Espirituialidades e Sociedade



Notícias :

Guana Veras Quelemes e a arte espírita

 

 



06/04/2012

A Coordenadora do Setor de Arte da FEPI (Federação Espírita do Piauí) e associada da ABRARTE (Associação Brasileira de Artistas Espíritas) discorreu sobre arte espírita no Informativo virtual da Abrarte

- www.abrarte.org.br -

 

"Quando canalizada para o bem,
a arte potencializa o que há de melhor em cada ser
"

- Guana Veras Quelemes -




- Guana Veras Quelemes -



Guana Veras Quelemes é natural de Teresina (PI). Bacharel em Arquitetura e Urbanismo e Licenciada em Artes Plásticas. Foi professora de Arte na rede particular de ensino, trabalhou com cenografia de eventos, é servidora pública do Estado do Piauí.

Na Doutrina Espírita, é evangelizadora infantil, monitora do ESDE, palestrante e coordenadora do Setor de Arte da FEPI. É associada da Abrarte desde junho de 2009.


1. Como você começou seu trabalho com arte espírita?

Eu diria que sou um dos “caçulas” do movimento! Eu trabalhava com evangelização infantil e estudava Artes plásticas, então utilizava naturalmente recursos lúdicos e oficinas artísticas nas aulas com as crianças e, eis que um dia, em 2009, vi na Federação Espírita Piauiense um cartaz de divulgação do Fórum de Arte Espírita de Aracaju. Na verdade, acho que foi uma das primeiras vezes em que vi o termo “Arte Espírita”. Para mim, que já havia adotado o Espiritismo como um dos pilares para minha vida e tinha a Arte como uma grande paixão, foi como encontrar um norte e pensei: - É isso, encontrei meu caminho! Meses depois, o encontro em Aracaju abriu a minha mente para um horizonte maravilhoso e eu pensava: - Nossa, chegando ao Piauí tenho que “repartir esse pão”. Daí, comecei minhas pequenas contribuições para o movimento de Arte Espírita local.

2. Como está o trabalho de Arte Espírita no Piauí?

A Arte Espírita no Piauí está num momento de luz, quando várias mentes compromissadas decidiram arregaçar as mangas e abraçar uma causa que pulsa no íntimo de cada um. Temos um grupo numericamente ainda pequeno, mas formado por espíritos bravos que atenderam ao chamado de seus próprios corações. Somando a bagagem e os esforços de todos, vemos surgir novos grupos, parcerias promissoras, além de grupos que retomaram seus trabalhos. Há um grande entusiasmo para que Arte Espírita local floresça. A 3ª Mostra Abrarte Nordeste que ocorreu em outubro passado é uma prova disso!

3. O EMEPI, encontro bienal de mocidades espíritas, promovido pela Federação Espírita do Piauí, que acontecerá em 2013, terá por tema O espiritismo, a arte e o jovem. Como você vê essa aliança entre a arte e o jovem espírita?

“Nada pode deter a força de uma ideia cujo tempo já chegou”. As sábias palavras de Vitor Hugo ajudam a entender um pouco essa união. Não que essa aliança fosse inexistente; tivemos, por exemplo, o trabalho de vanguarda de Leopoldo Machado e sua brilhante contribuição para o teatro e para as mocidades espíritas. Temos exemplos também na nossa própria casa, a Abrarte, onde vemos que muitos grupos tiveram suas origens na juventude espírita dos quatro cantos do país. Mas eu diria que hoje essa aliança já não é facultativa, é inevitável! A Arte casa perfeitamente com os anseios dessa nova geração, espíritos em grande número bastante adiantados. Nós evangelizadores recebemos do Cristo uma mescla de espíritos, ora mais elevados, ora tão reincidentes em equívocos e, em ambos os casos, a arte é uma fonte de infinitas riquezas para o desenvolvimento da criatividade, do senso crítico, da autorreflexão, da comunicação e da percepção dos sentidos. Quando canalizada para o bem, a arte tende a potencializar o que há de melhor em cada ser. Assim, para atrairmos e mantermos nossos jovens na seara espírita, é necessário torná-lo protagonista, sujeito ativo no processo de ensino-aprendizado.

4. A produção artística, no meio espírita, está mais ligada ao movimento jovem. De que forma podemos despertar também no público adulto o interesse para o trabalho da arte espírita?

Assim como para absorver os esclarecimentos revelados pela Doutrina Espírita, para deixar-se envolver pela arte, é necessário ao espírito certa maturidade. Não que nós, artistas, sejamos mais evoluídos. Porém, no que toca à sensibilidade, temos sim, sentidos mais aguçados. Por isso, enquanto nos vemos tão envolvidos e tudo nos parece tão óbvio, há aqueles que carecem mais desse “burilamento”, sendo esses, por vezes, muito resistentes. Como a natureza não dá saltos, creio que cabe aos artistas espíritas a desafiadora missão de atraí-los, levando a esses, obras de beleza e qualidade tais que esse encanto possa envolver a todos. Lembremos que a beleza, o bem, o amor, enfim, tudo que faz parte da nossa essência enquanto centelhas divinas são, por sua própria natureza, contagiantes e para os quais despertaremos mais cedo ou mais tarde.



5. É possível difundir o Espiritismo através das artes visuais?

Sim. Vale lembrar que as artes visuais não se restringem às artes plásticas, pois há outros campos como: a fotografia, os quadrinhos, as charges, as instalações (onde a obra é composta de elementos organizados em um ambiente), dentre outros. Porém, cada qual possui características que lhe são próprias e, em alguns casos, a exemplo da pintura, existem linguagens muito subjetivas. Por exemplo, observam-se muitas obras visuais que mais instigam sensações do que fornecem informações. No entanto, penso que os artistas, ligando-se a propósitos cada vez mais nobres, naturalmente descobrirão as potencialidades dos talentos de que dispõem e como poderão contribuir para a divulgação, não necessariamente do Espiritismo, mas, sobretudo, dos valores espirituais.


6. Na sua opinião, qual a contribuição da arte espírita, notadamente as artes plásticas, para a sociedade?

A busca pelo novo sempre inquietou os ânimos dos artistas, sobretudo, os artistas plásticos. Que o diga a História da Arte! Nas artes plásticas, eu diria que o “novo” trazido pela Arte Espírita, muito além de obras chocantes ou de técnicas revolucionarias, seria a abordagem de temas que estreitam a ligação entre os dois mundos. Esse transcender dos temas materiais é inato ao homem, vemos na história, desde obras que retratam a mitologia, ao mundo fantástico abordado pelos surrealistas. Agora, com os esclarecimentos da Doutrina dos Espíritos, essa abordagem se fará de forma mais consciente, refletindo a lucidez de nosso tempo. Por isso, Kardec afirmou em seu célebre artigo - A arte pagã, a arte cristã, a arte espírita: “(...) Que obras primas essas ideias novas não podem criar pela reprodução de cenas tão variadas e, ao mesmo tempo, tão suaves ou tão pungentes da vida espírita! (...)”. Esses trabalhos atenderão a um número cada vez maior de pessoas que buscam aqui no plano físico, obras inspiradas em valores espirituais, que os reportem às reminiscências que trazemos da vida na pátria espiritual. Como exemplo de trabalhos com essa características, posso citar as obras de duas artistas espíritas muito queridas: Iva Tai, do Amazonas, e Patricia Moreira, da Bahia. São obras que exprimem ideias espíritas com muita sensibilidade.


Fonte: Associação Brasileira de Artistas Espíritas

- Site: www.abrarte.org.br / Portal Arte Espírita: www.arteespirita.com.br

 

>>>   clique aqui para acessar a página principal de Notícias

>>>   clique aqui para voltar a página inicial do site

>>>   clique para ir direto para a primeira página de Artigos, Teses e Publicações


topo