Espirituialidades e Sociedade


Notícias:

>  Reza Aslan: "Deus é uma ideia. Eu não estou interessado na questão de se ele existe ou não - entrevista com o estudioso das religiões publicada no jornal El País



Compartilhar
 

 

 

12/12/2021


 

Reza Aslan - entrevista com o estudioso das religiões publicada no jornal El País

 

Por RICARDO DE QUEROL
Madrid - 24 DE SETEMBRO DE 2019 - 01:57 Atualizado:25 DE SETEMBRO DE 2019 - 11:37 CEST


Deus, representado no afresco 'O Eterno da Glória', de Luigi Garzi, na capela Cybo de Santa Maria del Popolo, em Roma

 

 

Reza Aslan: "Deus é uma ideia. Eu não estou interessado na questão de se ele existe ou não."

O estudioso das religiões analisa em: 'Deus. A História Humana a Origem das Crenças e a Tendência Universal para Humanizar o Divino

 

Uma biografia de Deus? Não: um relato de como os homens modelaram os deuses à sua imagem e semelhança. Mas este livro aparentemente cético não nega a Deus e fornece ingredientes para o debate sobre por que todas as culturas, em todos os momentos e lugares, têm buscado uma dimensão espiritual. O cérebro humano, diz Reza Aslan, tende a acreditar em Deus, deuses ou, no mínimo, uma alma. Foi uma vantagem evolutiva? Não, não foi: procure outra explicação em outro lugar.

"Não estou interessado na questão de se existe ou não Deus, o que é impossível de responder. A pergunta que me levou a escrever este livro é o que significa quando a palavra Deus é dita. É uma palavra quase universal. E todo mundo entende algo muito diferente", explica este estudioso das religiões, autor de Deus, por telefone de Los Angeles. Uma história humana, que Touro publica agora em espanhol.

Aslan (Teerã, 47), professor da Universidade da Califórnia,sabe sobre crenças porque as estudou para várias instituições acadêmicas, publicou livros e trabalhou em conferências e debates. E porque ele viveu diferentes crenças. Seus pais iranianos vieram para os EUA fugindo da revolução de Khomeini. Quando criança, ele era muçulmano (xiita); na adolescência ele se converteu ao cristianismo (evangélico); então ele voltou ao Islã e, depois de se aproximar do sufismo,hoje ele se define como panteísta. O que "não é uma moda da nova era", adverte ele, mas "provavelmente a crença mais antiga da humanidade", que ele se propõe a ressuscitar. "Panteísmo é a recusa em aceitar uma distinção entre criador e criação; é a crença de que Deus é tudo e todas as coisas são Deus."

 


O estudioso das religiões Reza Aslan

 

 

Mas Aslam não aspira a nos converter ao panteísmo, ao qual ele mal dedica o epílogo. Ele quer entender o que está por trás de todas as religiões, sobre as quais ele adota a distância: são criações humanas, uma linguagem de símbolos. E encontrar diretrizes comuns em todos eles. Ele vê um impulso religioso em nossa espécie e também uma tentação irresistível para humanizar os deuses, para nos projetarmos neles. "Se acreditamos em um, muitos ou nenhum, somos nós que modelamos Deus à nossa imagem e semelhança, e não o contrário."

Primeiro mito que ataca: essa religião surgiu porque era uma vantagem evolutiva, um elemento coeso nas sociedades primitivas. Ele pensa o contrário: "A religião era uma desvantagem, porque todos os recursos e esforços que são colocados para expressar sentimentos religiosos poderiam ter sido usados para garantir a sobrevivência", argumenta. Assim, a hipótese mais plausível, diz ele, é que é "um produto acidental de outra vantagem evolutiva. Um acidente, em outras palavras. Aslam lembra que não havia moralidade nos deuses da antiguidade: por exemplo, os mesopotâmios ou egípcios eram "selvagens e brutais", e os gregos eram "seres presunçosos e caprichosos".

Segundo mito em questão: a religião aparece com a revolução agrícola para entrincheirar o poder dos líderes. Não, diz Aslan: "O impulso religioso tem centenas de milhares de anos. O que é um fenômeno relativamente recente é a religião institucionalizada, com padres ou xamãs."

O livro começa com as primeiras manifestações de espiritualidade do Homo sapiens, visíveis nas pinturas rupestias. E em um lugar tão incrível quanto Göbekli Tepe, um santuário de caçadores-coletores na atual Turquia que poderia datar de 12.000 anos a.C. O primeiro vestígio de uma religião organizada. "É possível que a construção de Göbekli Tepe não só marcou o início do Neolítico,mas o início de uma nova concepção da humanidade", escreve. E assim se liga a uma terceira negação, que o estilo de vida sedentário foi o efeito da agricultura. "As protomídias foram construídas com centenas, em alguns casos milhares de pessoas, em torno de monumentos religiosos. Uma vez que se tornaram sedentários, procuraram formas de lidar com a crescente população: cultivar alimentos e domesticar animais. É o oposto do que sempre foi pensado", diz ele.

O autor revisa as origens dos três grandes monoteísmos, mas questiona até que ponto eles podem ser considerados assim. Sobre o judaísmo, ele argumenta – como outros especialistas – que é a fusão de duas tradições religiosas vizinhas, aquelas que adoravam os deuses Yahweh e El (ou Elohim), que são falados de forma diferente no Pentateto. Porque os autores que moldam o Antigo Testamento, desde o exílio na Babilônia, não escondem as muitas contradições: "Muito pelo contrário. Se alguém lê Gênesis, parece um livro, mas na realidade são quatro livros diferentes escritos em diferentes séculos. É um cobertor feito de sucatas.

Outra crença comum que ele refuta é que Jesus ou Muhammad estavam cientes de que ele estava fundando uma religião. "O que você e eu chamamos de cristianismo foi criado por Paulo. Os evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas eram apenas mais uma versão do judaísmo", diz ele. É o Evangelho de João, o mais tarde, o único que degrada o Messias. A outra figura decisiva é o Imperador Constantino, que, três séculos depois, enfrenta a dispersão doutrinária do cristianismo e pretende impor uma versão oficial. Esse processo terminou no dogma da trindade, a tentativa de reconciliar que um Deus tem um filho que também é Deus. A trindade, ele observa, foi uma ruptura abrupta com o monoteísmo judeu, mas "satisfez os gostos politeístas dos primeiros cristãos, que eram principalmente gregos ou romanos".

Nem Muhammad pretendia fundar uma religião, de acordo com Aslam. "O que você vê em Muhammad, e ele não era o único dos muitos reformadores naquela época na Arábia, é uma tentativa de retornar ao monoteísmo original de Abraão. Como acontece frequentemente, logo após a morte de Maomé, a comunidade ao seu redor começou a se apresentar como uma nova religião. Não há evidências de que alguém tenha se declarado muçulmano antes da morte de Maomé", diz ele.

Em sua evolução pessoal, Aslan olhou para os místicos sufis, que foram acusados de blasfemos porque eles disseram: "Eu sou Deus". Nelas ele encontrou o que procurava: "o clímax da crença em um Único, singular, não humano, criativo e indivisível Deus".

"Se Deus é tudo, por que chamá-Lo de Deus e não do universo?"

"Deus não é um nome, é uma ideia. O que essa ideia significa varia dependendo de quem usa a palavra. Eu definiria como pura existência. Ele está certo: devemos ter mais cuidado em usar a palavra Deus.

 

 

Também os "anti-theists" são extremistas
__________________________________


O fanatismo não é para Reza Aslan qualquer novidade na história e ele explica isso como um fenômeno reativo. "O fundamentalismo religioso reage ao liberalismo religioso; assim como o fundamentalismo político, como o que vemos nos Estados Unidos, é uma reação à globalização. Sim, é terrível ver a ascensão do radicalismo, mas é para o progresso, para o multiculturalismo, para o maior apoio ao LGTBI, e isso é mais importante do que como eles reagem."

O escritor traz ateus militantes como Richard Dawkins ou Sam Harris na categoria de extremistas. "O novo ateísmo não parece um movimento muito intelectual para mim. Um ateu não acredita em Deus e é isso. São anti-teístas: dizem que a religião é um mal insidioso que deve ser erradicado da sociedade. E isso é mais como fundamentalismo religioso do que ateísmo."

 

Fonte: https://elpais.com/cultura/2019/09/24/actualidad/1569339239_608975.html

 

 

 

 

>>>   clique aqui para acessar a página principal de Notícias

>>>   clique aqui para voltar a página inicial do site

>>>   clique para ir direto para a primeira página de Artigos, Teses e Publicações