Paulo da Silva Neto Sobrinho

>     A Alma dorme no mineral?

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Paulo da Silva Neto Sobrinho
>    A Alma dorme no mineral?

texto mais completo disponível em pdf - clique aqui para acessar

 

 

Uma das frases mais comentadas e polêmicas do Espiritismo, atribuída a Léon Denis, é constantemente repetida no meio espírita, mas um estudo mais detalhado da questão nos mostra outra realidade.

É comum ouvirmos essa frase: "A alma dorme na pedra, sonha no vegetal, agita-se no animal e acorda no homem", cuja autoria é atribuída a Léon Denis. Só que, curiosamente, até hoje ninguém nos provou que ele tenha dito exatamente isso. Mas, na busca em que nos empenhamos para encontrá-la, acabamos por nos deparar com a frase verdadeira, vejamo-la:

"Na planta, a inteligência dormita; no animal, sonha; só no homem acorda, conhece-se, possui-se e torna-se consciente; a partir daí, o progresso, de alguma sorte fatal nas formas inferiores da Natureza, só se pode realizar pelo acordo da vontade humana com as leis Eternas" (O Problema do Ser, do Destino e da Dor, Léon Denis. FEB, 1989, p. 123. Grifo nosso)

Obviamente, mesmo em sentido figurado, dormir na planta não é o mesmo que dormir na pedra, que é o assunto que ainda causa polêmica em nosso meio. Bom, a questão é saber se o sucessor do codificador contrariou aquilo que foi dito por ele. Particularmente, acreditamos que não.

Inicialmente, recorreremos ao que ele, Kardec, disse na Introdução da primeira edição de O Livro dos Espíritos:

"Qualquer que seja, é um fato que não se pode contestar, pois é um resultado de observação, é que os seres orgânicos têm em si uma força íntima que produz o fenômeno da vida, enquanto que essa força existe; que a vida material é comum a todos os seres orgânicos e que ela é independente da inteligência e do pensamento: que a inteligência e o pensamento são faculdades próprias de certas espécies orgânicas; enfim, que entre as espécies orgânicas dotadas de inteligência e de pensamento, há uma dotada de um senso moral especial que lhe dá incontestável superioridade sobre as outras, é a espécie humana".

Nós chamamos enfim inteligência animal o princípio intelectual comum aos diversos graus nos homens e nos animais, independente do princípio vital, e cuja fonte nos é desconhecida" (O Livro dos Espíritos, Allan Kardec. IPECE, 2004, p. a 3. FEB, p. 15. Grifo nosso).

Isso foi necessário apenas para verificar que, já na primeira edição desse livro, Kardec, sem meias palavras, disse que "a inteligência e o pensamento são faculdades próprias de certas espécies orgânicas", definindo-as dessa forma:

"Os seres orgânicos são os que têm em si uma fonte de atividade íntima que lhes dá a vida. Nascem, crescem, reproduzem-se por si mesmos e morrem. São providos de órgãos especiais para a execução dos diferentes atos da vida, órgãos esses apropriados às necessidades que a conservação própria lhes impõe. Nessa classe estão compreendidos os homens, os animais e as plantas" (p. 65. Grifo nosso).

ENTÃO, SEGUNDO KARDEC, PODEMOS classificar os seres orgânicos em homens, animais e plantas. Quando, no livro A Gênese, ele estuda o Instinto e a Inteligência (Capítulo III), faz diversas considerações, nas quais vamos encontrar alguma coisa para dirimir possíveis dúvidas. Diz lá:

"O instinto é a força oculta que solicita os seres orgânicos a atos espontâneos e involuntários, tendo em vista a conservação deles. Nos atos instintivos não há reflexão, nem combinação, nem premeditação. É assim que a planta procura o ar, se volta para a luz, dirige suas raízes para a água e para a terra nutriente; que a flor se abre e fecha alternativamente, conforme se lhe faz necessário; que as plantas trepadeiras se enroscam em torno daquilo que lhes serve de apoio, ou se lhe agarram com as gavinhas. É pelo instinto que os animais são avisados do que lhes convém ou prejudica; que buscam, conforme a estação, os climas propícios; que constroem, sem ensino prévio, com mais ou menos arte, segundo as espécies, leitos macios e abrigos para as suas progênies, armadilhas para apanhar a presa de que se nutrem; que manejam destramente as armas ofensivas e defensivas de que são providos; que os sexos se aproximam; que a mãe choca os filhos e que estes procuram o seio materno. No homem, só em começo da vida o instinto domina com exclusividade; é por instinto que a criança faz os primeiros movimentos, que toma o alimento, que grita para exprimir as suas necessidades, que imita o som da voz, que tenta falar e andar. No próprio adulto, certos atos são instintivos, tais como os movimentos espontâneos para evitar um risco, para fugir a um perigo, para manter o equilíbrio do corpo; tais ainda o piscar das pálpebras para moderar o brilho da luz, o abrir maquinal da boca para respirar, etc." (pp. 64-65. Grifo nosso)

Nessa fala de Kardec fica claro que ele admite o instinto nas plantas, nos animais e nos homens. Mas, "o que tem a ver instinto com inteligência?", poderia alguém nos perguntar. Pois bem, essa dúvida foi respondida pelos Espíritos, que afirmaram que o instinto é uma espécie de inteligência, uma inteligência não racional (resposta à pergunta 73). Um pouco mais à frente, ao comentar a resposta à pergunta 75, o codificador explica:

"O instinto é uma inteligência rudimentar, que difere da inteligência propriamente dita, em que suas manifestações são quase sempre espontâneas, ao passo que as da inteligência resultam de uma combinação e de um ato deliberado".

"O instinto varia em suas manifestações, conforme as espécies e as suas necessidades. Nos seres que têm a consciência e a percepção das coisas exteriores, ele se alia à inteligência, isto é, à vontade e à liberdade" (p. 69. Grifo nosso).

PORTANTO, PELA ORDEM, AS PLANTAS, os animais e os homens possuem o princípio inteligente, variando apenas quanto ao grau de sua manifestação. Entretanto, até agora, não houve nada relacionado aos minerais terem esse princípio, ou que o mesmo tenha, por alguma vez, estagiado em seres inorgânicos. Coisa difícil de entender, já que esses seres não possuem vitalidade; portanto, não estão sujeitos ao "nascer-crescer morrer", ciclo indispensável para que ocorra o progresso intelectual desse princípio.

O esclarecimento a respeito do instinto de conservação vai nos ajudar a clarear mais ainda essa questão. Vejamos em O Livro dos Espíritos:

"702. É lei da Natureza o instinto de conservação?"
"Sem dúvida. Todos os seres vivos o possuem, qualquer que seja o grau de sua inteligência. Nuns, é puramente maquinal, raciocinado em outros".

"703. Com que fim outorgou Deus a todos os seres vivos o instinto de conservação?"
"Porque todos têm que concorrer para cumprimento dos desígnios da Providência. Por isso foi que Deus lhes deu a necessidade de viver. Acresce que a vida é necessária ao aperfeiçoamento dos seres. Eles o sentem instintivamente, sem disso se aperceberem".

"728. É lei da Natureza a destruição?"
"Preciso é que tudo se destrua para renascer e se regenerar. Porque, o que chamais destruição não passa de uma transformação, que tem por fim a renovação e melhoria dos seres vivos".

Do que concluímos que todos os seres vivos possuem a inteligência em algum grau, que a vida é necessária a seu progresso e que a destruição é necessária para que isso ocorra; então, no que concerne aos minerais, acreditamos que nada disso se aplica.

Voltando ao livro A Gênese, iremos encontrar uma fala de Kardec que, a nosso ver, põe um ponto final sobre como ele via o assunto.

Vejamos quando ele fala da união do princípio espiritual e da matéria, no capítulo XI, item 10:

"Devendo a matéria ser o objeto de trabalho do Espírito, para o desenvolvimento de suas faculdades, era necessário que pudesse atuar sobre ela, por isso veio habitá-Ia, como o lenhador habita a floresta. Devendo ser a matéria, ao mesmo tempo, o objetivo e o instrumento de trabalho, Deus, em lugar de unir o Espírito à pedra rígida, criou, para seu uso, corpos organizados; flexíveis, capazes de receber todos os impulsos de sua vontade, e de se prestar a todos os movimentos".

"O corpo é pois, ao mesmo tempo, o envoltório e o instrumento do Espírito, e à medida que este adquire novas aptidões, ele reveste um envoltório apropriado ao novo gênero de trabalho que deve realizar, como se dá a um obreiro ferramentas menos grosseiras à medida que ele seja capaz de fazer uma obra mais cuidada" (pp. 182-183. Grifo nosso).

PELO QUE PODEMOS DEDUZIR dessa fala, não há como admitir que o princípio inteligente tenha se estagiado nos minerais, a não ser contrariando o que aqui foi dito por Kardec.

Na explicação da resposta à pergunta 71 (LE), o codificador faz a seguinte consideração:

"A inteligência é uma faculdade especial, própria de certas classes de seres orgânicos e que lhes dá, com o pensamento, a vontade de agir, a consciência de sua existência e de sua individualidade, assim como os meios de estabelecer intercâmbio com o mundo exterior e de prover às suas necessidades".

"Podem distinguir-se assim:

1º. - os seres inanimados, constituídos de matéria, sem vitalidade nem inteligência, que são os corpos brutos; 2º - os seres animados não pensantes, formados de matéria e dotados de vitalidade, mas desprovidos de inteligência; 3º - os seres animados pensantes, formados de matéria, dotados de vitalidade e tendo a mais um princípio inteligente que lhes dá a faculdade de pensar" (p. 68. Edição da FEB, p. 78).

Classificam-se, portanto, os reinos da natureza em três: o mineral, o vegetal e o animal, conforme essa ordem citada por Kardec. Assim, fica claro, pelo que ele coloca, que o reino mineral não tem vitalidade nem inteligência, o que também se confirma com: "A matéria inerte, que constitui o reino mineral, não tem senão uma força mecânica" (O Livro dos Espíritos. IDE, p. 245). Buscando-se também a questão 136a, veremos que a hipótese do princípio inteligente no mineral e de todo improvável, porquanto: "A vida orgânica pode animar um corpo sem alma, mas a alma não pode habitar um corpo privado de vida orgânica" (idem, p. 91. Grifos nossos).

Conforme descobrimos, essa hipótese está nos livros No Mundo Maior e Evolução em Dois Mundos, da série André Luiz. Não seremos nós quem irá contestar o autor; entretanto, talvez por ousadia, questionamos a seguinte fala dele:

"A crisálida de consciência, que reside no cristal a rolar na corrente do rio, aí se acha em processo, Iibertatório ... " (No Mundo Maior. FEB, p. 45). Como um cristal, que rola no leito de um rio, "morre" para que a crisálida, que possivelmente esteja nele, passe para o estágio evolutivo seguinte? Quando nós usamos esses cristais, incrustando-os nas paredes de nossas casas, a crisálida ficaria ali presa indefinidamente? Devemos proteger os cristais como estamos querendo fazer em relação aos seres vivos dos outros reinos da natureza?

É por essas coisas que temos enorme dificuldade em aceitar tal premissa, que também, se não estivermos enganados, não é aquela que encontramos nas obras da codificação.

Dessa forma nos alinhamos com outros autores, já consagrados no meio espírita, que já responderam à pergunta que dá título a esse nosso texto, com um sonoro não.

 

texto mais completo disponível em pdf - clique aqui para acessar

 

 

 

 

 

Fonte: Revista Espiritismo & Ciência. Ano 4. nº46.
- http://aeradoespirito2.sites.uol.com.br/Artigos/A_ALMA_DORME_NA_PEDRA_PN.html -

Fonte do texto mais completo - http://www.paulosnetos.net/artigos/summary/6-ebook/182-a-alma-dorme-no-mineral-ebook-ii

 


topo

 

 

Visitem o site do autor - Paulo da Silva Neto Sobrinho
http://www.paulosnetos.net

 

Leiam outros artigos do autor

Paulo da Silva Neto Sobrinho

>  Afinal de contas, Deus perdoa?
>  Ajustes aos dogmas
>  A Alma dorme no mineral?
>  A aparição de Jesus depois da morte
>  A Arca de Noé
>  A aura e os chacras no Espiritismo
>  Bodas de Caná, o casamento de Jesus?
>  As cartas de Paulo sobre os homossexuais
>  A Ciência desmente o Espiritismo?
>  A comunicação entre os dois planos
>  Comunicação com os mortos
>  O Consolador veio no Pentecostes?
>  Contra os Desafios sobre provas da vida após morte
>  O Controle Universal do Ensino dos Espíritos - CUEE, ainda vale?
>  A Conversa de Jesus com Nicodemos
>  O corpo de Jesus ressuscitado
>  Corpo físico e Espírito: qual é o mais importante
>  Corpos incorruptos
>  Os 10 mandamentos
>  Deus proibiu evocar-se os mortos?
>  Diante da Morte
>  E aconteceu no Sinai
>  Ecos do Passado - O paganismo no cristianismo
>  EQM: Prova da Sobrevivência da alma
>  E quanto ao Espírito não Sabes donde Vem
>  Espíritas abraçando a fé cega
>  Espírito de Pessoa Viva ao se manifestar conseguiria mudar de aparência?
>  Espírito de Verdade, quem seria ele?
>  Espíritos e médiuns não são infalíveis
>  Espíritos em Prisão
>  Os espíritos se comunicam na Igreja Católica
>  Os Espíritos Superiores e o livre-arbítrio
>  Evocar os espíritos: Moisés ou Kardec?
>  Os excluídos
>  Evolucionismo e Criacionismo
>  Os fatos provam a reencarnação
>  Flávio Josefo cita Jesus?
>  Freud no divã
>  A Gravidez de Espíritos
>  Homossexualidade na Visão Espírita
>  Imortalidade da Alma e a Bíblia
>  Incorporação por Espíritos
>  Inferno ou Purgatório?
>  Influência dos Espíritos em nossas vidas
>  Inspiração dos textos bíblicos
>  A irresponsável discriminação contra os homossexuais
>  Jesus é o Espírito de Verdade
>  Jesus ficava calado?
>  Jesus não é o Espírito da Verdade
>  Jesus pode ser considerado Deus?
>  Jesus teve ou não Irmãos?
>  Jesus veio cumprir a lei?
>  João Batista é mesmo o Elias?
>  Josefo, os fariseus e a reencarnação
>  Kardec não antecipou Darwin
>  Kardec reencarnou-se como Chico?
>  Manifestação de Espírito no Congresso Nacional
>  Manifestação de Espírito de pessoa viva: é possível em estado de vigília?
>  Mar Vermelho na “Arqueologia” de Ron Wyatt
>  Mas os mortos não estão proibidos de evocar os vivos
>  O Mau-Olhado na Ótica Espírita
>  Mediunidade de Incorporação
>  Mediunidade no tempo de Jesus
>  Mediunidade - percepção da Psique humana : proposição de um novo conceito para a mediunidade
>  A Memória Genética não explica a reencarnação
>  Os milagres existem?
>  Moisés – primeiro inquisidor
>  Os mortos estariam dormindo?
>  A mulher na Bíblia
>  Nada é definitivo nas obras básicas
>  Neurocirurgião muda de opinião após vivenciar uma EQM
>  Os nomes dos títulos dos Evangelhos designam seus autores?
>  Para entender o Espiritismo - Resposta ao “parapsicatólico”
>  O Papel dos Médiuns na Comunicação
>  Pedro, tu és Papa?
>  Perdão, punição, redenção, crença ou reencarnação?
>  O perispírito não é fluido vital
>  Possessão: há a posse física do encarnado?
>  Preexistência do Espírito
>  A profecia sobre a volta de Elias se realizou?
>  As provas da sobrevivência do espírito
>  Quais são as Obras Básicas?
>  Qual a primeira obra espírita que deve ser lida?
>  Os quatro Evangelhos de Roustaing
>  Quem era o discípulo a quem Jesus amava?
>  A Questão do Bom ladrão
>  Racismo em Kardec?
>  A reclamação de um defunto
>  Reencarnação - Bibliografia
>  Reencarnação, a prova definitiva
>  Reencarnação e as pesquisas científicas
>  Reencarnação e a evolução humana
>  Reencarnação e o inconsciente coletivo
>  A Reencarnação é um dogma dos espíritas?
>  Reencarnação no Concílio de Constantinopla - (Orígenes x Império Bizantino)
>  Reencarnação no contexto histórico
>  Reencarnação no Evangelho, A
>  Reencarnação no Pentateuco
>  Reencarnação x ressurreição física e penas eternas
>  Religião Espírita: é o que, de fato, é o Espiritismo
>  Ressurreição da Carne?
>  Ressurreição, o significado bíblico
>  Ressurreição ou Reencarnação?
>  Reunião de doutrinação (esclarecimento) de espíritos foi recomendada na codificação?
>  Reuniões mediúnicas de desobsessão (doutrinação ou esclarecimento de Espíritos)
>  Satanás – ser ou não ser, eis a questão
>  Segredos da supermemória
>  Será que os profetas previram a vinda de Jesus?
>  Será que Saul conversou com Samuel-espírito?
>  Sinal combinado para confirmar contato com os mortos
>  Só a reencarnação para explicar
>  Somente Espíritos Superiores trazem-nos novas instruções?
>  Sudário: relíquia verdadeira ou falsificação medieval
>  Teodora e as 500 prostitutas
>  Terrorismo Religioso
>  Todos nós somos médiuns
>  Torre de Babel: o carro na frente dos bois
>  Tradutor, traidor
>  Trindade - o “mistério” criado por um leigo, anuído pelos teólogos
>  A vida do espírito é só no corpo físico?

Leiam também de Paulo da Silva Neto Sobrinho, em co-autoria

Silva Neto Sobrinho, Paulo da & Silva, Vladimir Vitoriano da

 >  Deuteronômio – lei divina ou mosaica?

 
Visitem o site de Paulo da Silva Neto Sobrinho


 >>>   http://www.paulosnetos.net

__________

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual