Espiritualidade e Sociedade



Marcus Vinicius de Azevedo Braga

>     O paradigma cliente-fornecedor na Casa Espírita

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Marcus Vinicius de Azevedo Braga
>     O paradigma cliente-fornecedor na Casa Espírita



Determinados teóricos gostam de aplicar o modelo empresarial em tudo. Escola, governo, família, casamento e até nas organizações religiosas, como se fosse uma formula mágica de eficiência e perfeição em tudo o que se faz. Aplicam os conceitos da administração e as regras de mercado sem adaptações, supondo que sejam os mesmos pressupostos aplicados a todas as organizações. Quase um dogma...

Assim como na gerência de uma empresa, onde importam metas, rendimentos e o lucro, aplicam alguns às organizações religiosas esta lógica, fortalecendo entre estas e seus integrantes a relação cliente-fornecedor.

As casas espíritas não estão isentas de serem incluídas nessa lógica. Na literatura, nas falas e nos documentos administrativos, essa visão de mundo se materializa, reforçando uma concepção empresarial que separa em castas trabalhadores e frequentadores.

Reduzem-se as relações – e digo: reduz, pois a relação em uma organização religiosa é muito mais do que isso – a questão de que um oferece um serviço (evangelização, assistência espiritual, palestra) e o outro recebe, consome, avalia e exige a qualidade prometida. Se não gostar, reclama e busca outro fornecedor no mercado. A ideia competitiva se sobrepõe à colaborativa, em rankings informais e disputas infindáveis.

Não vejo problema nenhum em se avaliar pessoas e organizações... O problema é essa relação empresarial, onde, sob o discurso da pretensa eficácia e eficiência, atropelamos pessoas. Temos indicadores de sucesso internalizados vinculados a eventos, quantidades de frequentadores e outros fatores, mensuráveis, mais exteriores. É complexa a importação de conceitos de outros campos, indistintamente. Produto é um conceito fabril... Falamos de resultados como se na tarefa espírita, no mundo das pessoas, todo resultado fosse palpável e imediato.

O aconchego, o ambiente fraterno, a comunhão de esforços são valores da casa espírita que não podem ser esquecidos. E são imensuráveis... A sanha de se avaliar tudo e todos não pode suplantar o desejo de vivenciar e sentir.

Na empresa, o funcionário problemático é descartado, o trabalhador que falha é demitido e o cliente, esse tem sempre razão. É uma relação contratual, de partes, de deveres e direitos mútuos. Para a casa espírita, templo-lar-escola entre dois mundos, devemos construir outros paradigmas de relação, que sejam suportados pelos paradigmas filosóficos aos quais estamos vinculados. Para isso estudamos e refletimos.

Na casa espírita buscamos aproveitar o melhor de cada um, entender as dificuldades e ajudar ao próximo, sem esperar a contrapartida. Entendemos a vida como eterna, sucedendo-se em múltiplas encarnações. A dimensão da prática do bem, reflexiva, não está vinculada à quantidade de bolsas distribuídas e sim à reforma íntima em nós proporcionada. O propósito da casa espírita é a construção do homem de bem!

O problema desse paradigma, sob o manto da miraculosa eficiência, é a segregação de papéis, a profissionalização religiosa, a frieza no envolvimento das tarefas e a burocratização das realizações, escondendo o jogo de poder imbricado nesse modelo.

Terminamos por achar que uma boa casa espírita é aquela que tem instalações físicas de primeira linha, um belo site e grandiosos eventos. Esquecemos a edificação no altar interior, que não se vincula a ostentação no plano concreto.

A missão, a meta da casa espírita, é de difícil mensuração. Falamos de dois planos de vida, de ações que às vezes demoram 20 anos para frutificar ou, ainda, ações de alto risco e de baixo retorno. Não é uma empresa, visando ao lucro, abocanhar outras fatias de mercado ou, ainda, remunerar o investimento de seus acionistas. Na casa espírita trabalhamos com integração de forças e não na biunívoca relação contratual, do toma-lá-dá-cá. Bem, pelo menos deveríamos... Somos voluntários e não funcionários. Não temos chefes, temos amigos.

É um assunto delicado, mas que merece a nossa profunda reflexão, dando a César o que lhe pertence, inclusive na forma de ver o mundo.



Fonte: http://www.oconsolador.com.br/ano5/226/marcus_braga.html

 

 


topo

 

 

Leiam outros textos de Marcus Vinícius de Azevedo Braga:

-> Arranjos produtivos da mediunidade
-> Café, sustentabilidade e a governança das políticas públicas
-> Casa Espírita Amazonas Hércules: há 28 anos a serviço do próximo
-> Casa espírita roubou meu pai... (A)
-> Desenho Animado é coisa séria: o imaginário infantil e os conceitos espíritas
-> O Deus da Polinésia
-> Em 150 anos
-> O Fantasminha Camarada
-> A Ferramenta do Bem
-> Fortuna e glória
-> O fosso imaginário
-> A fraternidade esquecida
-> A hipótese insuperável de Kardec
-> Internet, infância e juventude
-> Lá no sertão de Goiás
-> Lucidez e genialidade
-> O martelo ainda ecoa, a chama ainda arde: a mediunidade e a caça às bruxas
-> O Melhor e o Adequado
-> Música para ouvir e música para se cantar junto
-> Namoro Espírita
-> Nossa relação com a mediunidade
-> Painel de instrumentos
-> Para além da porteira
-> O paradigma cliente-fornecedor na Casa Espírita
-> Práticas salutares na condução de trabalhos espíritas
-> Predição do futuro causa polêmica em meio acadêmico
-> Pureza ou dureza doutrinária?
-> Quo Vadis?
-> O real e o engenho
-> Reflexões sobre a vida a dois
-> Sexualidade e responsabilidade
-> Sobre a série da Netflix “Vida após a morte”
-> Tesouros da Juventude
-> O Titular da ação
-> Tolerância é uma palavra feia
-> Um dia de Buda

Marcus Vinícius de Azevedo Braga & Paulo de Tarso Lyra
-> A força do Espiritismo


topo



Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual