Espiritualidade e Sociedade



Ademir L. Xavier Jr.

>   O fenômeno das vozes eletrônicas

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Ademir L. Xavier Jr.
>    O fenômeno das vozes eletrônicas

 


Fig. 1. Imagem de um espectrograma (Audacity) com a invocação de Kedar (seta) e a 'voz' inesperada (região circular)

 

 

Um sobrinho meu que mora nos Estados Unidos estava a gravar com o celular algumas músicas no estilo "Karaoke" em junho último. Kedar é um adolescente que conhece tanto português como inglês, que é sua lingua materna. Um pouco desligado da gravação, ele deixou o celular gravando por algum tempo a mais. Para sua surpresa, uma voz desconhecida aparece em um trecho não esperado da gravação. Ao tentar outra vez, o fenômeno estranho se repete; desta vez um claro 'yes' surge após aproximadament 15 segundos de uma pequena invocação. Uma terceira tentativa e um 'I see' também é obtido. Um pouco assustado, ele abandona os experimentos com medo do fantasma, coisa de adolescente.

Quando fiquei sabendo da ocorrência, minha irmã me enviou dois arquivos mp4 que são facilmente abertos com o Audacity, um conhecido software para edição de arquivos de som. Um espectrograma de uma das experiências obtidas por Kedar é visto na Fig. 1. O gráfico representa a decomposição espectral do som obtido no experimento, onde a invocação inicial é vista nos primeiros segundos. A voz é um 'yes' muito baixo mas indubitável, com tons entre 1000-2000Hz compatível com a modulação de uma voz humana. Na segunda gravação a intensidade da voz anômala foi ainda maior.


O fenômeno das vozes eletrônicas

Tal como no caso de Kedar em 2019, o fenômeno teve seu início com F. Jürgenson (1903-1987) em 1959 quando tentava gravar canto de pássaros. No início, pensou-se que se tratava obviamente de interferência de estações de rádio. Entretanto, a repetição dos experimentos - inclusive no interior de 'gaiolas de Faraday' (para bloqueio da radiação eletromagnética externa), confirmou que algumas pessoas, em condições insuspeitas e na presença de equipamentos de gravação, conseguem obter vozes que parecem se comunicar, respondendo a invocações. Nomes como Konstantin Raudive (1909-1974) e P. Bänder [1] estão ligados à história dos 'Electronic Voice Phenomena' (EVP, fenômenos das vozes eletrônicas). Mais do que isso, no que parecia ser uma clara aceitação de algo que já sabiam, algumas autoridades do Vaticano passaram a apoiar a realização de experimentos de EVP e de que as vozes tinham origem no Purgatório.


Aspectos do fenômeno

O fenômeno da EVP surgiu na década de 50 e foi interpretado como uma 'Nova Hydesville', conforme descreve Bänder [1]. Sem dispor de uma teoria eletrônica que descrevesse como as vozes podem ser captadas e amplificadas, a pesquisa seguiu um caminho puramente empírico. Diversas 'receitas' de se obter vozes foram sugeridas: com um simples gravador, com um gravador e um rádio sintonizado em ondas curtas, com um gravador e um gerador de ruídos etc. Logo entusiastas criaram uma tese que seria uma consequência natural desse desenvolvimento: com o aprimoramento da técnica, as EVPs representariam uma nova maneira de se comunicar com os Espíritos, uma em que a presença de médiuns seria desnecessária.


Fig. 2 Edison em uma foto de sua entrevista a Austin Lescaboura em 1920 sobre suas pesquisas de um dispositivo para se comunicar com os Espíritos.

 

Esse aspecto 'amediúnico' das comunicações eletrônicas (qualquer que seja ela), é um sonho de antigos pioneiros das telecomunicações. Logo ficou claro a personalidades como Thomas Edison (1847-1931), O. Lodge (1851-1940) e Nikola Tesla (1856-1943), que talvez fosse possível usar o rádio ou um circuito variante dele para se comunicar com os Espíritos. Edison mesmo chegou a trocar correspondência com William Crookes (1832-1919) sobre a possibilidade de se obter imagens de Espíritos. Em alguns dos trechos de sua entrevista à Scientific American [2] em 1920, Fig. 2, declara Edison:

Now, what I purpose to do is to furnish psychic investigators with an apparatus which will give a scientific aspect to their work.*

My apparatus is along those lines, in that the slightest effort which it intercepts will be magnified many times so as to give us whatever form of record we desire for the purpose of investigation.**

Em outros trechos Edison demonstra pouco conhecer das pesquisas da fenomenologia psíquica anterior. Em um artigo de divulgação, Zarrelli (2016) [3] declara que o 'spirit phone' foi a invenção mais 'infrutífera' de Edison. Provavelmente o foi por causa da ignorância de Edison e outros pesquisadores das condições em que o fenômeno se realiza. Em outros termos: só ter o aparato não é suficiente.

O princípio da comunicação amediúnica segue a ideia de Edison que, por meio de um sensor e um amplificador poderoso seria possível registrar oscilações (voz, imagem, pulsos etc) dos Espíritos. Aparentemente, isso foi o que Jürgenson e Raudive parecem ter conseguido, além de outros entusiastas das vozes eletrônicas desde então.

Entretanto, demonstrar que não há influência de um humano na comunicação eletrônica é bastante difícil, pois sempre qualquer pesquisa será organizada e conduzida por uma pessoa ou um grupo. Não se pode, a priori, descartar a influência do experimentador.


Mediunidade eletrônica?

Alguns pesquisadores no passado conseguiram registros muito nítidos de vozes eletrônicas (que desqualificam hipóteses céticas de 'pareidolia'), outros conseguiram registros a partir de modulações de ruídos, enquanto que outros jamais conseguiram nenhum tipo de voz. A que se deve esse caráter mutante e incontrolável?

Contrário ao que se pensa, somos adeptos da idea de que as EVPs e seus correlatos são manifestações do que chamamos de 'mediunidade eletrônica'. Trata-se de uma variante moderna de efeitos físicos em que um dispositivo eletrônico está envolvido.

Essa nova mediunidade é potencializada pelo interesse ou envolvimento do 'pesquisador-médium' no fenômeno. O fenômeno é, assim, mais frequente na presença de certas pessoas com essa habilidade especial, razão porque as EVP jamais se tornaram um método 'sistemático e independente' da mediunidade. Elas não são reprodutíveis à vontade e, como tal, são seriamente limitadas na capacidade de transmissão de informação - não há "bidirecionalidade". Claramente, essa mediunidade 'surgiu' com o desenvolvimento tecnológico. Suas características são:

  • Ela é inconsciente,
  • Não requer 'transe',
  • Um médium eletrônico sequer saberá que é médium a não ser pelos efeitos eletrônicos que produz. Sua mediunidade é validada pela alta correlação entre sua presença e a ocorrência do fenômeno.
  • Como é uma mediunidade, há possível influência do médium no fenômeno.
  • Como se trata de efeito físico, aplicam-se todos os comentários feitos por Kardec sobre esse domínio de fenômenos [4], inclusive sobre seu caráter subsidiário de demonstração da sobrevivência.

Do ponto de vista teórico, sendo a mediunidade eletrônica peculiar, ela não se liga a outras, por isso não basta que haja a presença de qualquer médium em um recinto para que o fenômeno ocorra. Médiuns de efeitos físicos provavelmente teriam mais facilidade em provocá-lo. Existem outros fatores que devem permanecer invariantes para que o uso de aparelhos possa ser eficientemente usado. Todas as vezes que uma nova 'técnica' é criada esses fatores mudam, o que reduz a eficiência da comunicação.

Esse princípio aponta para a importante orientação de que, não importará muito qual o tipo de circuito ou sistema eletrônico seja usado, desde que as experimentações sejam feitas na presença das pessoas capazes de intermediar o efeito. É provável, assim, que a ideia do 'spirit-phone' de Edison e tantos outros funcione, desde que sejam testados pelo experimentador certo.

 


Traduções

* Agora, o que pretendo fazer é prover aos investigadores psíquicos um aparato que conferirá um aspecto científioc ao trabalho que fazem.

** Meu aparato é nesse sentido: a menor perturbação que o interceptar será amplificada muitas vezes, de forma a nos dar qualquer registro para o objetivo da investigação.


Referências


1- P. Bänder (1976). "Os Espíritos Comunicam-se por Gravadores", São Paulo: Edicel, 2a Edição.

2- A. C. Lescarboura (1920), "Edison's Views on Life and Death", Scientific American, Vol. 123, No. 18, pp. 446, 458-460

3- N. Zarrelli (2016). Dial-a-Ghost on Thomas Edison’s Least Successful Invention: the Spirit Phone. Atlas Obscura.

4 - Ver: "O Livro dos Médiuns" de A. Kardec, 2a Parte, Das Manifestações Espíritas", Cap. IV e Cap. V.

 

 

Fonte: https://eradoespirito.blogspot.com/2019/09/o-fenomeno-das-vozes-eletronicas.html?fbclid=IwAR3y0U1YrVBGL77q4ZRE6QYGMyu1sUk_3RQNlKu2Ay-K9jt-v3R4Funfaa8

 


topo

 

 

Visitem o blog do autor:  Era do Espírito
- http://eradoespirito.blogspot.com.br


Leiam também de Ademir Xavier:

>   Algumas Considerações Oportunas Sobre a Relação Espiritismo-Ciência

>   Anomalias possíveis na psicologia de pacientes transplantados
>   Cartas Psicografadas - Pragmática e intenção em psicografias de Chico Xavier
>   O Cérebro e a Mente (uma conexão espiritual)
>   A colaboração Schubert-Rosemary Brown
>   Como se deve entender a relação entre o Espiritismo e a Ciência - Fundamentos
>   Considerações sobre a ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos espíritos
>   Considerações sobre as ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos Espíritos
     - versão revisada

>   O conspiracionismo chega ao movimento espírita: a escalada de grupos dogmáticos
>   Crenças Céticas I - Introdução
>   Crenças Céticas II - Fundamentos do Ceticismo
>   Crenças Céticas III - Ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas IV Onde está fundamentada a autoridade da Ciência?
>   Crenças Céticas V - O caso Galileu e a fraude do movimento da Terra
>   Crenças Céticas VI - Noções populares de Ciência
>   Crenças Céticas VII - A vida além da vida e a necessidade de uma nova Ciência
>   Crenças Céticas VIII - Alfred Wegener e a fraude dos continentes flutuantes
>   Crenças Céticas IX - Como refutar qualquer coisa que você não gostar
>   Crenças Céticas X - Positivismo lógico e indutivismo: as duas bases do ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas XI - A avestruz cética e o peru indutivista
>   Crenças Céticas XII - Tomando carona no ceticismo: Críticas ao 'Espiritismo' em Ateus.net
>   Crenças Céticas XIII: 'O Porvir e o Nada'
>   Crenças Céticas XIV - "Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias."
>   Crenças Céticas XV - Máquinas que pensam ?
>   Crenças Céticas XVI - O ceticismo dogmático como charlatanismo intelectual
>   Crenças Céticas XVII - Teoria das evidências fotográficas e de outros tipos
>   Crenças Céticas XVIII - O que o ceticismo dogmático produz de útil?
>   Crenças Céticas XIX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XXI: Será que o homem pousou na Lua?
>   Crenças Céticas XXII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (1)
>   Crenças Céticas XXIII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (2)
>   Crenças Céticas XXIV - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (3)
>   Crenças Céticas XXV - Comentários à argumentação cética de um grande estudo em NDE
>   Crenças Céticas XXVI - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (4)  
>   Crenças Céticas XXVII - A Navalha de Ockham (e comentários sobre super-psi)
>   Crenças Céticas XIX: casos modernos e seus paralelos
>   Descrição da morte (por A. Jackson Davis)
>   Descrição de um acidente aéreo por um espírito
>   A Doutrina Espírita e as chamadas Ciências Ordinárias
>   As duas opções (por Michael Prescott)
>   O fenômeno das vozes eletrônicas
>   Fenomenologia das Visões do Leito de Morte: em direção a um consenso sobre a sobrevivência da alma
>   Fogo Selvagem, Alma Domada
>   Gêmeos que se lembram de vidas anteriores
>   A informação na Estruturação Inteligente do Universo
>   Os vivos e os mortos na sociedade medieval
>   Mais sobre super-psi
>   A mediunidade de Eugênia von der Leyen
>   A mediunidade de Fernando Ben
>   Mediumship and art: Psychic Painting
>   Mediumship and art: Florêncio Anton psychic paintings
>   Mudança de personalidades em transplantados cardíacos
>   A natureza do argumento espírita
>   On possible changes in the air state during TK: a theoretical framework for future investigations
>   Paisagem de Marte (sobre a visita a Marte em "Cartas de uma Morta")
>   Paradigmas e Ciência Espírita
>   O prisma de James: uma metáfora para entender a fonte verdadeira da consciência humana
>   O problema da interpretação das mensagens espíritas: as paisagens de Marte por M. J. de Deus na psicografia de F. C. Xavier
>   Problemas metodológicos na pesquisa da reencarnação: o caso Ruprecht Schulz
>   O Que a Genética e a Astrologia tem em Comum?
>   A questão da encarnação em diferentes mundos: um novo tipo de matéria?
>   Reflexões sobre o contexto de experiências de quase-morte: artigo de Michael Nahm (2011)
>   A resposta ao Paradoxo de Fermi
>   Ritos e Doutrina Espírita
>   S. José de Cupertino e a mediunidade de efeitos físicos
>   Sobre a existência dos Espíritos: diferença entre percepção e observação
>   Sobre a faculdade de cura (mediunidade curadora)
>   Sobre a faculdade de cura - II - Modelo simplificado para a relação espírito-corpo
>   Sobre a mente inconsciente e sua perspectiva espírita
>   Sobre a política na gerência e a gerência na política
>   Sobre teorias fenomenológicas e construtivas
>   SRT - Tese do Dr. Palmer sobre desobsessão baseado no trabalho de Frederic William Henry Myers
>   Uma interpretação espírita para o inconsciente
>   Uma tradução comentada de "Como a Parapsicologia poderia se tornar uma ciência" de P. Churchland
>   Vendo o invisível
>   William Bengston e a pesquisa de curas por imposição das mãos (passes de cura)

Ademir Xavier & Alexandre Fontes da Fonseca - Carlos Iglesia - moderador
>   Um diálogo fraterno sobre Ciência & Espiritismo


topo


Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual