Espiritualidade e Sociedade



Notícias :

>   Violência contra a mulher existe em todos os países, afirmam especialistas


08/03/2009

 

Thiago Varella
Do UOL Notícias
Em São Paulo

 

A violência contra mulheres e meninas já se tornou uma pandemia, de acordo com a ONU (Organizações das Nações Unidas), pelo menos uma em cada três mulheres no mundo já foi agredida, forçada a ter relações sexuais ou abusada.

O problema é tão crônico que mesmo em países desenvolvidos da violência contra a mulher é ainda latente. "Não existe país onde não haja algum tipo de violência contra a mulher", afirma a professora da USP e ex-senadora Eva Blay.

Com o propósito de erradicar este tipo de violação, a ONU definiu como tema deste 8 de março, "Mulheres e homens unidos para acabar com a violência contra mulheres e meninas".

Para a pesquisa Wânia Pasinato, do Núcleo de Estudos da Violência da USP, admitir que o problema é de responsabilidade dos dois sexos já é um avanço. "Não é um problema das mulheres. Os homens devem estar envolvidos não só na luta, mas sensibilizados para se reconhecer como parte dessa relação", explica.

Diferentemente de outros tipos de crime, o maior perigo para as mulheres está dentro de casa. Muitas vezes, ao seu lado, na cama. Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), 70% das vítimas de assassinato do sexo feminino foram mortas pelos seus maridos ou parceiros.

"O problema é que o homem ainda pensa que a mulher é um objeto, é propriedade privada. É necessário que o parceiro reconheça essa possessividade para se livrar dela", diz Eva.

Wânia Pasinato segue a mesma linha de pensamento. Segundo a professora, já há grupos de homens que se reúnem, em algumas ONGs para "trabalhar a questão da mascunilidade" no Brasil. No país, de acordo com a OMS, uma mulher é agredida a cada 15 segundos, um dos índices mais altos do mundo.

 

A responsabilidade sobre a violência contra as mulheres também é do governo, que necessita criar políticas públicas para coibir ataques e punir agressores, segundo as pesquisadoras. Apenas em 1993 a Comissão de Direitos Humanos da ONU incluiu um capitulo de denúncia para coibir este tipo de violência.

No Brasil, em 2006, a Lei de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher - conhecida como Lei Maria da Penha - foi promulgada e aumentou o rigor das punições das agressões contra a mulher quando ocorridas no âmbito doméstico ou familiar.

Mesmo assim, as mudanças ainda são muito pequenas e não impedem que o Brasil seja considerado, pela Sociedade Mundial de Vitimologia, o país que mais sofre com a violência doméstica. "As mudanças ainda estão no plano do discurso. Na prática ainda não podemos aferir o que mudou de fato", afirma Wânia.

Mesmo assim, é papel de cada um vigiar e denúnciar a violência contra a mulher para conseguir sua erradicação. "A solução passa pela denúncia e a vigilância. É necessário coragem", explica Eva.

Fonte: UOL



>>> clique aqui para ver a lista completa de notícias

>>> clique aqui para voltar a página inicial do site

topo