Marcus Vinícius de Azevedo Braga

>    Infâncias armadas

Artigos, teses e publicações

Marcus Vinícius de Azevedo Braga
>   Infâncias armadas

 

 

Certa feita, na fila do caixa eletrônico, um menino na flor de seus quatro anos olhava insistentemente para a arma no coldre do Policial Militar que se postava na fila, à espera da sua vez. O menino, ao se aproximar do policial para tocar na arma, ouve desse que com aquele brinquedo ele não poderia brincar, pois era perigoso. De forma surpreendente, o menino responde que não se trata de um brinquedo e sim de um revólver e que atirava.

Das espadas de madeira aos revolveres de espoleta na década de 80, passando pelas atuais armas padrão “paintball”, temos uma cultura bélica crescente em nossa infância. Essa cultura é reforçada em filmes, animações e toda gama de produção cultural que rodeia o universo infantil. Nos videogames simulamos com armas destruições cada vez mais realistas. Corpos viram números... A psicanálise nos apresenta a arma para a criança como um símbolo de força, de derrota de seus medos e de exercício de heroísmo, na luta para superar a selva desvairada que é a vida.

Entretanto, no mundo real, a nossa infância armada assalta nos sinais, comete genocídios nas escolas, fere o rival da gangue, brinca com a arma do pai e mata o amigo, sonha com uma arma no seu armário (ou na cintura) quando for adulto. Resolverá meus problemas... Me protegerá.... A arma fascina e as casuísticas povoam os periódicos de situações onde armas caem nas mãos de crianças, e se convertem em tragédias, que merecem nosso choro e consternação.

Faltam seguranças armados nas escolas, bradam os defensores das armas nos Estados Unidos, em uma solução que coloca mais armas no sistema. Precisamos da arma para defender a nossa família, afirmam outros, sem sopesar o custo-benefício dessa estratégia defensiva.

Em um quadro herdado das guerras, frias ou quentes, ainda no século XXI nos vemos diante de uma incógnita para a questão da infância. Até que ponto essa cultura bélica fomenta a atitude violenta no processo de formação do Espírito encarnado?

Afirmam alguns que essas brincadeiras não afetariam em nada, por serem apenas vivências psicológicas de situações, no processo de enfrentamento do mundo, como a violência estampada nos contos de fadas, que prepara o indivíduo para o mundo real. Não desconsidero isto, mas preocupa-me a violência exacerbada, a “terra arrasada” apresentada como solução para os problemas, inundando a criança pelas múltiplas influências. Ensinamos o diálogo ou a destruição para a solução dos problemas? Realengo e as incontáveis chacinas na América do Norte desde Columbine nos apresentam uma tipologia de Espíritos opressos, que alimentam a raiva de seus opressores e resolvem -Bum- explodir tudo, como em um “game” que você “reseta” e começa tudo de novo após seu fracasso.

Não tenho a visão utópica de banir armas e explosões totalmente do convívio das crianças. Isso se tornaria uma jornada ingrata, desgastante e inútil. Porém, a competência do diálogo, da compreensão que cede e avança, não pode dar lugar a uma relação com o mundo isolada e repleta de mitos e medos, que engendra soluções de natureza violenta, cuja relação construída com os armamentos oferece o aparato necessário.

Ataques de ódio na internet ou verbalmente são expressões mais brandas desse problema, que somados a uma arma transformam-se em verdadeiros desastres. Dialogar é uma competência da vida, seja pessoal, profissional ou espiritual. Mas, a arma se apresenta como força, poder para resolver todos os problemas, de forma unilateral, rompendo essas relações dialógicas.

A obra “O menino do dedo verde” (1957), de Maurice Druon, apresenta o menino Tistu transformando a fábrica de armas de Mirapólvora em um jardim florido, em um sonho utópico pós-guerra de trocar canhões por flores. A infância, momento de sonho e de esperança, precisa encontrar soluções para seus problemas por outras vias que não o canhão. Ao comprarmos uma arma de brinquedo ou um jogo violento para nosso filho, reflitamos sobre o presentearmos com outras possibilidades. Não escondamos dele a violência e os problemas da vida, mas façamos com ele a reflexão sobre como superar as dificuldades da vida e que aquela violência toda estampada na televisão, ainda que real, não é construtiva e que o diálogo é um caminho possível. Muitos desses autores de chacinas necessitavam apenas de um amigo para conversar.

A indústria de armas, reais ou de brinquedo, buscando dar vazão aos instintos violentos de crianças-adultas e de adultas-crianças, é uma realidade da qual não podemos nos isolar. Os fatos nos indicam, como pais e educadores, que a reflexão é um bom caminho, em doses homeopáticas, para dar elementos à criança para conviver nesse mundo onde a violência será uma constante, mas isso não quer dizer que ela deve ser violenta. Arma machuca, dói. O outro é nosso irmão. Devemos compreender, perdoar, educar... A lição é difícil e nos encaminhamos para soluções imediatas de uma época onde tudo tem pressa. Como Tistu, na visão da vida eterna e da fieira das reencarnações, precisamos utilizar nosso “dedo verde” para transformar pólvora em flores.

 

 

Fonte: http://www.oconsolador.com.br/ano6/304/marcus_braga.html


 


topo

 

 

Leiam outros textos de Marcus Vinícius de Azevedo Braga:
::

-> O aborto, o abandono e a roda dos séculos
-> Alvorada jovem
-> Anônimos
-> Arranjos produtivos da mediunidade
-> Bandeiras, pautas e lutas
-> Benefícios do sacrifício
-> Café, sustentabilidade e a governança das políticas públicas
-> Ganzá
-> Casa Espírita Amazonas Hércules: há 28 anos a serviço do próximo
-> Casa espírita roubou meu pai... (A)
-> O chamado
-> Com Kardec eu aprendi
-> Desenho Animado é coisa séria: o imaginário infantil e os conceitos espíritas
-> O Deus da Polinésia
-> As dores do mundo
-> Em 150 anos
-> Entre a pena e a vingança
-> O Fantasminha Camarada
-> Fazer chover
-> A Ferramenta do Bem
-> Os filhos da COMEERJ
-> Fortuna e glória
-> O fosso imaginário
-> A fraternidade esquecida
-> A frequência melhora a frequência
-> Graça, mérito e outros assuntos afetos ao amor divino
-> A hipótese insuperável de Kardec
-> Importação de paradigmas: a reflexão necessária
-> Infâncias armadas
-> Indivíduo com Necessidades Educacionais Especiais (Deficência Mental) e a Casa Espírita (O)
-> Internet, infância e juventude
-> Lá no sertão de Goiás
-> Lições da praia
-> Lucidez e genialidade
-> A magia da atitude
-> O martelo ainda ecoa, a chama ainda arde: a mediunidade e a caça às bruxas
-> O Melhor e o Adequado
-> As muitas faces da pena de morte
-> Música para ouvir e música para se cantar junto
-> Namoro Espírita
-> Nossa relação com a mediunidade
-> Painel de instrumentos
-> Para além da porteira
-> O paradigma cliente-fornecedor na Casa Espírita
-> Práticas salutares na condução de trabalhos espíritas
-> Predição do futuro causa polêmica em meio acadêmico
-> A primeira pedra
-> Pureza ou dureza doutrinária?
-> O que ensino às minhas filhas
-> Quo Vadis?
-> O real e o engenho
-> A rede do Cordeiro
-> Reflexões sobre a vida a dois
-> A semente do homem de bem
-> Sexualidade e responsabilidade
-> Sobre a série da Netflix “Vida após a morte”
-> Sobre homens e lobos
-> O superjovem
-> O tamanho das coisas
-> Teu sonho de moço
-> Tesouros da Juventude
-> O Titular da ação
-> Tolerância é uma palavra feia
-> Um dia de Buda

Marcus Vinícius de Azevedo Braga & Paulo de Tarso Lyra
-> A força do Espiritismo


topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z 
  - Allan Kardec
   -   Special Page - Translated Titles
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual :