Ademir L. Xavier Jr.

>    Crenças Céticas XXI: Será que o homem pousou na Lua?

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Ademir L. Xavier Jr.
> Crenças Céticas XXI: Será que o homem pousou na Lua?



"Ao lado desses céticos endurecidos, há aqueles que querem ver a sua maneira; que tendo formado uma opinião, querem com ela tudo relacionar: eles não compreendem que os fenômenos não possam obedecer a sua vontade; eles não sabem, ou não querem, se colocar nas condições necessárias."
A. Kardec, "O que é Espiritismo, 2o Diálogo, "O Cético"


É instrutivo comparar o ceticismo que existe contra determinados fenômenos de efeitos psíquicos (que passam por todas as classes de eventos mediúnicos - efeitos físicos etc) com o ceticismo em relação ao pouso lunar, que ocorreu pela primeira vez a 20 de julho 1969 e que se tornou um dos triunfos do projeto Apolo.

Em primeiro lugar, cumpre observar que várias características do pouso lunar (consequência do programa espacial americano da época) alimentam o ceticismo contra a sua ocorrência:

  1. Trata-se de um evento extremamente raro: em toda a história da Humanidade (que podemos datar como início a cerca de 10 ou 20 mil anos atrás) ele aconteceu algumas vezes;
  2. 'Pousar na lua' não pode ser facilmente reproduzido (ou, pelo menos, reproduzido quando se quiser) que é uma exigência comum de céticos para fenômenos considerados 'anômalos';
  3. O evento foi divulgado publicamente através de imagens de televisão e fotografia. Não havia 'testemunhas' in loco (além dos próprios astronautas) para 'comprová-lo'. Essas 'provas fotográficas' estão longe de serem suficientes para os céticos do evento. Como discutimos em nosso post anterior (2), há que se considerar a chance de fraude pela manipulação de imagens e videos. Confirmando nossa teoria do ceticismo, podemos encontrar inúmeros céticos do evento do pouso do homem na Lua, céticos que se dedicam a análises detalhadas da 'fraude do pouso lunar' (chamado em inglês, 'moon hoax', ver Referências 1)


Usando esse feito notório como exemplo, podemos tirar várias lições interessantes com relação às dúvidas e questionamentos que um tipo muito comum de ceticismo tem em relação aos fenômenos mediúnicos (em particular os fenômenos de efeitos físicos). É que a raridade e grau de dificuldade em se reproduzir essas ocorrências contribuem para aumentar a suspeita de fraude. 'Teorias de fraude' se adaptam muito bem como 'explicações que fazem sentido' à mente refratária à existência de ocorrências insólitas ou muito raras.

O objetivo do pensamento expresso no texto no link da primeira referência em (1) está sinteticamente descrito nas suas palavras introdutórias:

"Este artigo foi escrito para provar de uma vez por todas que não estão dizendo a verdade sobre os filmes que a NASA tem das missões Apolo. Ele irá perturbar mesmo o cético mais empedernido e convencerá muitas pessoas de que todo o projeto Apolo do final dos anos 60 ao começo dos 70 não passou de uma fraude completa." (1)


Figura 1. Uma estratégia que os 'céticos do pouso lunar' tem em comum
com os céticos dos fenômenos de efeitos físicos é a desqualificação de 'provas fotográficas'.


O 'cético empedernido' aqui é justamente o 'crente no pouso lunar'. Analisemos a estratégia de desqualificação das provas. A Fig. 1 traz uma imagem tirada do site da referência (1). O texto diz:

"De uma olhada nessas imagens que são apresentadas aqui e veja como partes das cruzes da imagem desapareceram. Isso é impossível, a menos que o filme tenha sido violado. As cruzes devem estar sempre visíveis em todas as tomadas e não ocultas além de objetos na cena. A única solução para isso é que a NASA tenha sido obrigada a retocar certos objetos ou adicioná-los posteriormente sobre as cruzes!"

Outro exemplo é o da Fig. 2. Uma vez que os princípios da dúvida são os mesmos, a argumentação e a estratégia de desqualificação é idêntica. Fotos e imagens são 'analisadas' e demonstradas como sendo 'fraudulentas', acusando interesses ocultos de modificar qualquer registro produzido durante o evento (Ver também Ref. 2).

clique para ampliar
Figura 2. O texto diz:
"Alguns dos sistema de iluminação dos 'vídeos oficiais da NASA' são muitos suspeitos. Esta imagem da NASA à esquerda deveria mostrar o astronauta na sombra completa porque o Sol está atrás dele mas, mesmo assim, por que seu corpo inteiro está iluminado? A imagem deveria se assemelhar à da direita, que é uma simulação feita por David Percy."

Dificilmente entra na cabeça do crítico aqui que o solo lunar é, para todos os efeitos, praticamente branco (como uma superfície salina) e a luz que ilumina o corpo do astronauta (à esquerda) provém desse reflexo. A explicação da direita é a correta para o crítico, pois ele realmente acredita na suposta fraude e despreza (ou desconhece) o efeito da superfície.

Inexiste assim limite para as teorias da dúvida e se podem fazer isso com o pouso lunar, também podem fazer o mesmo com qualquer evento ou fenômeno raro que exista. Portanto, concluímos novamente que o ceticismo dogmático não passa, ele sim, de uma fraude intelectual (3).

No passado, médiuns idôneos foram acusados de organizar uma operação para enganar e ludibriar comunidades ou cidades inteiras. Isso não é nada se comparado ao que fazem os autores da ref. 1 que acusam a agência americana (NASA) de ter orquestrado um acontecimento e ludibriado bilhões de pessoas no mundo a partir de 1969 e vários anos após.


Conclusão

O caso 'do pouso na Lua' é um prato cheio para as crenças céticas que acreditam que esse evento não passou de uma fraude perpetrada por altas autoridades dos governos mundiais (as chamadas teorias da conspiração). O tipo de estratégia de debunking ('refutação') que céticos do pouso lunar usam é exatamente o mesmo usado por céticos de carteirinha contra fenômenos de efeitos psíquicos, em particular os 'efeitos físicos'.

Ao se analisar atentamente o tipo de crítica, vemos que ela se aplica perfeitamente tanto ao primeiro pouso do homem na Lua como a um caso de materialização de Espíritos ou qualquer outro evento psíquico, fenômeno anômalo ou efeito raro que produz algum efeitos tangível registrável por imagens. Como as motivações para se duvidar são as mesmas, tanto as estratégias de 'desqualificação' dos fenômenos como a retórica da crítica são idênticas.


Notas e referências

(1) -
O site em apreço é - http://www.ufos-aliens.co.uk/cosmicapollo.html -
Mas essa não é a única referência. Ver também:

http://www.moonmovie.com/
http://www.orwelltoday.com/moonhoaxdoc.shtml
Vídeos
http://www.youtube.com/watch?v=mouUUWpEec0
http://www.youtube.com/watch?v=wdMvQTNLaUE

(2) -
Sobre uma explicação para facilidade com que se pode desqualificar imagens ver: Crenças Céticas XVII - Teoria das evidências fotográficas e de outros tipos.

(3) -
Crenças Céticas XVI - O ceticismo dogmático como charlatanismo intelectual.

Fonte:
http://eradoespirito.blogspot.com.br/2012/08/crencas-ceticas-xxii-sera-que-o-homem.html



topo

 

Visitem o blog do autor:  Era do Espírito
- http://eradoespirito.blogspot.com.br


Leiam também de Ademir Xavier:

>   Algumas Considerações Oportunas Sobre a Relação Espiritismo-Ciência

>   Anomalias possíveis na psicologia de pacientes transplantados
>   Cartas Psicografadas - Pragmática e intenção em psicografias de Chico Xavier
>   O Cérebro e a Mente (uma conexão espiritual)
>   A colaboração Schubert-Rosemary Brown
>   Como se deve entender a relação entre o Espiritismo e a Ciência - Fundamentos
>   Considerações sobre a ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos espíritos
>   Considerações sobre as ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos Espíritos
     - versão revisada

>   O conspiracionismo chega ao movimento espírita: a escalada de grupos dogmáticos
>   Crenças Céticas I - Introdução
>   Crenças Céticas II - Fundamentos do Ceticismo
>   Crenças Céticas III - Ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas IV Onde está fundamentada a autoridade da Ciência?
>   Crenças Céticas V - O caso Galileu e a fraude do movimento da Terra
>   Crenças Céticas VI - Noções populares de Ciência
>   Crenças Céticas VII - A vida além da vida e a necessidade de uma nova Ciência
>   Crenças Céticas VIII - Alfred Wegener e a fraude dos continentes flutuantes
>   Crenças Céticas IX - Como refutar qualquer coisa que você não gostar
>   Crenças Céticas X - Positivismo lógico e indutivismo: as duas bases do ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas XI - A avestruz cética e o peru indutivista
>   Crenças Céticas XII - Tomando carona no ceticismo: Críticas ao 'Espiritismo' em Ateus.net
>   Crenças Céticas XIII: 'O Porvir e o Nada'
>   Crenças Céticas XIV - "Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias."
>   Crenças Céticas XV - Máquinas que pensam ?
>   Crenças Céticas XVI - O ceticismo dogmático como charlatanismo intelectual
>   Crenças Céticas XVII - Teoria das evidências fotográficas e de outros tipos
>   Crenças Céticas XVIII - O que o ceticismo dogmático produz de útil?
>   Crenças Céticas XIX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XXI: Será que o homem pousou na Lua?
>   Crenças Céticas XXII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (1)
>   Crenças Céticas XXIII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (2)
>   Crenças Céticas XXIV - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (3)
>   Crenças Céticas XXV - Comentários à argumentação cética de um grande estudo em NDE
>   Crenças Céticas XXVI - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (4)  
>   Crenças Céticas XXVII - A Navalha de Ockham (e comentários sobre super-psi)
>   Descrição da morte (por A. Jackson Davis)
>   Descrição de um acidente aéreo por um espírito
>   A Doutrina Espírita e as chamadas Ciências Ordinárias
>   As duas opções (por Michael Prescott)
>   Fenomenologia das Visões do Leito de Morte: em direção a um consenso sobre a sobrevivência da alma
>   Fogo Selvagem, Alma Domada
>   Gêmeos que se lembram de vidas anteriores
>   A informação na Estruturação Inteligente do Universo
>   Os vivos e os mortos na sociedade medieval
>   Mais sobre super-psi
>   A mediunidade de Eugênia von der Leyen
>   A mediunidade de Fernando Ben
>   Mediumship and art: Psychic Painting
>   Mediumship and art: Florêncio Anton psychic paintings
>   Mudança de personalidades em transplantados cardíacos
>   A natureza do argumento espírita
>   On possible changes in the air state during TK: a theoretical framework for future investigations
>   Paisagem de Marte (sobre a visita a Marte em "Cartas de uma Morta")
>   Paradigmas e Ciência Espírita
>   O prisma de James: uma metáfora para entender a fonte verdadeira da consciência humana
>   O problema da interpretação das mensagens espíritas: as paisagens de Marte por M. J. de Deus na psicografia de F. C. Xavier
>   Problemas metodológicos na pesquisa da reencarnação: o caso Ruprecht Schulz
>   O Que a Genética e a Astrologia tem em Comum?
>   A questão da encarnação em diferentes mundos: um novo tipo de matéria?
>   Reflexões sobre o contexto de experiências de quase-morte: artigo de Michael Nahm (2011)
>   Ritos e Doutrina Espírita
>   S. José de Cupertino e a mediunidade de efeitos físicos
>   Sobre a faculdade de cura (mediunidade curadora)
>   Sobre a faculdade de cura - II - Modelo simplificado para a relação espírito-corpo
>   Sobre a mente inconsciente e sua perspectiva espírita
>   Sobre a política na gerência e a gerência na política
>   Sobre teorias fenomenológicas e construtivas
>   SRT - Tese do Dr. Palmer sobre desobsessão baseado no trabalho de Frederic William Henry Myers
>   Uma interpretação espírita para o inconsciente
>   Uma tradução comentada de "Como a Parapsicologia poderia se tornar uma ciência" de P. Churchland
>   Vendo o invisível
>   William Bengston e a pesquisa de curas por imposição das mãos (passes de cura)

Ademir Xavier & Alexandre Fontes da Fonseca - Carlos Iglesia - moderador
>   Um diálogo fraterno sobre Ciência & Espiritismo


topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual