Espirituialidades e Sociedade


Notícias:

>  Fundação do jornal O Clarim



Compartilhar
 

 

 

15/08/2018

 

 

Cairbar Schutel era um católico convicto, idealista. O pequeno vilarejo que Matão era no início do século XX não possuía sequer uma capela e graças ao empreendedorismo inato à sua personalidade, Schutel ajudou a construir a primeira capela local, que batizaram de Capela do Bom Jesus de Matão.

 
Cairbar Schutel - Foto “O Clarim”, Matão, SP

 

Schutel incentivava o Padre Antônio Cezarino a vir de Araraquara pelo menos uma vez por mês para celebrar missas na capelinha e, como bom católico, era adepto de promessas e ritos, que confiava e defendia com extrema devoção.

Este pensamento, entretanto, começou a sofrer modificações no princípio de 1904, quando os pais de Cairbar, Sr. Anthero e D. Rita, voltaram a fazer parte de sua vida, desta vez aparecendo insistentemente em seus sonhos. Tentando compreender a razão daqueles encontros – para ele estava claro que não era fruto de suas lembranças, nem meras visões –, procurou o Padre Antônio Cezarino, expondo suas dúvidas e requisitando explicações lógicas para o padre. Este logo o advertiu para “não mexer com essas coisas”. Ficou claro que o padre não concordava com tais questionamentos de Schutel a respeito de vida após a morte e tachou essas visões como algo proibido, como má influência.

Não satisfeito com a resposta, Schutel procurou Quintiliano José Alves e Calixto Prado, que realizavam sessões espíritas na pequena vila, desejando participar delas. A linguagem utilizada na sessões era a tiptologia, modo de comunicação mediúnico através de pancadas e batimentos. Dessa forma, perguntas eram feitas aos espíritos, que respondiam através de uma pequena mesa, chamada trípode, através de pancadas. O número de pancadas determinava a resposta.

As sessões começaram a despertar a curiosidade em Cairbar Schutel e, ao comentar tais questionamentos com o amigo João P. Rosa e Silva, caixeiro-viajante de Itápolis, ele lhe apresentou o caminho que mudaria o rumo da vida de Cairbar: o conhecimento do Espiritismo. João o presenteou com uma edição da revista O Reformador, que Cairbar leu empolgado, como quem estivesse descobrindo um grande tesouro. No dia seguinte, pediu pelo correio as cinco obras da codificação espírita, organizadas por Allan Kardec, que faziam parte da publicidade da revista.

Após receber os livros, não foi necessário mais do que um mês para que Cairbar lesse e absorvesse todo o conhecimento impresso naquelas obras. Tornar-se espírita e desejava compartilhar, ensinar, propagar, fazer com que outras pessoas pudessem conhecer também esta nova doutrina.

Decide então que uma sala de sua casa acomodaria a primeira instituição espírita de Matão, o Centro Espírita “Amantes da Pobreza” (atual Centro Espírita O Clarim), fundado em 15 de julho de 1905. A reunião que selou a fundação da nova instituição contou com 21 membros, incluindo “o humilde Secretário que esta está lavrando Cairbar S. Schutel”, conforme consta na ata de fundação.

A mudança de pensamento do respeitado farmacêutico e político de Matão logicamente provocou reação da população local, que o acusou de todas as formas possíveis, inconformada com o fato. Surge, então, a ideia de fundar um jornal para mostrar a todos a coerência do novo pensamento a que se convertera.

Um mês após a fundação do Centro Espírita surge o jornal “O Clarim”, no dia 15 de agosto de 1905, sendo até os dias atuais divulgado de forma ininterrupta, ecoando os ensinamentos espíritas para todos aqueles que desejam ouvi-lo.

 

Fonte: https://www.oclarim.org/oclarim/institucional/fundacao-jornal-o-clarim.html

 


     1ª. Edição de O Clarim, 15-08-1905

 


Primeira impressora de O Clarim exposta no Memorial Cairbar Schutel. Foto Ismael Gobbo.

 

Cairbar Schutel 22-09-1868 / 30-01-1938

Cairbar Schutel nasceu no Rio de Janeiro a 22 de setembro de 1868. Era filho de Antero de Souza Schutel e de D. Rita Tavares Schutel. Frequentou o Colégio D. Pedro II. No Rio praticou em diversas farmácias e aos 17 anos veio para o Estado de São Paulo, exercendo sua profissão em Piracicaba, Araraquara e depois em Matão, onde residiu 42 anos. Foi um dos fundadores de Matão e seu primeiro Prefeito, trabalhando incansavelmente pelo progresso desta localidade, onde militou na política por alguns anos. Matão deve-lhe relevantes serviços. Católico romano por tradição, Cairbar Schutel muito fez pelo brilho dessa religião, com a sinceridade que caracterizou Saulo de Tarso. Mas como essa religião não respondia às perguntas íntimas que Cairbar fazia com respeito ao seu falecido pai, procurou outras fontes de informação fora da Igreja. Nesse tempo residiam em Matão seus amigos Calixto Prado e Quintiliano José Alves, que convidados por Cairbar Schutel, fizeram com ele sessões de tiptologia com a trípode pequena mesa com três pés). Foi então que, conhecendo que a vida continuava além do túmulo, estudou e abraçou o Espiritismo e dele se tornou um dos maiores propagandistas. Seu trabalho logo começou a aparecer: Fundou em 15 de julho de1905, o Centro Espírita Amantes da Pobreza*. Logo a seguir, a 15 de agosto desse ano, lançou à luz da publicidade "O Clarim", em formato pequeno, que logo se ampliou, atingindo sua tiragem a 10.000 exemplares nos últimos anos. Além disso fazia propaganda da doutrina por meio de boletins e panfletos, fazendo ainda palestras doutrinárias nas cidades circunvizinhas, inclusive programas radiofônicos na antiga PRD-4 de Araraquara. Sua atividade não parou. Assim foi que, a 15 de fevereiro de 1925, fundou A Revista Internacional de Espiritismo dedicada aos estudos dos fenômenos anímicos e espíritas. Este mensário conta com a colaboração de eminentes mentalidades mundiais, circulando não só entre as suas congêneres. Seu trabalho não se resumiu nessas duas publicações. Apareceram de sua brilhante pena, os seguintes livros: Espiritismo e Protestantismo, setembro de 1911; Histeria e Fenômenos Psíquicos, dezembro de 1911; O Diabo e a Igreja, dezembro de 1914; Médiuns e Mediunidades, agosto de 1923; Gênese da Alma, setembro de 1924; Materialismo e Espiritismo, dezembro de 1925; Fatos Espíritas e as Forças X..., maio de 1926; Parábolas e Ensinos de Jesus; janeiro de 1928; O Espírito do Cristianismo, fevereiro de 1930; A Vida no Outro Mundo, outubro de 1932; Vida e Atos dos Apóstolos, fevereiro de1933; Conferências Radiofônicas, setembro de 1937. Cairbar não dava só a sua inteligência em proveito do seu próximo. Oferecia o seu coração socorrendo os pobres e os enfermos com grande dedicação. Após curta enfermidade faleceu em Matão, dia 30 de janeiro de 1938, às 16:15 horas, o "Bandeirante do Espiritismo"- Cairbar Schutel.

 


Oficinas de O Clarim. Crédito da foto “O Clarim”, Matão, SP

 


Crianças na redação de O Clarim, Matão, SP. Foto O Clarim

 

Fonte: http://www.noticiasespiritas.com.br/2018/AGOSTO/15-08-2018

 

>>>   clique aqui para acessar a página principal de Notícias

>>>   clique aqui para voltar a página inicial do site

>>>   clique para ir direto para a primeira página de Artigos, Teses e Publicações