Espiritualidade e Sociedade



Ademir L. Xavier Jr.

>     Crenças céticas III - Ceticismo dogmático

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Ademir L. Xavier Jr.
>    Crenças Céticas III - Ceticismo dogmático


"Até que um dia percebi que seu ceticismo não era uma postura de busca da verdade, mas uma filosofia que se usava para manipular os dados conforme suas crenças. Essa filosofia era de natureza pseudo intelectual e costumava desacreditar e invalidar quem quer que propusesse uma evidência. Infelizmente esses céticos pensam que podem fazer uso da semântica e regras de sua filosofia para apagar a evidência da realidade! Pensam que podem invalidar eventos objetivos da vida real de natureza paranormal colocando rótulos sobre eles ou citando teoremas e axiomas do tipo 'evidências anedóticas não são válidas', 'apelo à autoridade', 'argumento da falácia ad populum' dentre outros. De fato, tentam usar a semântica para apagar a realidade objetiva. Infelizmente para eles, a natureza não funciona desse jeito."
Wiston Wu, www.australianparanormalsociety.com


Como já são bem conhecidas as táticas que fundamentam o ceticismo dogmático, recomendamos a leitura do post 'Pseudo-skeptical arguments of the Paranormal' disponível em www.australianparanormalsociety.com. Abaixo fazemos uma tradução adaptada para nossa discussão.


1) "Isso não pode ser, portanto, o fato não é verdade!" Ignorar fatos ou evidências que não se enquadram em suas crenças ou concepções pré-estabelecidas do mundo. Isso é feito sem modificação ou atualização das crenças para que se conformem os fatos, o que é mais lógico. Esse processo é conhecido como racionalização por dissonância cognitiva.


2) Tentar forçar falsas explicações para explicar um evento paranormal, independentemente de se encaixarem ou não aos fatos. Em essência, céticos dogmáticos preferem inventar falsas explicações ao invés de aceitar as que se lhe são apresentadas e que sugerem a transcendentalidade das causas associada aos fenômenos espíritas ou paranormais. Por exemplo, o uso sistemático da hipótese da "leitura fria" (cold reading) para explicar a precisão surpreendente da informação trazida por médiuns quando se sabe que tal explicação não dá conta dos fatos e circunstâncias em que os fenômenos ocorrem.


3) Mudança frequente nas regras que estabelecem os critérios de evidência que o ceticismo dogmático deseja que seja cumprido. Exemplo: um cético dogmático exige experimentos controlados e não o que chamam de 'evidências anedóticas' (esse termo tem caráter claramente pejorativo). Quando isso é feito, ele muda novamente as regras e exige que os experimentos sejam repetidos por outros pesquisadores. Quando isso é feito, o cético dogmático passa a atacar a integridade dos pesquisadores e o seu caráter, atacar os métodos ou exige relatórios dos mais pormenorizados detalhes do experimento. Caso contrário, rapidamente passa a considerar uma evidência de falta de controle como resultando na 'explicação' para o fenômeno. Sempre achará uma desculpa que valida seu ponto de vista pre-estabelecido. Surgiu uma evidência extraordinária? mude as regras das evidências que elas deixam de ser...


4) Usar 'dois pesos e uma medida' para considerar as evidências. Não aceitam o que chamam de 'evidência anedótica' para fenômenos psíquicos, pois as consideram não confiáveis. Surpreendentemente, porém, aceitam de braços abertos quando tais evidências suportam seus pontos de vista. Também as aceitam se tais evidências circunstanciais depõem contra os fenômenos (um marca inquestionável de postura tendenciosa). Exemplo: 'ninguém nunca reportou nenhum fenômeno paranormal por aqui', ou 'ele/ela disse outra coisa'. Quando um experimento feito em laboratório mostra de forma clara a transcendentalidade da evidência eles não a aceitam. Mas se algum experimento mostra apenas uma probabilidade para essa explicação, então eles tomam o experimento como claramente contrário à evidência;


5) Atacando a personalidade das testemunhas ou a credibilidade das evidências por elas fornecidas quando não há como aceitar essas evidências. A tática se assemelha a dos políticos que, ao perceberem que não poderão ganhar uma eleição, recorrem a afirmações descabidas contra o adversário. Quando uma evidência tem como origem uma testemunha chave que não pode ser desprezada ou refutada, os céticos dogmáticos encontram uma maneira de desacreditar a mesma seja através da contra caracterização de suas personalidades, seja exagerando ou distorcendo eventuais erros triviais que elas tenham cometido.


6) Desconsiderando todas as evidências para os eventos, seja considerando-os anedóticos (um termo claramente pejorativo), não testáveis, irreplicáveis ou sem controle. Céticos que se fecham para qualquer evidência, mesmo depois de perguntarem por ela de forma irônica, tendem a agir desse modo, conforme as posturas descritas acima. Ainda que a evidência seja na forma de experimento bem feito, eles a descartarão considerando-a irreplicável ou fora controle.

 

As características que definem o ceticismo dogmático ou pseudoceticismo revelam na verdade forças psicológicas que não são distintas do estado de fanatismo em que muitos crentes convictos se apresentam. Por incrível que pareça, é como se as mesmas forças operassem tanto dentro do fanático como do pseudocético. Mas, entre o ceticismo dogmático mais tenaz e a postura de prudência que nós devemos ter ao se deparar com anomalias relatadas em primeira mão, existe uma infinidade de estados.

Certamente o ceticismo é necessário - não temos dúvida disso - para a vida diária. De certa forma, o ceticismo é como um remédio que deve ser ingerido na dose certa, pois, se tomado em excesso, intoxica. Mas, antes de analisar com mais detalhe a questão do ceticismo e sua postura diante dos fatos espíritas, convém estudarmos também um pouco dos fundamentos da ciência, como ela opera e sobre qual autoridade repousam seus fundamentos.

Será que a autoridade da ciência repousa na autoridade dos cientistas? Será que cientistas, enquanto homens fora de sua área específica estão autorizados a emitir julgamentos a respeito de fatos que não conhecem?

Tais são as questões a que nos dedicaremos na próxima postagem.

Fonte: http://eradoespirito.blogspot.com.br/2010/11/crencas-ceticas-iii-ceticismo-dogmatico.html


topo

 

Visitem o blog do autor:  Era do Espírito
- http://eradoespirito.blogspot.com.br


Leiam também de Ademir Xavier:

>   Algumas Considerações Oportunas Sobre a Relação Espiritismo-Ciência

>   Anomalias possíveis na psicologia de pacientes transplantados
>   Cartas Psicografadas - Pragmática e intenção em psicografias de Chico Xavier
>   O Cérebro e a Mente (uma conexão espiritual)
>   A colaboração Schubert-Rosemary Brown
>   Como se deve entender a relação entre o Espiritismo e a Ciência - Fundamentos
>   Considerações sobre a ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos espíritos
>   Considerações sobre as ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos Espíritos
     - versão revisada

>   O conspiracionismo chega ao movimento espírita: a escalada de grupos dogmáticos
>   Crenças Céticas I - Introdução
>   Crenças Céticas II - Fundamentos do Ceticismo
>   Crenças Céticas III - Ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas IV Onde está fundamentada a autoridade da Ciência?
>   Crenças Céticas V - O caso Galileu e a fraude do movimento da Terra
>   Crenças Céticas VI - Noções populares de Ciência
>   Crenças Céticas VII - A vida além da vida e a necessidade de uma nova Ciência
>   Crenças Céticas VIII - Alfred Wegener e a fraude dos continentes flutuantes
>   Crenças Céticas IX - Como refutar qualquer coisa que você não gostar
>   Crenças Céticas X - Positivismo lógico e indutivismo: as duas bases do ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas XI - A avestruz cética e o peru indutivista
>   Crenças Céticas XII - Tomando carona no ceticismo: Críticas ao 'Espiritismo' em Ateus.net
>   Crenças Céticas XIII: 'O Porvir e o Nada'
>   Crenças Céticas XIV - "Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias."
>   Crenças Céticas XV - Máquinas que pensam ?
>   Crenças Céticas XVI - O ceticismo dogmático como charlatanismo intelectual
>   Crenças Céticas XVII - Teoria das evidências fotográficas e de outros tipos
>   Crenças Céticas XVIII - O que o ceticismo dogmático produz de útil?
>   Crenças Céticas XIX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XXI: Será que o homem pousou na Lua?
>   Crenças Céticas XXII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (1)
>   Crenças Céticas XXIII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (2)
>   Crenças Céticas XXIV - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (3)
>   Crenças Céticas XXV - Comentários à argumentação cética de um grande estudo em NDE
>   Crenças Céticas XXVI - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (4)  
>   Crenças Céticas XXVII - A Navalha de Ockham (e comentários sobre super-psi)
>   Descrição da morte (por A. Jackson Davis)
>   Descrição de um acidente aéreo por um espírito
>   A Doutrina Espírita e as chamadas Ciências Ordinárias
>   As duas opções (por Michael Prescott)
>   Fenomenologia das Visões do Leito de Morte: em direção a um consenso sobre a sobrevivência da alma
>   Fogo Selvagem, Alma Domada
>   Gêmeos que se lembram de vidas anteriores
>   A informação na Estruturação Inteligente do Universo
>   Os vivos e os mortos na sociedade medieval
>   Mais sobre super-psi
>   A mediunidade de Eugênia von der Leyen
>   A mediunidade de Fernando Ben
>   Mediumship and art: Psychic Painting
>   Mediumship and art: Florêncio Anton psychic paintings
>   Mudança de personalidades em transplantados cardíacos
>   A natureza do argumento espírita
>   On possible changes in the air state during TK: a theoretical framework for future investigations
>   Paisagem de Marte (sobre a visita a Marte em "Cartas de uma Morta")
>   Paradigmas e Ciência Espírita
>   O prisma de James: uma metáfora para entender a fonte verdadeira da consciência humana
>   O problema da interpretação das mensagens espíritas: as paisagens de Marte por M. J. de Deus na psicografia de F. C. Xavier
>   Problemas metodológicos na pesquisa da reencarnação: o caso Ruprecht Schulz
>   O Que a Genética e a Astrologia tem em Comum?
>   A questão da encarnação em diferentes mundos: um novo tipo de matéria?
>   Reflexões sobre o contexto de experiências de quase-morte: artigo de Michael Nahm (2011)
>   Ritos e Doutrina Espírita
>   S. José de Cupertino e a mediunidade de efeitos físicos
>   Sobre a existência dos Espíritos: diferença entre percepção e observação
>   Sobre a faculdade de cura (mediunidade curadora)
>   Sobre a faculdade de cura - II - Modelo simplificado para a relação espírito-corpo
>   Sobre a mente inconsciente e sua perspectiva espírita
>   Sobre a política na gerência e a gerência na política
>   Sobre teorias fenomenológicas e construtivas
>   SRT - Tese do Dr. Palmer sobre desobsessão baseado no trabalho de Frederic William Henry Myers
>   Uma interpretação espírita para o inconsciente
>   Uma tradução comentada de "Como a Parapsicologia poderia se tornar uma ciência" de P. Churchland
>   Vendo o invisível
>   William Bengston e a pesquisa de curas por imposição das mãos (passes de cura)

Ademir Xavier & Alexandre Fontes da Fonseca - Carlos Iglesia - moderador
>   Um diálogo fraterno sobre Ciência & Espiritismo


topo



Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual