Espirituialidades e Sociedade



Notícias:

Hospitais testam estimulação elétrica contra depressão

 

 

 

13/03/2014

 
Hospitais testam estimulação elétrica contra depressão

por Cláudia Collucci e Monique Oliveira
Folha de São Paulo

Santa Casa e Hospital do Coração avaliam técnica não invasiva que ativa nervo no rosto com aparelho portátil. Outros estudos verificam a eficácia do tratamento contra a dependência do crack e a fibromialgia.

_________


Dois grandes hospitais de São Paulo estão testando a estimulação elétrica de um nervo localizado no rosto para o tratamento da depressão, da fibromialgia e da dependência de crack. O procedimento experimental é indolor e não invasivo.

Na técnica, dois eletrodos conectados a um marca-passo são colocados na testa do paciente, região do nervo trigêmeo, que passa pela mandíbula, pelo maxilar e pela região próxima aos olhos.

Os eletrodos, então, enviam ondas elétricas até as áreas do sistema nervoso central que regulam o comportamento. Os neurônios reagem ao estímulo e voltam a funcionar em níveis normais.

No HCor (Hospital do Coração), o procedimento está sendo testado em 14 pacientes com depressão moderada e nos próximos meses mais 70 serão recrutados.

"Esse estímulo altera o fluxo sanguíneo e os impulsos neuronais com benefícios visíveis", diz Antônio De Salles, coordenador do Núcleo de Neurociência e Neurocirurgia do HCor.

Já na Santa Casa, os testes com a estimulação do nervo trigêmeo incluem, além da depressão, a fibromialgia, doença caracterizada por dores em todo o corpo, e a dependência do crack.

Lá, a técnica foi aplicada em dez pacientes com depressão severa que não respondiam mais a medicamentos. Foi o caso da funcionária pública Ivone Pereira Lopes, 55.

Após o tratamento experimental com eletroestimulação durante duas semanas, parou de usar remédios, não sente mais dores pelo corpo nem sinais da depressão.

A fase de manutenção da terapia, a partir deste mês, será mais inovadora: após receber orientações, os pacientes farão em casa a eletroestimulação com aparelhos portáteis cedidos pelo hospital.

Segundo Pedro Shiozawa, coordenador do Laboratório de Neuroestimulação Clínica, ligado à Santa Casa, todos os pacientes do estudo se recuperaram da depressão após o tratamento.


CONTRA A FISSURA

Como a técnica deu bons resultados nos casos de depressão e transtorno da ansiedade, pesquisadores da Santa Casa decidiram usar o tratamento em usuários de crack, especificamente para controlar a vontade incontrolável de consumir a droga.

Com os eletrodos instalados, o usuário é colocado para assistir a um vídeo com imagens da droga que, normalmente, provocam fissura. Segundo os primeiros relatos, com as ondas elétricas, o desejo pela droga não aparece.

Shiozawa ressalta que não se trata de cura, e sim de uma ferramenta para ajudar os usuários que ainda precisa ser testada em mais pessoas antes de ser proposta como alternativa de tratamento.

Entre as técnicas de neuroestimulação, apenas a magnética transcraniana foi aprovada pelo Conselho Federal de Medicina para depressão uni e bipolar, alucinações auditivas em esquizofrenia e planejamento de neurocirurgia. Para De Salles, a terapia ainda é pouco usada, devido à dificuldade de acesso e ao desconhecimento.

Sua principal vantagem, afirma, é apresentar menos efeitos colaterais que os medicamentos.


Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saudeciencia/155955-hospitais-testam-estimulacao-eletrica-contra-depressao.shtml

_________



Centro de estudos no HC amplia uso da técnica

O IPq (Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP), centro pioneiro em estudos e tratamentos com neuroestimulação no Brasil, acaba de reformular seu setor de estimulação magnética transcraniana.

O espaço agora terá também a estimulação transcraniana por corrente contínua e ficará sob a direção do psiquiatra André Brunoni.

A estimulação magnética usa uma bobina para gerar campos magnéticos que penetram cerca de 3 cm no cérebro, atingindo a região a ser tratada. Os estudos feitos no HC, com direção do psiquiatra Marco Marcolin, serviram de base para a aprovação da técnica em 2012 pelo Conselho Federal de Medicina.

O instituto também realiza estudos com estimulação magnética profunda. Nesse caso, os impulsos atingem até 9 cm de profundidade.

Já a estimulação por corrente contínua utiliza um aparelho movido à bateria ligado a dois eletrodos fixados ao couro cabeludo, o que cria um circuito que atravessa o cérebro e muda como os neurônios se comunicam. Os aparelhos são portáteis e mais baratos do que os usados na estimulação magnética.

Brunoni agora deve conduzir um estudo para testar a eficácia do procedimento em comparação com o uso de um antidepressivo. (MO)

Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saudeciencia/155956-centro-de-estudos-no-hc-amplia-uso-da-tecnica.shtml

__________________

 

EUA aprovam faixa contra enxaqueca

A FDA (agência que regulamenta remédios e equipamentos médicos nos EUA) aprovou ontem uma faixa com eletrodos que pode ser usada em casa para aliviar crises de enxaqueca. A técnica se baseia na estimulação nervosa elétrica transcutânea, já consagrada para o tratamento de vários tipos de dor.

Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saudeciencia/155953-eua-aprovam-faixa-contra-enxaqueca.shtml

 

>>>   clique aqui para acessar a página principal de Notícias

>>>   clique aqui para voltar a página inicial do site

>>>   clique para ir direto para a primeira página de Artigos, Teses e Publicações