Elio Mollo

>   Possessos

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Elio Mollo
>   Possessos

 

 

Estudo com base in O Livro dos Espíritos,
Cap. IX, Intervenção dos Espíritos no Mundo Corpóreo, questões 473 e 474,
obra codificada por Allan Kardec.
Pesquisa: Elio Mollo

 

 

Sobre a possessão respondem os Espíritos à Allan Kardec (1) que "O Espírito não entra num corpo como entras numa casa; ele se assimila a um Espírito encarnado que tem os seus mesmos defeitos e as suas mesmas qualidades, para agir conjuntamente; mas é sempre o Espírito encarnado que age como quer sobre a matéria de que está revestido. Um Espírito não pode substituir-se ao que se acha encarnado, porque o Espírito e o corpo estão ligados até o tempo marcado para o termo da existência material."

No caso de haver uma coabitação de dois Espíritos no mesmo corpo, a alma pode encontrar-se na dependência de um outro Espírito, de maneira a se ver por ele subjugada ou obsedada, ao ponto de ter a sua vontade, de alguma forma, paralisada, e são esses os verdadeiros possessos, mas essa dominação não se efetua jamais sem a participação daquele que sofre, seja por fraqueza, seja pelo seu desejo. Frequentemente se têm tomado por possessos criaturas epilépticas ou loucas, que mais necessitavam de médico do que de exorcismo. (2)

Em O Livro dos Médiuns, segunda parte, cap. XXIII, Kardec assim se expressou em relação a possessão: "não existem possessos, no sentido vulgar do termo, mas apenas obsedados, subjugados e fascinados".

Na Revista Espirita de outubro de 1858
(3) Allan Kardec escreveu sobre a possessão: "Para nós, a possessão seria um sinônimo de subjugação. Se não adotamos esse termo, foi por dois motivos: primeiro, porque implica a crença em seres criados e votados perpetuamente ao mal, enquanto apenas existem seres mais ou menos imperfeitos e todos podem melhorar; segundo, porque pressupõe igualmente a ideia de tomada de posse do corpo por um Espírito estranho, uma espécie de coabitação, quando só há constrangimento."

Mas não demoraria muito tempo, foi, também, na Revista Espirita de dezembro de 1863, Um Caso de possessão (Senhorita Julia)
(4), quando narrou o caso da sonâmbula Sra. A, que de repente mudou de voz tomando atitudes absolutamente masculinas, isso fez com que Kardec muda-se de opinião em relação a possessão, levando-o, logo no primeiro parágrafo desse artigo a escrever de maneira contundente o seguinte:

"Temos dito que não havia possessos, no sentido vulgar do vocábulo, mas subjugados. Voltamos a esta asserção absoluta, porque agora nos é demonstrado que pode haver verdadeira possessão, isto é, substituição, posto que parcial, de um Espírito errante a um encarnado."

Vale lembrar o que diz o codificador da Doutrina Espírita no livro A Gênese conforme o Espiritismo, cap. I. item 14: "...o Espiritismo é uma Ciência de observação e não o produto da imaginação." E ainda nesse mesmo capítulo no item 55: "O Espiritismo, marchando com o progresso, não será nunca extravasado, porque, se novas descobertas lhe demonstrarem que está em erro sobre um ponto ele se reformulará sobre este ponto; se uma nova verdade se revela, ela a aceita."
(4)

Sendo assim, agora podemos continuar observando a descrição que faz sobre o caso da Revista Espírita tratado acima: "Apoderando-se do corpo da sra. A..., não tinha qualquer intenção má; assim aquela senhora nada sofria com a situação, a que se prestava de boa vontade. É bom dizer que ela não o havia conhecido e não podia saber de suas maneiras. É ainda de notar que os assistentes nele não pensavam, a cena não foi provocada e ele veio espontaneamente".

"Aqui a possessão é evidente e ressalta ainda melhor dos detalhes, que seria longo enumerar. Mas é uma possessão inocente e sem inconvenientes." (O grifo é nosso.)

A partir daí, o codificador, passa a incluir a possessão nos processos mediúnicos (no caso dos bons Espíritos) e de curas (no caso dos Espíritos inferiores ainda voltados ao mal): "Não vendo senão o efeito, e não remontando à causa, eis por que todos os obsedados, subjugados e possessos passam por loucos desta natureza e que seriam facilmente curados se não obstinassem a neles ver apenas uma doença orgânica." (O grifo é nosso.)

Nesse mesmo artigo Kardec relata um outro exemplo observado pessoalmente por ele e que foi objeto de um estudo sério na Sociedade Espírita de Paris. Foi o caso da senhorita Julia, uma doméstica nascida na Savole, com vinte e três anos de idade, que a seis meses vinha tendo crises de um caráter estranho e que ocorriam sempre no estado sonambúlico. Lutava com um espírito que acaba sempre vencendo e que o denominava de Fredegunda: "Toma! toma! é bastante, infame Fredegunda? Queres me sufocar, mas não o conseguirás; queres meter-te em minha caixa, mas eu te expulsarei."

Neste caso de possessão, porque se percebeu ter chegado o momento necessário de lidar com o Espírito possessor, Fredegunda, através da evocação.

Evocada, em princípio, com ideia fixa de reencarnar-se, repeliu a solidariedade que lhe foi oferecida, recuou ante o nome de Deus, por isso, teve dificuldade de elevar o pensamento e orar, mas no intervalo das evocações em que foi chamada por vários dias pelos que estavam encarregados de a instruir, houve um fato positivo, é que conforme o Espírito Fredegunda foi sendo orientado, a Senhorita Julia, consequentemente, foi deixando de ser molestada até que a possessão cessou por completo. (6)

Em se tratando da possessão escreve Kardec no livro A Gênese (7): "Na possessão, em lugar de agir exteriormente, o Espírito livre se substitui, por assim dizer, ao Espírito encarnado; faz eleição de domicílio em seu corpo sem que, contudo este o deixe definitivamente, o que não pode ter lugar senão com a morte. A possessão é, pois, sempre temporária e intermitente porque um Espírito desencarnado não pode tomar definitivamente o lugar e dignidade de um Espírito encarnado, ...".

Mostrando a diferença entre obsessão e possessão ele escreve in A Gênese (8): "A obsessão é sempre uma ocorrência de um Espírito malfeitor. A possessão pode ser a atuação de um bom Espírito que quer falar e, para causar maior impressão em seu ouvinte, toma emprestado o corpo de um encarnado que este lhe empresta voluntariamente como se emprestasse sua veste. Isso se faz sem nenhuma perturbação nem mal estar, e durante este tempo o Espírito se encontra em liberdade como no estado de emancipação, e, mais frequentemente ele se coloca ao lado de seu reintegrante para escutá-lo." Em continuação diz ele: Quando o Espírito possessor é mau, as coisas se passam diferentemente; ele não toma emprestado o corpo; ele se apodera, se o titular não possuir uma força moral para lhe resistir."

Concluindo este estudo deixamos aqui estas palavras de Kardec (9): "O Espiritismo, fazendo conhecer esta fonte de uma parte das misérias humanas, indica o meio de remediá-las; este meio é o de atuar sobre o autor do mal que, sendo um ser inteligente, deve ser tratado com inteligência."

 

 

NOTAS:

(1) Resposta à pergunta 473 de O Livro dos Espíritos (Allan Kardec).
http://www.aeradoespirito.net/OLivrodosEspiritos/O_LIVRO_DOS_ESPIR_L2_C9_SC3.html

(2) Resposta à pergunta 474 de O Livro dos Espíritos (Allan Kardec).
http://www.aeradoespirito.net/OLivrodosEspiritos/O_LIVRO_DOS_ESPIR_L2_C9_SC3.html

(3) Ver Allan Kardec, Revista Espírita, outubro de 1858, Obsedados e Subjugados.
http://www.aeradoespirito.net/RevistaEspHTML/OBSEDADOS_E_SUBJUGADOS.html

(4) Ver Allan Kardec, Revista Espírita, dezembro de 1863 e janeiro de 1864, Um Caso de possessão (Senhorita Julia)
http://www.aeradoespirito.net/RevistaEspHTML/UM_CASO_POSSESSAO.html

(5) Ver Allan Kardec, A Gênese, cap. I, Caracteres da Revelação Espírita.
http://www.aeradoespirito.net/AGenese/GE_CAP_1.html

(6) Ver Allan Kardec, Revista Espírita, janeiro de 1864, Palestras de Além-Túmulo - Fredegunda
http://www.aeradoespirito.net/RevistaEspHTML/UM_CASO_POSSESSAO.html

(7) Ver Allan Kardec, A Gênese, cap. XIV, Os Fluidos, Explicação de alguns fatos reputados como sobrenaturais, item 47.
http://www.aeradoespirito.net/AGenese/GE_CAP_14.html

(8) Ver Allan Kardec, A Gênese, cap. XIV, Os Fluidos, Explicação de alguns fatos reputados como sobrenaturais, item 48.
http://www.aeradoespirito.net/AGenese/GE_CAP_14.html

(9) Ver Allan Kardec, A Gênese, cap. XIV, Os Fluidos, Explicação de alguns fatos reputados como sobrenaturais, item 48.
http://www.aeradoespirito.net/AGenese/GE_CAP_14.html

 

 

Fonte: http://emollo.blogspot.com.br/2013/03/possessos.html


 

 

Leiam de Elio Mollo

seta dupla verde claro direita  Agêneres (Os)
seta dupla verde claro direita  Allan Kardec
seta dupla verde claro direita  Amor e caridade - É bom saber quem é quem
seta dupla verde claro direita  Arrependimento (O)

seta dupla verde claro direita  Avalie a si mesmo
seta dupla verde claro direita  Da lei de destruição
seta dupla verde claro direita  Distinção entre o Bem e o Mal
seta dupla verde claro direita  Dos Médiuns

seta dupla verde claro direita  Fé, Sim; Credulidade, Não
seta dupla verde claro direita  José Herculano Pires - pequena biografia
seta dupla verde claro direita  Histórico de O Livro dos Espíritos
seta dupla verde claro direita  Homem e o desenvolvimento individual e coletivo através dos tempos (O)
seta dupla verde claro direita  Idiotismo e loucura
seta dupla verde claro direita  Inconvenientes e perigos da mediunidade
seta dupla verde claro direita  Léon Denis, o sucessor de Kardec
seta dupla verde claro direita  Necessidade da vida social (A)l
seta dupla verde claro direita  Parábola do Grão de mostarda
seta dupla verde claro direita  Parábola dos Talentos e a Lei do Progresso (A)
seta dupla verde claro direita  Percepções, sensações e sofrimentos dos espíritos
seta dupla verde claro direita  Perda e Suspensão da Mediunidade
seta dupla verde claro direita  Perfeição Moral
seta dupla verde claro direita  O Perispírito
seta dupla verde claro direita  Pneumatografia e Pneumatofonia
seta dupla verde claro direita  Possessos
seta dupla verde claro direita  Psicografia
seta dupla verde claro direita  Quadro sinótico da nomenclatura espírita
seta dupla verde claro direita  Retorno da Vida Corpórea à Vida Espiritual
seta dupla verde claro direita  Separação da alma e do corpo
seta dupla verde claro direita  Sociedade Parisiense de Estudos Espírita
seta dupla verde claro direita  Surgimento da Doutrina Espírita

Em co-autoria:

Elio Mollo; Antonio Sérgio C. Picollo
seta dupla verde claro direita  O Espiritismo exige responsabilidade

Elio Mollo; Ismael Lopes Rodrigues
seta dupla verde claro direita  O autoconhecimento

 

 



topo