Espiritualidade e Sociedade





André Ricardo de Souza

>    A economia solidária no livro Paulo e Estêvão

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

André Ricardo de Souza
>    A economia solidária no livro Paulo e Estêvão

 


A obra Paulo e Estêvão, do espírito Emmanuel - psicografada por Francisco Cândido Xavier em 1941 e publicada no ano seguinte pela Federação Espírita Brasileira - foi apontada pelo próprio Chico Xavier em 1970, no programa televisivo de Silvio Santos, como o principal livro decorrente de sua mediunidade. Lido em primeira mão por Rômulo Joviano, chefe de Chico na Fazenda Modelo, onde ocorreu a psicografia por oito meses, o texto foi chamado por aquele homem de“manual do trabalhador cristão”. Algumas descobertas arqueológicas e históricas - sobretudo do professor e pesquisador bíblico estadunidense Harold Hoehner (1935-2009), destacadas pelo estudioso espírita do tema Haroldo Dias - denotam a veracidade dessa obra. Ela traz a trajetória de Paulo de Tarso mediante o apoio de Estêvão, que, de vítima se tornou seu mentor espiritual. Na introdução do livro, Estêvão é apontado por Emmanuel não como o primeiro, mas sim “o grande mártir do cristianismo”. Isto porque no livro Há dois mil anos (FEB, 1939), dos mesmos: autor e médium, é relatado o martírio cronologicamente anterior de Simeão, aquele que encaminhou Lívia, a esposa do senador romano Públio Lêntulo (reencarnação de Emmanuel), ao cristianismo.

Por seu turno, a economia solidária constitui um universo composto de empreendimentos econômicos pautados por princípios igualitários e democráticos, tendo como modelo a cooperativa autogestionária, onde todos os trabalhadores repartem os ganhos do modo mais equânime e equilibrado possível, buscando a convivência fraterna. O maior pensador dessa proposta é Paul Singer (1932-2018), que foi professor de economia na Universidade de São Paulo e condutor, entre 2003 e 2016, da Secretaria Nacional de Economia Solidária no âmbito do Ministério do Trabalho. Autor de fundamentais livros sobre o tema, Singer costumava dizer que a economia solidária havia renascido no Brasil dos anos 1990. Ele fazia menção a experiências históricas, com destaque para a dos pioneiros do cooperativismo autogestionário moderno em 1844 na cidade inglesa de Rochdale. E considerava também algumas experiências comunitárias bem mais antigas.

Paulo e Estêvão apresenta a primeira comunidade cristã, fixada em Jerusalém e chamada de Casa do Caminho, afinal antes de ‘cristãos’, os seguidores de Jesus Cristo eram chamados de “homens do caminho” (para a capital do judaísmo), lugar de onde eram recolhidos indivíduos necessitados: enfermos, deficientes, viúvas e órfãos pobres. A comunidade era mantida sobremaneira com doações de homens abastados da cidade que se solidarizavam com a causa, embora não rompessem com o farisaísmo para abraçar a nova tradição religiosa que nascia. Aristocratas desse grupo impunham constrangimentos judaizantes aos membros da Casa e isso angustiava muito seu líder Simão Pedro, que relata a situação ao ainda novato no apostolado cristão: Paulo de Tarso. Complementando a plantação de subsistência que Pedro já havia estabelecido lá, Paulo propõe algo maior:

Os órfãos, os velhos e os homens aproveitáveis poderão encontrar atividades além dos trabalhos agrícolas e produzir alguma coisa para a renda indispensável. Cada qual trabalharia de conformidade com as próprias forças, sob a direção dos irmãos mais experimentados. A produção do serviço garantiria a manutenção geral. Como sabemos, onde há trabalho, há riqueza, e onde há cooperação, há paz.

Tratava-se da formação de um empreendimento de economia solidária para que as pessoas acolhidas pela comunidade cristã, já curadas e refeitas, pudessem trabalhar de modo a buscarem, tanto quanto possível, a emancipação econômica de todo aquele grupo que abrangia cerca de cem pessoas. Paulo então decide fazer uso de suas duras viagens missionárias para a coleta de recursos em prol da viabilização do intento. Passados alguns anos, ele retorna à comunidade portando a “pequena fortuna” que é comovidamente recebida por Pedro. Bem mais tarde, quando Paulo, já idoso, estava à caminho da prisão em Roma:

(...) mulheres humildes agradeciam os benefícios recebidos de suas mãos. Doentes curados comentavam a colônia de trabalho [empreendimento de economia solidária] que ele sugerira e ajudara a fundar na igreja [comunidade cristã] de Jerusalém e proclamavam sua gratidão em altas vozes.

Tais trechos estão nos capítulos 5 e 8 da segunda parte do livro.

Alguns anos atrás, enquanto Paul Singer ainda atuava na SENAES, tive oportunidade de lhe explicar em que consistia a obra Paulo e Estêvão e também contar tais passagens, ao que ele reagiu com surpresa e alegria. Judeu nascido na Áustria, que viveu no Brasil desde menino, ele se dizia ateu, mas foi a pessoa mais espiritualizada que conheci. Por seus ensinamentos e exemplo de vida, o professor segue inspirando, sobremaneira os que o conheceram e os que compartilham dos valores da economia solidária, algo que é, a meu ver, uma expressão socioeconômica do cristianismo. Por sua vez o profundo livro de Emmanuel e Chico Xavier vem sendo gradativamente reconhecido como o manual do trabalhador cristão.



André Ricardo de Souza - Sociólogo, 46 anos, professor e pesquisador agradecido a Adriana Jaeger pelo incentivo para a escrita deste pequeno texto.



 

Fonte: http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/FEVEREIRO/22-02-2019.htm
- Texto recebido em email de André Ricardo de Souza

 

 

 

Leiam outros textos de

André Ricardo de Souza
seta dupla verde claro direita  Os baianos da Umbanda em São Paulo
seta dupla verde claro direita  A economia solidária no livro Paulo e Estêvão
seta dupla verde claro direita  O empreendedorismo neopentecostal no Brasil
seta dupla verde claro direita  A veracidade e conexões da obra Paulo e Estêvão

 

 

 



topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual