Espirituialidades e Sociedade


Notícias:

Cientistas encontram evidência de que grupos de macacos cooperam entre si; entenda




 

 

29/12/2023

 

 

Cientistas encontram evidência de que grupos de macacos cooperam entre si; entenda

Alguns bonobos estão desafiando a noção de que os humanos são os únicos primatas capazes de fazer alianças entre grupos

 


Por THE NEW YORK TIMES - LIFE/STYLE

 

Se um bando de babuínos encontrar outro bando na savana, eles podem manter uma distância respeitosa ou entrar em uma briga. Mas grupos humanos geralmente fazem outra coisa: cooperam.

 

 

As tribos de caçadores-coletores se reúnem regularmente para caçadas comunitárias ou para formar alianças em grande escala. Vilas e cidades dão origem a nações. As redes de comércio se estendem por todo o planeta.

A cooperação humana é tão impressionante que os antropólogos há muito tempo a consideram uma marca registrada de nossa espécie. Eles especularam que ela surgiu graças à evolução de nossos cérebros poderosos, que nos permitem usar a linguagem, estabelecer tradições culturais e realizar outros comportamentos complexos.

Mas um novo estudo, publicado na Science, põe em dúvida essa singularidade. Acontece que dois grupos de macacos na África têm se misturado e cooperado regularmente entre si há anos.

“A existência de relações prolongadas, amigáveis e cooperativas entre membros de outros grupos que não têm laços de parentesco é realmente extraordinária”, disse Joan Silk, primatologista da Universidade Estadual do Arizona que não participou do estudo.

A nova pesquisa é resultado de observações de longo prazo de bonobos, uma espécie de macaco que vive nas florestas do Congo. Há um século, os primatologistas pensavam que os bonobos eram uma subespécie esbelta de chimpanzé. Mas as duas espécies são geneticamente distintas e se comportam de maneiras notavelmente diferentes.

Entre os chimpanzés, os machos ocupam um lugar dominante na sociedade. Eles podem ser extremamente violentos e até matar bebês. Nos grupos de bonobos, entretanto, as fêmeas dominam e nunca se observou que os machos cometessem infanticídio. Os bonobos geralmente resolvem os conflitos com sexo, uma estratégia que os primatologistas não observaram nos chimpanzés.

Os cientistas fizeram a maior parte de suas primeiras observações dos bonobos em zoológicos. Mas nos últimos anos, eles realizaram estudos de longo prazo com os macacos na natureza.

Martin Surbeck, ecologista comportamental de Harvard, estabeleceu em 2016 um novo local de observação na Reserva Kokolopori Bonobo, no Congo. Trabalhando com o povo Mongandu, que vive em vilarejos vizinhos, ele fez caminhadas pelas florestas em busca de bonobos.

Em sua primeira viagem de reconhecimento, Surbeck ficou surpreso ao ver o que aconteceu quando o grupo de bonobos que eles estavam seguindo encontrou outro. Depois de alguns gritos animados, os macacos se acalmaram em uma reunião amigável.

O encontro não poderia ter sido mais diferente do que acontece entre os grupos de chimpanzés. Os chimpanzés machos geralmente patrulham os limites de suas áreas, prontos para enfrentar machos de outros grupos. Eles até mesmo sobem no topo de colinas para observar o horizonte em busca de outros grupos.

“Eu me senti muito privilegiado por testemunhar esse encontro”, lembra Surbeck.

Depois disso, Surbeck e seus colegas passaram a conhecer muito bem os dois grupos de bonobos. Eles chamaram um grupo, com 11 adultos, de Ekalakala. O outro grupo, com 20 adultos, passou a ser conhecido como Kokoalongo.

 

Ele e seus colegas observaram 95 encontros entre os dois grupos ao longo de dois anos. Alguns duraram menos de uma hora, mas outros duraram dias. Em uma ocasião, os grupos Ekalakala e Kokoalongo permaneceram por duas semanas antes de se separarem.

Durante essas misturas, os bonobos se comportaram como se estivessem em um único grupo. Eles se cuidavam mutuamente, compartilhavam alimentos e cooperavam para afugentar cobras.

No entanto, os dois grupos permaneceram distintos. Os cientistas não encontraram nenhuma evidência de descendência dos macacos Ekalakala e Kokoalongo. Os dois grupos mantiveram até mesmo suas próprias culturas. Embora suas áreas de distribuição se sobrepusessem, eles caçavam diferentes tipos de caça. Os bonobos de Ekalakala caçavam pequenos mamíferos semelhantes a veados, chamados duikers. Os bonobos Kokoalongo caçavam esquilos.

Liran Samuni, especialista em chimpanzés do Centro Alemão de Primatas em Göttingen, que participou da pesquisa de Kokolopori, disse que a cooperação entre os grupos não era apenas o resultado da amizade dos bonobos em geral. “Não é apenas aleatório”, disse ela.

Samuni e seus colegas descobriram que os macacos individuais dos diferentes grupos formaram laços gradualmente à medida que ofereciam favores e presentes de um lado para o outro. Em alguns casos, dois macacos de grupos diferentes chegaram a formar uma aliança para assediar um terceiro bonobo.

Silk esperava que a nova pesquisa incentivasse estudos semelhantes em outros lugares para verificar o quanto essa cooperação é realmente difundida entre os bonobos. “Você sempre quer ver as coisas acontecendo repetidamente em diferentes populações antes de ficar realmente convencido da importância dessa característica”, disse ela.

Essas observações podem não chegar tão cedo. É difícil estabelecer locais de pesquisa com bonobos, e não apenas porque os macacos vivem nas profundezas das florestas tropicais. Os cientistas também precisam lidar com os conflitos internos no Congo. E os bonobos, que podem chegar a apenas 15.000, estão ameaçados pela extração de madeira e pela caça ilegal.

Samuni observou que os chimpanzés, com seus encontros hostis, são tão próximos de nós quanto os bonobos. Nossa espécie se assemelha a ambas as linhagens, em diferentes aspectos. Embora os grupos humanos possam cooperar de maneira extraordinária, eles também podem se organizar para lutar.

“Eu não diria que é uma coisa ou outra”, disse Samuni. “Eles estão nos ensinando conjuntamente sobre nosso passado”.

 

 

Fonte: https://www.estadao.com.br/lifestyle/cientistas-encontram-evidencia-de-que-grupos-de-macacos-cooperam-ente-si-entenda/?utm_source=estadao:app&utm_medium=noticia:compartilhamento

 

 

 
 

 

>>>   clique aqui para acessar a página principal de Notícias

>>>   clique aqui para voltar a página inicial do site

>>>   clique para ir direto para a primeira página de Artigos, Teses e Publicações