Espiritualidade e Sociedade



Notícias :

Droga para deficit de atenção tem uso excessivo, diz estudo



09/05/2011

Pesquisa com 6.000 jovens no Brasil aponta que a maioria dos usuários desse medicamento teve diagnóstico errado. Venda do remédio no país subiu 1.500% em 8 anos; efeitos colaterais incluem taquicardia e perda do apetite.

PATRÍCIA BRITTO
FOLHA DE SÃO PAULO


Quase 75% das crianças e dos adolescentes brasileiros que tomam remédios para deficit de atenção não tiveram diagnóstico correto. O dado é de um estudo de psiquiatras e neurologistas da USP, Unicamp, do Instituto Glia de pesquisa em neurociência e do Albert Einstein College of Medicine (EUA), que será apresentado no 3º Congresso Mundial de TDAH (transtorno de deficit de atenção e hiperatividade), no fim do mês, na Alemanha.

A pesquisa colheu dados de 5.961 jovens, de 4 a 18 anos, em 16 Estados do Brasil e no Distrito Federal.
Os autores aplicaram questionários em pais e professores para identificar a ocorrência do transtorno, tendo como base os critérios do DSM-4 (manual americano de diagnóstico em psiquiatria).

As informações foram comparadas aos relatos dos pais sobre o diagnóstico que seus filhos receberam de outros profissionais, antes do período das entrevistas. Só 23,7% das 459 crianças que haviam sido diagnosticadas com deficit de atenção realmente tinham o transtorno, segundo os critérios do manual. Das 128 que tomavam remédios para tratá-lo, só 27,3% tinham o problema, segundo os pesquisadores.

"Isso mostra que há muitos médicos prescrevendo o remédio, mas que não conhecem bem o problema", diz o neurologista Marco Antônio Arruda, coautor do estudo e diretor do Instituto Glia.

O remédio usado para tratar o transtorno é o metilfenidato, princípio ativo da Ritalina e do Concerta. A substância é da família das anfetaminas e age sobre o sistema nervoso central, aumentando a capacidade de concentração.

Entre os efeitos colaterais causados pela droga estão taquicardia, perda do apetite e o desenvolvimento de quadro bipolar ou psicótico em pessoas com predisposição.

Guilherme Polanczyk, psiquiatra da USP, relativiza a conclusão do estudo. "Muitas das crianças avaliadas podem estar sem sintomas por conta do uso dos remédios."

País terá mais um remédio contra o transtorno

Um novo remédio para o tratamento de deficit de atenção começará a ser vendido no Brasil até o fim do mês. Trata-se do Venvanse, do laboratório anglo-americano Shire. A droga é vendida nos Estados Unidos desde 2007.

O princípio ativo do medicamento é da família das anfetaminas, assim como o metilfenidato (Ritalina). A diferença é que a nova droga é absorvida aos poucos na corrente sanguínea, o que aumenta a duração dos efeito, segundo a fabricante.

De acordo com o neurologista Frank Lopez, especialista americano no tema que veio ao Brasil a convite da farmacêutica Shire, o efeito estável, sem "picos" e por 13 horas, desestimula o uso recreativo do medicamento.

"O metilfenidato tem ação imediata, o efeito começa e acaba rápido. É o que faz as pessoas quererem mais e abusarem", diz Lopez. O Venvanse tem como efeitos colaterais dor de cabeça, insônia e perda de apetite.

por GUILHERME GENESTRETI

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd0305201101.htm




>>> clique aqui para ver a lista completa de notícias

>>> clique aqui para voltar a página inicial do site

topo