual o significado de reencarnar?
seta dupla verde claro direita  A reencarnação e a metempsicose
seta dupla verde claro direita  Salvemo-nos!
seta dupla verde claro direita  Saúde e o Ano Novo
seta dupla verde claro direita  O Século XXI chegou, e a Lei de talião, finalmente se foi!?
seta dupla verde claro direita  Sejamos como os essênios
seta dupla verde claro direita  Suicídio e o 5º Mandamento (O)
seta dupla verde claro direita  Um dia, dois Pais
seta dupla verde claro direita  Velhos desafios do Ano Novo (Os)

 

 

 



topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z 
  - Allan Kardec
   -   Special Page - Translated Titles
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual :