Espiritualidade e Sociedade



Aylton Paiva


>   Não julgueis

Artigos, teses e publicações

Aylton Paiva
>   Não julgueis

 

 

É muito citada a frase: “ Não julgueis para que não sejais julgados” atribuída a Jesus, conforme o capítulo 7, versículo 1, quando se quer alertar alguém sobre a sua impossibilidade de fazer julgamentos sobre os outros.

A tradução acima da frase é João Ferreira de Almeida “in” A Bíblia Sagrada, ed. Sociedade Bíblica do Brasil. Não traz a informação de qual idioma foi traduzida.

Outras traduções trazem pequenas variações quanto ao uso de vocábulos e estrutura de redação, todavia, de maneira geral, mantém o mesmo sentido: “ não fazer julgamento”.

Segundo os historiadores, Jesus, pela época e local em que viveu, teria falado em aramaico.

Não existem manuscritos dos evangelhos e dos livros bíblicos no idioma aramaico.

Os exemplares mais antigos que chegaram até os nossos tempos estão escritos em grego antigo, que depois foram traduzidos para o idioma latim, língua dos romanos, e desta para os demais idiomas.

Então é importante que procuremos entender com a devida lógica os ensinamentos do Mestre Jesus, que, muitas vezes, apresentam profundidade de ideias muito além da aparência.

Nesse ensinamento poderemos considerar que Jesus não pretendia condenar o julgamento como processo racional de análise e compreensão sobre determinado fato ou pessoa, mas o que deve vir na fase seguinte, após o julgamento, que é a condenação, se houver erro.

Na verdade, a tendência das pessoas é condenar antes de julgar, se algo não lhe agrada, muitas vezes não considerando se está certa ou errada.

Então muitos equívocos surgem e muitos males têm a sua dramática origem.

Conta-se que um casal, recém casado, mudou para um bairro muito tranqüilo.

Na primeira manhã que passavam na casa, enquanto tomavam café, a mulher reparou em uma vizinha que pendurava lençóis no varal e comentou com o marido:

- Que lençóis sujos ela está pendurando no varal! Está precisando de um sabão novo. Se eu tivesse intimidade, perguntaria se ela quer que a ensine a lavar as roupas!

O marido observou calado.

Três dias depois, também durante o café da manhã, a vizinha pendurava lençóis no varal, e novamente, a mulher comentou com o marido:

- Nossa vizinha continua pendurando os lençóis sujos! Se eu tivesse intimidade perguntaria se ela quer que eu a ensine a lavar as roupas!

E assim, a cada três dias, a mulher repetia seu discurso, enquanto a vizinha pendurava suas roupas no varal.

Passado um mês a mulher se surpreendeu ao ver os lençóis muitos brancos sendo estendidos, e empolgada foi dizer ao marido:

- Veja, ela aprendeu a lavar as roupas, será que a outra vizinha lhe deu sabão? Porque eu não fiz nada.

O marido calmamente respondeu:

- Não, hoje eu levantei mais cedo e lavei a vidraça da janela.

E assim é. Tudo depende da janela através da qual observamos os fatos. Antes de criticar, verifique se você fez alguma coisa para contribuir; verifique seus próprios defeitos e limitações. ( A luz dissipa as trevas, vol. 2, Editora Paulo de Tarso, Goiânia, GO, 2002, pg. 86).

Para condenar é preciso saber julgar; caso contrário o julgador será condenado.

O julgamento e a condenação devem sempre visar o Bem.

 


 
Fonte:
https://www.noticiasespiritas.com.br/2015/MAIO/14-05-2015.htm

 

 


topo

 


Leiam de Aylton Paiva,
-> Espiritismo e Participação Política
-> Os Espíritas e a eleição
-> Espiritismo e Política
-> A Filosofia Espírita e seus Aspectos Sociais
-> Flagelos e Providências
-> Não julgueis

 

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z 
  - Allan Kardec
   -   Special Page - Translated Titles
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual :