Espiritualidade e Sociedade



Pedro Camilo de Figueirêdo

>   Espiritismo em xeque: em torno da reportagem da BBC Brasil sobre a visão espírita do suicídio

Artigos, teses e publicações

Pedro Camilo de Figueirêdo
>    Espiritismo em xeque: em torno da reportagem da BBC Brasil sobre a visão espírita do suicídio

 

 

 

 

* * *

 

A REPORTAGEM DA BBC BRASIL

 

No dia 17 de abril de 2024, a BBC publicou uma interessante matéria, intitulada “A crença espírita no 'Vale dos Suicidas' que angustia parentes em luto”. A matéria começa com a experiência de Maria Cecilia Cencini, que teve um filho vitimado pelo suicídio e que, a partir daí, foi em busca de informações que lhe trouxessem explicações e consolo, tendo “esbarrado” na obra Memórias de um suicida, cuja leitura não conseguira concluir.

Em linhas gerais, o texto da jornalista Mariana Alvim passa em revista conceitos e ideias sobre suicídio presentes em O livro dos espíritos e O céu e o inferno, de Allan Kardec, demarcando e enfatizando a prática do suicídio como transgressão grave às leis divinas e a dureza dos sofrimentos que pode passar quem escolhe esse caminho.

Em seguida, a matéria trata de aspectos do livro Memórias de um suicida, psicografado pela médium Yvonne do Amaral Pereira e publicado em 1956, enfatizando o “caráter bastante excessivo” das descrições sobre um Vale dos Suicidas e os suplícios ali enfrentados, sempre questionando a existência e as características dos sofrimentos relatados na obra.

Tratando da angústia de familiares de suicidas ante a perspectiva de que seus entes queridos possam estar em sofrimento na vida espiritual, bem como de aspectos do luto e de como tais informações podem ter repercussão negativa, Marina Alvim apresenta também diversos olhares críticos, que partem de lideranças espíritas e de estudiosos simpatizantes, em contraste com a opinião de uma liderança espírita que tenta ressaltar os aspectos positivos não somente da visão espírita sobre o suicídio, como também da obra de Yvonne Pereira.

No último parágrafo, a jornalista registra, com a fala de Bruno, irmão de alguém que cometeu suicídio, aquilo que se apresenta como sua conclusão e principal fio condutor da matéria:

“Tá certo que [o suicídio] é uma atitude antinatural. Mas a gente vê que Deus é misericordioso. Jesus na cruz falou para o ladrão: 'Se se arrependeu de coração, eu te digo hoje, estarás comigo no paraíso'", diz Bruno. "Então, essa fala de Jesus é contraditória com essa afirmação do Vale dos Suicidas. Sempre me pauto por Cristo, as ações dele no Evangelho, e me pergunto: 'Como ele lidaria com esse assunto hoje?'"

 

CRÍTICA E AUTOCRÍTICA

Sim, é verdade que nós, os espíritas, precisamos olhar para o suicídio e os suicidas com outros olhos, numa perspectiva mais humana, empática e acolhedora. No entanto, ao que parece, as críticas que são apresentadas na reportagem referem-se muito mais a leituras e repetições equivocadas do que, propriamente, àquilo a que de fato o espiritismo se propõe: uma doutrina que consola e conforma, que esclarece e educa.

Primeiro, é necessário lembrar que os escritos de Kardec sobre a condição dos suicidas no além partem das informações trazidas pelos próprios espíritos, seja os responsáveis pela consolidação da teoria espírita (como é o caso, marcadamente, de O livro dos espíritos), seja de suicidas que retornaram para contar como se sentiam (como é o caso de O céu e o inferno, que apresenta relatos de casos).



De um modo geral, o suicídio contraria o fluxo natural da vida, e é compreensível que a interrupção violenta de um fluxo vital acarrete consequências para o espírito. Essas consequências são apresentadas em uma teorização que parte, inclusive, do que dizem os espíritos que passaram por tais experiências – e essas experiências sempre apontam para possibilidades, nunca para determinantes incondicionais. Isso quer dizer que, conquanto todo suicida sempre se defronte com a mesma realidade (a vida continua, para além da morte do corpo físico, e os problemas de que tentou fugir, em certa medida, também permanecem, não sendo possível “ausentar-se” de si mesmo, mesmo depois de morrer), a natureza, a forma e a intensidade dessa nova experiência será sempre particular, guardando relação com o “conjunto da obra”: conhecimentos, crenças, valores e hábitos de vida, sem falar do momento em si do suicídio (a condição psicológica mais ou menos alterada, a presença ou não de transtornos mentais e afetivos) e suas motivações.

Assim, cada caso sendo um caso, relatos como os apresentados em O céu e o inferno são sempre exemplificativos, apontam para possibilidades, para os registros colhidos da escuta daqueles personagens, jamais significando fatalidades que alcançarão a toda e qualquer pessoa que percorra esse caminho, pois sempre será “o seu” caminho.

O senso comum no meio espírita, entretanto, contribui para a difusão irrefletida de assertivas e relatos como se se tratassem de regras fatais e que ignoram as condições individuais. Disso resulta uma simplificação que leva a conclusões implacáveis, que replicam crenças em castigos, punições e sofrimentos intermináveis, reforçando antigas crenças segundo as quais as pessoas que cometem suicídio são os piores seres que existem ou já existiram. Não são!

 

A OBRA MEMÓRIAS DE UM SUICIDA

 

Grande parte da confusão de ideias e conceitos sobre o suicídio, no meio espírita, advém de uma leitura apressada e acrítica (e, às vezes, que critica sem o devido conhecimento de causa) do livro Memórias de um suicida, que ora é tomado como uma verdade absoluta e aplicável a todos os casos de suicídio, ora como um devaneio da médium e do espírito e que, por isso, é a pura expressão de uma fantasia, não devendo ser levado a sério.

O livro, psicografado pela médium fluminense Yvonne do Amaral Pereira e ditado pelo espírito Camilo Castelo Branco, apresenta as memórias, como o título indica, de UM suicida, e não o registro do que acontece, em regra, com TODOS os suicidas. Trata-se, portanto, do relato do quanto aquele espírito viveu, segundo seu sistema de conhecimentos, crenças, valores e hábitos.

Além disso, o livro foi escrito com a feição de um romance, e todo romance, ainda que baseado em fatos reais, é sempre uma criação literária que, em vários momentos, sob o influxo do estilo de seu autor, terá a possibilidade de criar e recriar os fatos, não somente ao sabor da vontade de seu autor, como também, e principalmente, conforme sua capacidade de compreensão. Por isso, tudo o que se descreve é sempre a partir do olhar de alguém (no caso, do espírito autor), segundo sua capacidade de assimilação e explicação. A isso se pode juntar os problemas da transmissão mediúnica pela psicografia, com todos os percalços da tradução do pensamento do espírito pelo médium.

O Vale dos Suicidas descrito no livro nem é uma região de punição criada por Deus, nem é o único espaço que alguém que se matou vai ocupar no Além. Trata-se do ambiente que o espírito Camilo Castelo Branco encontrou, em sua experiência, e em que surpreendeu outras tantas pessoas que fizeram a mesma opção pelo suicídio.

Considerando que o meio em que os espíritos se movimentam reflete as condições psíquicas de quem o ocupa, as condições dessa região refletem, consequentemente, o estado psíquico daqueles espíritos, o que a tornava passível de atrair outros espíritos em condições vibratórias semelhantes. Não se trata, pois, de local de castigo determinado por Deus, mas do reflexo da construção mental e emocional de seus ocupantes.

As qualificações que são feitas do suicida partem, principalmente, do sentimento do espírito em relação a si mesmo, o que guarda estreita relação com a demonização que as religiões de seu tempo – marcadamente o catolicismo – faziam dos suicidas. As caracterizações como “criminoso”, “réprobo”, “desgraçado”, “trânsfuga da lei” e assemelhadas expressam esse sentimento íntimo, fruto de uma educação precária e de um forte sentimento de culpa internalizado, jamais representando uma classificação divina para essas pessoas.

As descrições fortes, pesadas, que são feitas nos dois primeiros capítulos, contato a partir do qual muitos se desestimulam a prosseguir na leitura do livro, precisam ser contextualizadas levando-se em conta os seguintes fatores:

– o livro foi escrito entre 1926 e 1942, sendo publicado em 1956;

– naquela época, os romances eram excessivamente descritivos, para levar o leitor a formar a ideia mais próxima possível do que se desejava dizer;

– além disso, não havia qualquer discussão, no meio acadêmico ou religioso, sobre o trato humanizado do luto e das pessoas enlutadas;

– por essa época, acreditava-se que era possível educar pelo medo, o que conduziu a médium e o espírito a aceitarem a possibilidade de desestimular a prática do suicídio pelo medo/pavor que pudessem despertar nos possíveis candidatos;

– o espírito autor, tendo sido um suicida e “vivido na própria pele” as agruras dessa condição no Além, tende naturalmente a superlativizar os lances da própria experiência, o que empresta ao relato uma dimensão excessiva;

– a médium do livro, Yvonne Pereira, admitia que também fora suicida em outras vidas, o que, inclusive, marcou sua vida com um estado depressivo que durou mais de 50 anos, e essa condição também contribuiu para impulsionar a superlativização dos relatos do autor espiritual.

Todos esses fatores contribuíram para carregar essa narrativa com um discurso de culpabilização e punitivismo, embora não seja essa a conclusão a que se chega ao final do livro.

Assim sendo, não podemos exigir que um livro que foi escrito há 82 anos e publicado há quase 70 tivesse os cuidados e as atenções dos dias de hoje, em que tantas conquistas já foram feitas em torno da temática suicídio e dos “poréns” e “senões” dos meandros da mente humana (especialmente dos problemas e desafios do processo mediúnico).

As críticas precisam ser feitas para corrigir a compreensão equivocada e os discursos punitivistas, mas sempre considerando, de forma honesta e serena, os contextos e as variáveis apresentadas.

 

A MENSAGEM ESPÍRITA É DE ESPERANÇA!

Ao apresentar a sobrevivência da alma à morte do corpo como uma realidade passível de comprovação científica, como apontam, dentre outros, os estudos em torno de casos sugestivos de reencarnação, de experiências de quase e de “cartas consoladoras”, o espiritismo dissemina uma mensagem de esperança às pessoas enlutadas pelo suicídio de pessoas queridas.

Os escritos de Allan Kardec são elucidativos nesse sentido, ao mostrarem que, ainda que cometamos erros e que a consciência de culpa possa pesar em nós, ao despertarmos na realidade espiritual, sempre seremos acolhidos por espíritos dedicados à nossa felicidade. Guias espirituais, parentes desencarnados e outros espíritos com quem tenhamos laços de amor estão sempre de prontidão para nos auxiliar no “reencontro conosco mesmos” e na reconstrução dos passos incertos que tenhamos dado, no passado.

Nesse quesito, embora o livro Memórias de um suicida seja marcado, pelo senso comum e pelo olhar apressado, como uma obra que reforça a culpa e o punitivismo, ele aponta para o caminho oposto.

Quem ultrapassa os dois primeiros capítulos e avança pela história até o final, surpreende a trajetória de seu autor espiritual, Camilo Castelo Branco, rumo à descoberta de que continua “vivo”, apesar de “morto”, tendo a possibilidade de reconstituir seus caminhos, sob a Misericórdia Divina.

Memórias de um suicida é, antes de tudo, o registro de uma história de superação e esperança. Seu enredo começa com o despertar doloroso de alguém que comete suicídio, passa pelas descobertas da vida espiritual, atravessa as experiências de aprendizado e crescimento desse espírito e culmina com a sua decisão consciente de reencarnar para, numa nova existência física, edificar a própria paz.

É graças a isso que, nesses quase 70 anos de publicação, tem dissuadido muitas pessoas da prática do suicídio, contribuindo para que reavaliem suas existências, ressignifiquem as dificuldades que atravessam e decidam-se por continuar, apesar dos pesares.

Memórias de um suicida também foi uma das inspirações para a criação, no Brasil, do Centro de Valorização da Vida (CVV), fundado em 1962 por Flávio Focássio, Jacques Conchon e Valentim Lorenzetti. No livro Pelos caminhos da mediunidade serena, organizado por mim e publicado, em 2006, pela Lachâtre, a médium Yvonne Pereira fala das visitas que recebia de Jacques Conchon e de como sua obra o influenciou na fundação do CVV.

É nesse sentido que afirmamos que a mensagem espírita, tanto sobre as pessoas que escolhem o suicídio quanto para os entes queridos que ficam, é de esperança – um “esperar com temperança” não só pelo reencontro, alhures, no além, como também pelas novas oportunidades com que a Misericórdia Divina sempre nos acena, mais hoje, mais amanhã.

 

 

 

 

 

_________

 

 


Pedro Camilo (Salvador/BA)
Pedro Camilo de Figueirêdo é doutorando em Estudos Contemporâneos pela Universidade de Coimbra, mestre em Direito pela Universidade Federal da Bahia, especialista em Psicanálise Clínica e professor concursado da Universidade do Estado da Bahia. É editor-responsável pelas Editoras Lachâtre e Mente Aberta. É biógrafo da médium Yvonne do Amaral Pereira, sobre quem já publicou 5 livros, dentre os quais Yvonne Pereira: uma heroína silenciosa e Pelos caminhos da mediunidade serena, pela Editora Lachâtre

 

Fonte: https://blog.lachatre.com.br/2024/04/espiritismo-em-xeque-em-torno-da.html?fbclid=IwZXh0bgNhZW0CMTAAAR0-Ee4ZfEJx7T6q9Zri0aAQkGia3sFAO3xHJc_-ptR_KNWeQp9suM1shvU_aem_ASWlIjtanTy0IR_-QOj1bPO9LiXZrYpfZHLVM-Klypr7xlKb8phHTiJaTfuHsGa5xVhGSfbkE28IOxmOcktCcT2U

 

 

 

Leiam de Pedro Camilo Figueiredo

seta dupla verde claro direita  André Luiz Peixinho
seta dupla verde claro direita  Até breve, querido amigo, Jáder Sampaio
seta dupla verde claro direita  Chico Xavier não foi - E não é - Santo!
seta dupla verde claro direita  Chico Xavier, sua sexualidade e sua possível reencarnação como Kardec

seta dupla verde claro direita  O Espírita, a Crítica e a Divergência
seta dupla verde claro direita  Espíritas, o que estamos comunicando
seta dupla verde claro direita  Espiritismo, movimento espírita, política e eleições
seta dupla verde claro direita  Espiritismo em xeque: em torno da reportagem da BBC Brasil sobre a visão espírita do suicídio
seta dupla verde claro direita  O espiritismo não deve ser utilizado para justificar escolhas partidárias, nem para legitimar candidaturas ou propostas/planos de governo
seta dupla verde claro direita  Festas Juninas e venda de bebidas alcoólicas pelas Casas Espíritas
seta dupla verde claro direita  Luiz Antônio Gasparetto: Breve Reflexão
seta dupla verde claro direita  Minha Experiência com Hermínio Miranda
seta dupla verde claro direita  Simplesmente, cansei!
seta dupla verde claro direita  Umbandização da prática mediúnica espírita?

 

 

 



topo