Espiritualidade e Sociedade - Bibliografia


Vídeos

 


Amélie Gabrielle Boudet

- Sra. Allan Kardec

Compartilhar

Amélie Gabrielle Boudet (1795-1883)
>   Sra. Allan Kardec


Amélie-Gabrielle Boudet (França, 1795 - 1883) foi uma professora e artista plástica, esposa de Allan Kardec, codificador da Doutrina Espírita.

Filha única do tabelião Julien-Louis Boudet e de sua esposa, Julie-Louise Seigneat de Lacombe, era conhecida na intimidade familiar pelo diminutivo Gaby.

De acordo com o seu biógrafo, Henri Sausse, foi professora com diploma de primeira classe, tendo se formado na primeira Escola Normal Leiga, de orientação pestalozziana, localizada no Boulevard Saint-Germain, em Paris, cidade onde viveu toda a sua vida.

Foi poetisa e artista plástica, com domínio das técnicas tradicionais.

De acordo com o pesquisador espírita Silvino Canuto de Abreu, foi professora de Letras e Belas Artes, autora de obras como "Contos Primaveris" (1825), "Noções de Desenho" (1826) e "O Essencial em Belas Artes" (1828).

Casou-se em 1832 com o pedagogo Hippolyte-Léon-Denizard Rivail, que posteriormente se notabilizaria sob o pseudônimo de Allan Kardec.

Colaborou permanentemente com os estudos do marido, tornando-se grande incentivadora do trabalho de Codificação e difusão do Espiritismo.

Após o falecimento de seu esposo, em 1869, assumiu todos os encargos necessários à gestão do Espiritismo, na França e no mundo.

Sua vida divide-se em grandes fases ou períodos:

de 1795 a 1832, como senhorita Amélie Gabrielle Boudet;
de 1832 a 1857, como a senhora Rivail;
de 1857 a 1869, como a senhora Allan Kardec;
de 1869 a 1883, como a viúva Allan Kardec.

Faleceu em sua residência, em Paris, e foi sepultada ao lado do esposo no Cemitério do Père-Lachaise.

Atualmente, um centro de estudos espíritas em Paris homenageia-a com o seu nome.

O Projeto Espiritismo no YouTube tem como propósito divulgar a educação e a cultura espírita através de arquivos de vídeos no YouTube. Não há interesse financeiro algum ou vantagem material de qualquer natureza nesse trabalho, que é voluntário e abnegado. Espíritas não exploram o Espiritismo como fonte de renda e nem faz dele um negócio ou meio de vida. Escrevam-me aqueles que desejarem conhecer a Doutrina Espírita (informações, perguntas, esclarecimentos, instruções, etc.) ou receber Atendimento Fraterno em alguma casa espírita.


Dércio Conceição
Divulgador da Doutrina Espírita


Índice:

- clique aqui para voltar para a página índice de vídeos -