Espiritualidade e Sociedade



Notícias :

"Temos Sakinehs cristãs pelo mundo", diz jornalista americana



28
/09/2010


ANDRÉ LOBATO
DE SÃO PAULO

Casos como os de Sakineh Ashtiani, a iraniana condenada a morrer apedrejada, ou a polêmica sobre a construção de uma mesquita em Nova York, demonstram que a perseguição a muçulmanos é bem documentada. Mas o Ocidente, paradoxalmente, ignora casos similares que afetam cristãos em outras partes do mundo.

 

A avaliação é da jornalista norte-americana Barbara Baker, 65, editora da agência de notícias Compass Direct, especializada em cobrir o tema.

 

Leia a íntegra da entrevista:

FOLHA - Como alguém em uma sociedade muçulmana decide se tornar cristão?
BARBARA BAKER - Bom, primeiro por que é permitido. Acho que a Turquia é o único país de maioria muçulmana em que você pode mudar de religião --que fica impressa na carteira de identidade. E como é uma sociedade ocidentalizada, muitos já viveram na Europa, aprendem sobre o cristianismo e comparam. Uma família que se torna cristã reza junto, no islã homens e mulheres são separados. Para muitas partes da sociedade não é um problema, uma garota pode virar para os pais e dizer: 'virei cristã'.

Mas em vilarejos seria um grande perigo.

FOLHA - Você acha que um padre é mais aberto ao questionamento?
BAKER -Do que um mulema ou imã, sim. Tem muito mais ênfase em ler a bíblia na cristandade do que na Turquia. O Alcorão é em árabe e as traduções não são as palavras inspiradoras de Allah. Meu locador me disse: "Nunca vou aprender árabe, então serei sempre um muçulmano de segunda classe". Isso é uma diferença, a Bíblia é traduzida e existe um convite conjunto a todos os que tem fé a descobrirem juntos o que significa.

FOLHA - Que tipo de coisas acontecem ainda hoje na Turquia?
BAKER - Lembro que logo que cheguei houve um caso de cristãos que foram presos e apanharam muito. Trabalhava numa agência de direitos humanos e meu editor disse que se eu tivesse documentos ele publicaria. Lembro de receber ligações durante nosso fechamento com vários cristãos dizendo "publique, queremos aparecer na história, é nosso direito constitucional". E os quatro casos ganharam facilmente na Justiça. Depois disso, muitos me ligavam quando eram presos. Uma vez no meu aniversario recebi uma festa com vários dos cristãos que eu havia visitado na prisão. Um casal de amigos foi preso na festa de casamento. E ficaram presos por uma semana apanhando.

FOLHA - - Sua experiência é mais na Turquia, mas você conhece a situação em outros lugares?
BAKER - Eu viajei repetidas vezes pelo Oriente Médio, África, Sudão, Ásia Central.

FOLHA- Você poderia nos levar para um passeio nessa região?
BAKER- Nos últimos 20 anos tenho viajado a cada quatro, seis semanas.
Em muitos desses lugares, se os vizinhos querem seduzir ou sequestrar as filhas de um cristão, não há muito o que ele possa fazer. As leis estão todas do lado da lei islâmica.

FOLHA - O Pew Forum tem um mapa interessante que mostra a intolerância religiosa das leis e das sociedades em diferentes países. Como são as coisas Índia e China?
BAKER - Na Índia acho que o principal problema são os nacionalistas hindus. Não apareciam muito nas nossas notícias, mas de uns sete anos para cá aparecem tantas vezes que algumas pessoas pensavam que éramos uma agência indiana. Na China eles estão acostumados com a perseguição. Era contra o Estado acreditar em Deus. Era normal a prisão quase "qualificar" alguém a ser padre. Mas em países assim, como Irã e Arábia Saudita, há versões do Novo Testamento na internet.

FOLHA - Mas você pode construir uma igreja na China.
BAKER - Ano passado construíram uma megaigreja. Mas ficou com tantos serviços todo domingo que, sem aviso, as autoridades vieram e demoliram tudo.
Os perseguidores podem ser o Estado, um grupo político ou até mesmo outros cristãos.

FOLHA - E entre cristãos?
BAKER - No Líbano tivemos um bispo católico que, tão dentro de suas memórias, resolveu derrubar uma igreja protestante. No Sudão, por exemplo, os heróis são os padres católicos, que resistiram contra a pressão do governo. E Ortodoxos no Egito, por exemplo.

FOLHA - Então, em vários países, a radicalização contra cristãos aumentou?
BAKER - Sim. Veja na Turquia, são ultranacionalistas islâmicos. Na Turquia vem dos nacionalistas. Nos últimos cinco anos tivemos seis assassinatos realmente chocantes. Um padre, um jornalista armênio, dois turcos que convertidos e um alemão. Isso chocou a Turquia, por que os torturaram por várias horas e cortaram suas gargantas. E ficaram particularmente furiosos com os que haviam se convertido. E em junho deste ano o bispo líder católico foi morto por um sujeito que o esfaqueou até a morte gritando Allah. Os turcos não sabem o que fazer com isso. E sses três tiveram um dos maiores enterros de cristãos que já aconteceu no Oriente Médio. Quase 250 mil turcos muçulmanos andaram do lugar onde eles foram mortos até a catedral armena. E sua viúva disse as palavras de Cristo, "Pai, perdoai-vos por que eles não sabem o que fazem", e disse que perdoava o assassino. As viúvas o perdoaram. Um jornalista turco disse: "Isso é mais forte do que mil missionários trabalhando na Turquia por mil anos". Por que é um cultura da vingança, e eles não conseguem entender.

FOLHA - Sobre a cultura da vingança, você acha que é algo do momento?
BAKER - Acho que fanáticos muçulmanos estão usando a religião e eles podem encontrar algumas referências úteis no livro.
Eu não acho que meus vizinhos turcos são do tipo que querem me matar.Mas não sei o que eles pensam. Eles tentaram que eu virasse uma muçulmana porque é a última religião. O islã e o cristianismo são as duas únicas grandes religiões que querem converter as pessoas. O que dá muita notícia na Turquia é quando um cristão vira muçulmano. Como ocorreu no velório de um dos ativistas da flotilha de Gaza.

FOLHA - Seria como um choque entre duas religiões que querem converter a todos. Como cristã você quer evangelizar?
BAKER - Meu sentido é o de perdão, e essa é a maior relação com Deus que eu posso ter. Eu sei que meus amigos turcos não acreditam que isso é possível. Por que é impossível ter certeza, no islã, de que ao cruzar aquela ponte você vai cair no inferno ou não. Só Deus pode saber. Eles acham que é arrogância dos cristãos pensarem que podem realmente saber. Mas eles não podem negar que eu experimento a paz. Eu os respeito. Talvez eles achem que eu sou cega por ter essa falsa certeza. Mas eu realmente acho que não, por que eles sabem que o nos guia no cristianismo não é a culpa, mas a resposta ao amor. Por que Deus sabia da minha inabilidade de merecer meu caminho no céu e se dispôs a tomar a pena em meu lugar.

FOLHA - Sobre esse choque, às vezes dá a impressão de que as pessoas estão se sentindo tão pressionadas pelo Ocidente que pedem para uma religião forte o suficiente que lhes de autonomia, proteção.
BAKER - Na Turquia o Estado é secular. Como posso acreditar em democracia e direitos humanos e em um Estado secular que não impõe religião a ninguém. Se sou um bom muçulmano quero que eles se juntem.

FOLHA - Há casos de intolerância no Brasil em que cristãos acusam religiões afro-brasileiras de serem o demônio. Deve ser difícil acreditar em uma verdade e conviver com quem é o demônio. Será que isso não ocorre com o islã e o cristianismo: os modelos mentais não podem conviver no mesmo território?
BAKER - Não acho que isso seja totalmente verdade. Não precisa ser. Tem de haver amor e respeito por outro ser humano. Que é o que aconteceu com os homens que foram mortos na Turquia. Eles eram gentis, não gritavam pelas ruas. Um deles tinha memorizado o Alcorão. Ele tinha muito respeito. Mas encontrou em Jesus amor e respeito. Não acho que deva haver esse choque, do tipo violento. Eu me lembro que a Tchetchênia foi o primeiro lugar em que escrevi sobre onde as pessoas estavam sendo decapitadas por causa de religião. E acho que isso possa ter acontecido há séculos atrás, eu não sei, por pessoas que se chamavam de cristãs e que queriam estender a religião. Mas não poderia ter acontecido por alguém que realmente entendeu as palavras de Jesus, por que é um convite, e não uma obrigação. Acho que há muita falta de compreensão.

Vemos em Nova York um projeto de construção de uma mesquita no Ground Zero. Há pessoas que vão as ruas e dizem não, vocês são terroristas. Isso é um extremo. Hoje vivo mais tempo no Oriente Médio do que nos EUA. E quando saí dos EUA não havia nenhuma mesquita em meu Estado, Oregon. O que eu vejo que é um pouco de cegueira do mundo islâmico. Não há nenhum compromisso com reciprocidade. A Arábia Saudita vai algum dia permitir que uma igreja seja construída lá? Não. Isso seria uma violação da terra santa do islã. Mas eles tem mesquitas por todo o Ocidente. E eles ativamente convertem, especialmente mulheres americanas, a se casarem com muçulmanos. E elas são mais religiosas que os muçulmanos comuns. E por que alguns são extremistas, ficam com o nome sujo. Eu vi, por exemplo, como os americanos ficaram furiosos com os iranianos depois da revolução e a crise dos reféns.

FOLHA - Mas qual é seu ponto em relação a mesquita?
BAKER - Entendo por que patriotas americanos estão chateados. Mas não acho o tema tão importante. E o que é, é a verdadeira liberdade religiosa, em todas as partes, em todos os lados. Há países construídos sobre liberdade religiosa. Como Brasil e EUA. Os que não o são, deveriam dar esse tipo de liberdade também?
Acho que próximo do direito à vida, é um dos mais importantes para o ser humano. Uma vez conversei com um juiz do Egito que achava que não fazia sentido obrigar alguém a ficar no islã. Mas tinham guardas o protegendo, por que a Irmandade Muçulmana não gostava do que ele dizia.

FOLHA - Então o Ocidente é muito tolerante com a intolerância religiosa?
BAKER - Eu não diria... Acho que são ingênuos. Há um tempo conversei muito com um líder paquistanês sobre o mundo muçulmano e seu objetivo de conquistar o mundo. Ele disse que estavam nessa direção. Havia alguns problemas na Argélia, por causa das guerras e matanças. E disse: "Isso não nos faz ficar bem mais ainda sim nós chegaremos ao poder na Algeria. Turquia, demorará mais tempo, teremos que ir devagar, mas chegaremos ao poder".Me chocam as notícias que leio do meu próprio país. Dois evangélicos que largaram as drogas e estão compartilhando sua fé na praia. Um cara se sente irritado e dá um tiro na cabeça deles. Faz alguns meses. Se fosse no mundo muçulmano eles estariam derrubando igrejas. Mas nem teve cobertura alguma na mídia americana. Em Detroit, há pouco tempo, dois caras foram presos por tentarem evangelizar em uma festa da comunidade árabe. A polícia disse que estavam sendo inoportunos. Isso é América ou o quê? Ser politicamente correto é ir para o outro lado: temos que ser muito cuidadosos pois os muçulmanos podem ficar bravos. A decisão Suíça sobre os minaretes... Naquela mesma semana na Turquia um cara foi a uma igreja ortodoxa e ameaçou de morte o padre caso ele não derrubasse um sino que está lá há séculos.

FOLHA - O Ocidente é muito frágil em defender sua história como sociedade cristã?
BAKER - Não pode mais ser chamada de sociedade cristã. Tem raízes judaico-cristãs. Uma vez um padre muito sábio me disse que é impossível ter diálogo efetivo se você é inseguro em relação a suas próprias crenças. Na Turquia é muito interessante conversar com ulemas e imãs que realmente sabem o que o livro diz. Tão poucos sabem. A maneira como as religiões se relacionam muda ao longo da história. Judeus já foram melhor tratados entre muçulmanos do que entre cristãos. A liberdade religiosa é possível? É possível mas um pouco sobrenatural. É preciso ter o espírito do perdão. Conheci um homem que se converteu na prisão. Seu irmão ficou mais aborrecido dele ter se convertido do que ter sido parte da jihad. Você não estranharia a conversão ao islã de um cristão que frequenta a igreja todo domingo? Uma vez conheci uma americana que casou com um paquistanês e se converteu ao islã. Ela disse que ser católica não trouxe nada para ela. Aí me ocorreu de perguntar se ela era realmente lia a bíblia, se realmente conheceu Jesus. E ela admitiu que ia a igreja uma vez por ano. Então para mim existe o cristianismo folclórico como existe o islã folclórico, que tem muita superstição. O típico americano diria que é um cristão ou nada. Tem uma diferença entre quem frequenta a igreja e tem uma relação pessoal com Jesus.

FOLHA - A perseguição aos cristãos é diferente quando falamos de Estados ateus? Perseguem todas as religiões igualmente?
BAKER - Não complemente. Comunismo e marxismo se deram conta muito cedo de que a Igreja era uma ameaça por que eles colocariam Deus acima do Estado. Mas eles não perseguem todas as religiões igualmente.
Há um verso no Alcorão que diz que é válido mentir se isso serve ao propósito. Mas um cristão diria, eu enfrentarei as consequências de falar a verdade, nunca é honroso a Deus mentir. Então eu descobri que em algumas culturas islâmicas que eles não querem enfrentar os governos. Não vou dizer que é sempre o caso. Claro que há vários islâmicos aprisionados por terem ameaçado o governo.

FOLHA - Você é jornalista e tem uma bandeira. Você cobre sua própria tendência.
BAKER - Eu não ataco nenhuma religião. Quero ser o mais precisa possível. Mas sei que tenho uma tendência. Quando me dizem que são imparciais eu digo, isso é impossível. Eu tenho o foco nos cristãos, mas quando vejo, por exemplo, o caso dos armadis, que são muçulmanos perseguidos, também publico.
Lembro quando um evangélico ouviu do diretor da televisão em que trabalhava de que não poderia ser imparcial por sua religião, e ele respondeu: "E você, não votou na última eleição?" Sobre o caso Sakineh, teve muita crítica interna na Turquia, questionando por que o Brasil e não a Turquia, que está ao lado, tem que fazer isso. Embora muitos não gostem de que não haja mais pena de morte lá, por que o líder curdo está na prisão opinando nos assuntos curdos e muitos gostariam que ele já tivesse ido. Mas nunca concordariam com o apedrejamento.

FOLHA - Há 'sakinehs' cristãs ao redor do mundo?
BAKER - Temos um problema terrível de morte por honra no interior da Turquia. Seja os que matam as próprias filhas ou os que as forçam a cometer suicídio. Por que o simples ato de paquerar um menino na escola pode destruir a honra de uma família. Uma mulher que escreveu um livro sobre o assunto mostrou que muitas vezes as mortes não são baseadas em fatos. Não acho que com apedrejamento. Mas sei que na Somália isso está acontecendo. Somalis que viram cristãos são decapitados. O chefe de nosso escritório da África viu isso acontecer. Isso já aconteceu na Arábia Saudita.

FOLHA - Você acredita que Obama seja um muçulmano?
BAKER - Não acredito que ele seja um muçulmano, mas também não sei se ele é um cristão devoto. Não cabe a mim. Eu não fico surpresa que muitas pessoas pensem isso, por causa do pai dele e do nome Houssein. Muitos dos cristãos de direita dos EUA estão muito chateados por ele aparentemente agradar muçulmanos, como com a mesquita no Ground Zero. Mas também eu não concordava muito com o que o Bush dizia. E, apesar dele ter chamado o Islã de uma religião da paz, para o mundo muçulmano ele os atacou em nome dos cristãos.

FOLHA - Obama é amigo de mais do islã?
BAKER - Ele quer ser. Seu primeiro discurso foi em Istambul, para o mundo muçulmano. Ele quer retirar as conotações religiosas, o que é muito difícil pois as sociedades islâmicas são muito religiosas, em oposição a América, tentando ser mais secular. E mesmo que tenhamos uma comunidade religiosa conservadora muito forte, o modelo mental do governo é muito diferente. Encontrei pessoas de embaixadas americanas por todo o mundo e eles são muito antirreligiosos. Não vivem numa sociedade religiosa e não sabem como é. Esse paquistanês que disse que o islã vai dominar o mundo, será uma vitória para a lei islâmica? Eu não sei quantos muçulmanos querem viver sobre a sharia. Mas não vejo um grande fluxo de pessoas indo viver na Arábia Saudita por suas normas extremamente restritas e sua maneira de se vestir. Um amigo foi preso lá por alguns meses sob a acusação de converter algumas pessoas. Ele disse que havia de 75 a 10 mil cristãos lá, mas eles não vão contar a ninguém que são cristãos, por que podem ser executados. Conheço um paquistanês que se converteu e fugiu para a Coreia, foram até lá e o mataram. Mas há cristãos que entram na Justiça, por exemplo no Egito, para afirmar seu direito de mudar de religião.

FOLHA - Você acha que guerras como do Iraque e do Afeganistão deram poder aos intolerantes?
BAKER - Acho que era nossa de obrigação e direito como americanos dar uma resposta direta para essas pessoas que nos atacaram de uma maneira tão horrível. Mas o resultado foi muito custoso para os cristãos nessa parte do mundo. Por que as ações do Exército americano são vistas como um ataque dos cristãos. Ficou muito, muito difícil para os cristãos. Fico muito triste de ouvir que cristãos, que eu chamaria de fanáticos, planejam queimar o Alcorão. Alguns fazem isso em resposta a mesquita do Ground Zero. E muitos cristãos americanos estão contra isso e dizem: "Vocês percebem que imediatamente eles vão atacar igrejas e matar cristãos em vingança?". É tão ridículo e atrasado. É um efeito boomerang. É uma falta de compreensão de princípios básicos da cristandade. Já expliquei a vários muçulmanos, "você tem ideia o quão é uma blasfêmia para dizer você dizer que Jesus Cristo era apenas um profeta"? Por que ou ele era mentiroso, louco ou era Deus. Eles dizem que Deus permitiu a cristandade existir para fazer a revelação final depois. Mas eles não se dão conta de a Bíblia e o Alcorão não concordam em muitas coisas. Para mim, é blasfêmia. E eu não vou queimar uma mesquita por causa disso.

FOLHA - Você acredita que a tolerância religiosa depende de aceitar blasfêmias, como que Jesus é só um profeta?
BAKER - Isso não atinge a minha fé. Eu entendo quem pensa assim, mas não vou ficar com raiva.

FOLHA - Mas não há partes na Bíblia ou no Alcorão que pede para você vingar seu Deus?
BAKER - Na Bíblia não. Por que como disse uma das viúvas na Turquia, é que "uma das maiores vinganças é ver aqueles que mataram meu marido virem a Jesus". Eles vão ter três sentenças de vida consecutivas. E a viúva criando seus filhos sozinha disse que se sentia mal por eles. Ela pediu para visitá-los e as autoridades não deixaram. As crianças disseram na imprensa Turca: queremos levar uma Bíblia para eles, que poderão ir para o céu e dizer "desculpa papai".

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/797100-temos-sakinehs-cristas-pelo-mundo-diz-jornalista-americana.shtml

 


>>> clique aqui para ver a lista completa de notícias

>>> clique aqui para voltar a página inicial do site

topo