Espiritualidade e Sociedade



Ademir L. Xavier Jr.

>      Paradigmas e Ciência Espírita

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Ademir L. Xavier Jr.
>      Paradigmas e Ciência Espírita

 

 

 

"Examinado de perto, seja historicamente ou no laboratório contemporâneo, esse empreendimento se assemelha a uma tentativa de forçar a natureza a entrar em uma caixa relativamente inflexível e pré-montada que é fornecida pelo paradigma. De jeito nenhum é objetivo da ciência normal descobrir novos tipos de fenômenos; na verdade, aqueles que não entram na caixa nem são percebidos. Nem tem o cientista o objetivo de desenvolver novas teorias e, frequentemente, são intolerantes com aquelas teorias inventadas por outros."
T. Kuhn, (1)

 

Quando se observa em detalhes o 'motus operandi' da grande maioria das chamadas 'ciências estabelecidas', embora o grande número de descobertas e consequências advindas do labor científico bem articulado, não se pode deixar de perceber que há um preço a se pagar, frequentemente pouco lembrado pelos entusiastas desse conhecimento (2). É que a ciência estabelecida também restringe-se a si mesma, tanto no escopo como na abrangência de seus estudos a fim de que se torne factível.


O grande pesquisador da ciência Thomas Kuhn (1922-1966) criou o termo 'paradigma científico' (1,3) para descrever um conceito importante que caracteriza toda ciência madura, em particular nas 'ciências naturais' (4): o conjunto de teorias (ou a teoria) bem estruturada capaz de congregar gerações de cientistas em torno de um tema, a se constituir um tipo de 'passaporte confiável' para solução de determinados problemas. Ele chegou a essa conclusão depois de anos de estudos em história da ciência, quando percebeu que as teorias disponíveis para explicar como a ciência opera e se estabelece não estavam de acordo com o conhecimento histórico.

Há uma crença bem popular de que é possível gerar conhecimento científico de forma infalível através da aplicação de um 'método científico' ou processo que constituiria uma verdadeira 'pedra filosofal' para a ciência. Na crença da existência dela, sua busca tornou-se um das principais tarefas de gerações de filósofos da ciência. Kuhn teve sucesso em demonstrar que não só a busca era improfícua, como o próprio método era uma ilusão por um conjunto de razões, dentre as quais (5):

  • Falta de acordo histórico: a existência de um 'método infalível' não era observado em uma análise detalhada dos muitos detalhes históricos que caracterizavam o desenvolvimento de teorias científicas ao longo dos séculos;
  • Dependência entre a observação e as teorias científicas: são as teorias que orientam a realização e o sucesso dos experimentos e não o contrário. Por outro lado, só há boas teorias quando os conceitos básicos de uma ciência estão bem estabelecidos (6), o que leva à necessidade de se ter uma linguagem própria conectada a conceitos bem compreendidos;


Thomas Kuhn


Ao invés de um método, Kuhn propôs o conceito de paradigma científico (7) que permite escolher - de uma ampla gama de fenômenos e aparentes problemas científicos - quais devem ser estudados daqueles que devem ser desprezados. Na existência de um paradigma (8), a atividade científica se aproxima de uma 'solução de quebra-cabeças', quando se tem certeza que uma solução será alcançada. O preço óbvio que se paga por essas vantagens é a restrição de escopo: cientistas não precisam (e nem devem) se interessar por qualquer tipo de problema, mas apenas por aqueles garantidamente tratáveis pelos paradigmas a que eles aderem. A atividade científica torna-se uma tarefa monótona (frequentemente envolve a busca ou aperfeiçoamento de soluções para problemas já resolvidos...) e são raríssimas as ocasiões em que 'soluções para problemas fundamentais' são sequer procuradas.

 

Uma explicação para o ceticismo

A noção de paradigmas de Kuhn (1) permite compreender melhor a ideia errônea de que cientistas aderem irrestritamente ao ceticismo. Pois, não é que cientistas sejam inerentemente céticos, mas que eles apenas estão interessados em resolver problemas que tenham uma relação direta com o(s) paradigma(s) que escolheram se dedicar profissionalmente. Como ressaltado por Thomas Kuhn, para que a ciência dê resultados, não é possível se dedicar a qualquer tema ou problema que apareça, mas apenas aqueles para os quais exista um paradigma ou teoria bem estruturada que permita que a pesquisa seja organizada de forma eficiente. Isso envolve não só a escolha de uma teoria favorita, mas de uma ampla gama de conceitos chave na forma de uma linguagem própria. O paradigma propicia o progresso, evitando que sempre se tenha que começar 'do zero' quando surge a necessidade de dar solução a um novo problema pertencente ao tema de escopo do paradigma. Resta-nos discutir futuramente o que acontece com os temas sem padigma reconhecido (8).

Acusações apressadas de céticos de sofá que dizem que o 'Espiritismo aspira ao status de ciência' são incapazes de perceber que não se trata de se buscar uma 'nova ciência acadêmica' e desconhecem a restrição imposta pelos paradigmas científicos. Não é objetivo da ciência dar respostas para tudo: ela precisa se especializar para que funcione. Consequentemente, existem muitas lacunas e problemas desprezados por essa mesma ciência. Esse tipo de ceticismo está a tal ponto enceguecido que é incapaz de perceber a necessidade de aceitar novos conceitos para que uma nova linguagem e teoria tenha chance de mostrar seu valor. Aqui, a visão de paradigmas de Kuhn permite compreender mais amplamente o problema. De fato, como querer discutir reencarnação ou comunicabilidade além-túmulo se o próprio conceito de espírito como unidade indivisível, independente e invisível sequer é aceito? Há a barreira inicial de se aceitar os conceitos (com sua 'ontologia própria') a fim de que uma nova linguagem teórica seja articulada e dê resultados. Sem a aceitação dos conceitos, é impossível aceitar igualmente a teoria e a compreensão mais profunda sobre os tipos de teste ou situações de observação que são propiciadas por ela.

O 'paradigma espírita'
(9) é capaz de dar explicação razoável para um grande número de fenômenos e ocorrências naturais desprezadas pela sua incomensurabilidade com outros temas mais materiais de pesquisa. Resta ao ceticismo negar insistentemente a importância do tema: como já tivemos ocasião de expor, esse ceticismo é um vasto emaranhado de crenças preconcebidas que se recusa a aceitar alguns conceitos e, por causa disso, está condenado a negar os fenômenos, até que seja completamente esquecido pelas novas gerações.

Nosso texto aqui teve como objetivo mostrar a importância que estudos em filosofia da ciência tem para a correta compreensão de teorias e propostas de estudos para os fenômenos psíquicos. Sem esse estudo, manifestações claramente contrárias as propostas espiritualistas (aquelas que postulam a continuidade da existência da consciência, primeiro sua independência do cérebro etc) serão necessariamente limitadas. Não se pode impor limites ao conhecimento científico e o que muitos céticos personalistas fazem nada mais é que estabelecerem limites de acordo com sua própria compreensão dos fatos.

Falaremos sobre esse tema instrutivo em outros posts futuramente.

 

Notas e referências

(1) Kuhn T. (1970) "A estrutura das Revoluçõeos Científicas", International Encyclopedia of Unified Science, Volume 2, Número 2, 2a edição.

(2) A quem poderíamos chamar 'cientificistas'. Há uma seita mais ou menos radical de indivíduos que vão além e pregam que a ciência estabelecida é a única forma confiável de se gerar conhecimento científico de valor. Desprezam a religião e tem aversão por ideias consideradas 'místicas', o que incluem todos os temas que não são de interesse das ciências ordinárias, inclusive os espiritualistas;

(3) Paradigma: do grego "pa??de??µa" (paradeigma), "modelo, examplo, amostra" do verbo "pa?ade????µ?" (paradeiknumi), "exibir, representar, expor" e de "pa??" (para), "além" + "de????µ?" (deiknumi), "mostrar, apontar";

(4) As ciências de interesse para filósofos como Popper, Kuhn e Lakatos são as chamadas 'ciências naturais' - física, química, biologia etc. O conhecimento de humanas (sociais, economia etc) está excluido dessa análise.

(5) A. Chalmers (1993), 'O que é ciência afinal?', 1a edição, Ed. Brasiliense.p. 109-110;

(6) Exemplo: só tem sentido em se propor um experimento para medir a carga de um elétron, quando se reconhece a existência de elétrons e o conceito de carga. Isso várias vezes passa desapercebido quando se trata de criticar experimentos ou a análise de fenômenos psíquicos;

(7) Exemplos de paradigmas de sucesso em ciência foram: a teoria de Ptolomeu dos epiciclos planetários, a teoria da evolução de Darwin, a física de Newton, a Mecânica Quântica, o atomismo etc;

(8) Na inexistência de um paradigma, estamos na fase 'pre-paradigmática' (1) da ciência ou fase 'pré-científica'. Falaremos sobre essa fase em outro post;

(9) Para saber mais: http://www.geeu.net.br/artigos/paresp.html


topo

 

Visitem o blog do autor:  Era do Espírito
- http://eradoespirito.blogspot.com.br


Leiam também de Ademir Xavier:

>   Algumas Considerações Oportunas Sobre a Relação Espiritismo-Ciência

>   Anomalias possíveis na psicologia de pacientes transplantados
>   Cartas Psicografadas - Pragmática e intenção em psicografias de Chico Xavier
>   O Cérebro e a Mente (uma conexão espiritual)
>   A colaboração Schubert-Rosemary Brown
>   Como se deve entender a relação entre o Espiritismo e a Ciência - Fundamentos
>   Considerações sobre a ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos espíritos
>   Considerações sobre as ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos Espíritos
     - versão revisada

>   O conspiracionismo chega ao movimento espírita: a escalada de grupos dogmáticos
>   Crenças Céticas I - Introdução
>   Crenças Céticas II - Fundamentos do Ceticismo
>   Crenças Céticas III - Ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas IV Onde está fundamentada a autoridade da Ciência?
>   Crenças Céticas V - O caso Galileu e a fraude do movimento da Terra
>   Crenças Céticas VI - Noções populares de Ciência
>   Crenças Céticas VII - A vida além da vida e a necessidade de uma nova Ciência
>   Crenças Céticas VIII - Alfred Wegener e a fraude dos continentes flutuantes
>   Crenças Céticas IX - Como refutar qualquer coisa que você não gostar
>   Crenças Céticas X - Positivismo lógico e indutivismo: as duas bases do ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas XI - A avestruz cética e o peru indutivista
>   Crenças Céticas XII - Tomando carona no ceticismo: Críticas ao 'Espiritismo' em Ateus.net
>   Crenças Céticas XIII: 'O Porvir e o Nada'
>   Crenças Céticas XIV - "Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias."
>   Crenças Céticas XV - Máquinas que pensam ?
>   Crenças Céticas XVI - O ceticismo dogmático como charlatanismo intelectual
>   Crenças Céticas XVII - Teoria das evidências fotográficas e de outros tipos
>   Crenças Céticas XVIII - O que o ceticismo dogmático produz de útil?
>   Crenças Céticas XIX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XXI: Será que o homem pousou na Lua?
>   Crenças Céticas XXII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (1)
>   Crenças Céticas XXIII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (2)
>   Crenças Céticas XXIV - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (3)
>   Crenças Céticas XXV - Comentários à argumentação cética de um grande estudo em NDE
>   Crenças Céticas XXVI - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (4)  
>   Crenças Céticas XXVII - A Navalha de Ockham (e comentários sobre super-psi)
>   Descrição da morte (por A. Jackson Davis)
>   Descrição de um acidente aéreo por um espírito
>   A Doutrina Espírita e as chamadas Ciências Ordinárias
>   As duas opções (por Michael Prescott)
>   Fenomenologia das Visões do Leito de Morte: em direção a um consenso sobre a sobrevivência da alma
>   Fogo Selvagem, Alma Domada
>   Gêmeos que se lembram de vidas anteriores
>   A informação na Estruturação Inteligente do Universo
>   Os vivos e os mortos na sociedade medieval
>   Mais sobre super-psi
>   A mediunidade de Eugênia von der Leyen
>   A mediunidade de Fernando Ben
>   Mediumship and art: Psychic Painting
>   Mediumship and art: Florêncio Anton psychic paintings
>   Mudança de personalidades em transplantados cardíacos
>   A natureza do argumento espírita
>   On possible changes in the air state during TK: a theoretical framework for future investigations
>   Paisagem de Marte (sobre a visita a Marte em "Cartas de uma Morta")
>   Paradigmas e Ciência Espírita
>   O prisma de James: uma metáfora para entender a fonte verdadeira da consciência humana
>   O problema da interpretação das mensagens espíritas: as paisagens de Marte por M. J. de Deus na psicografia de F. C. Xavier
>   Problemas metodológicos na pesquisa da reencarnação: o caso Ruprecht Schulz
>   O Que a Genética e a Astrologia tem em Comum?
>   A questão da encarnação em diferentes mundos: um novo tipo de matéria?
>   Reflexões sobre o contexto de experiências de quase-morte: artigo de Michael Nahm (2011)
>   Ritos e Doutrina Espírita
>   S. José de Cupertino e a mediunidade de efeitos físicos
>   Sobre a faculdade de cura (mediunidade curadora)
>   Sobre a faculdade de cura - II - Modelo simplificado para a relação espírito-corpo
>   Sobre a mente inconsciente e sua perspectiva espírita
>   Sobre a política na gerência e a gerência na política
>   Sobre teorias fenomenológicas e construtivas
>   SRT - Tese do Dr. Palmer sobre desobsessão baseado no trabalho de Frederic William Henry Myers
>   Uma interpretação espírita para o inconsciente
>   Uma tradução comentada de "Como a Parapsicologia poderia se tornar uma ciência" de P. Churchland
>   Vendo o invisível
>   William Bengston e a pesquisa de curas por imposição das mãos (passes de cura)

Ademir Xavier & Alexandre Fontes da Fonseca - Carlos Iglesia - moderador
>   Um diálogo fraterno sobre Ciência & Espiritismo


topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual