Espiritualidade e Sociedade





Teresa Cristina Soares

>   O Medo e a Força do Pensamento

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Teresa Cristina Soares
>    O Medo e a Força do Pensamento


 

“Mas Jesus, conhecendo os seus pensamentos, disse: Por que pensais mal em vosso coração?” (Mt 9-4)

Aceitar o que não pode modificar, é um fato. Mas, ter medo pelo que se pode, é atrair para si pensamentos negativos que o aprisionarão a sentimentos de dúvidas e receios. Como dizem: “Viver é uma arte”, então tudo que promana dele é um ensino diário, cogitando-nos e nos levando a novos caminhos. Mas o fato é que ninguém cogita conhecer os próprios pensamentos; e até onde ele o está levando ou deixando de levá-lo.

Temos por exemplo os “segredos”, guardados a sete chaves, sem dividi-los com ninguém, oprimindo a criatura a viver com o medo da sua divulgação, levando-o muitas vezes ao sofrimento, a amargura e a solidão. Ele pode não ser muito importante para quem não sabe, mas torna-se muito importante para quem esconde e não quer divulgá-lo. Por isso temos que aceitar os limites de cada ser, sendo paciente e o respeitando; mas ao mesmo tempo o encorajando a dar-se um novo rumo à sua vida: Que é libertar-se das forças que o aprisionam a determinados pensamentos; levando-o muitas vezes a uma depressão.

Como sabemos o ódio e a raiva são sentimentos muito desagradáveis, e quando temos medo e receio de executarmos algumas coisas, nos revoltamos com a nossa própria atitude, por acharmos que não temos capacidade. Então através do nosso próprio pensamento atraímos enfermidades para o nosso corpo, ou seja, energias negativas que damos ensejo, e que se fixam em nossa mente. As conhecidas doenças psicológicas, e que com o decorrer do tempo poderá se agravar em outras áreas.

Lembremos que a raiva, só tira a nossa paz. E nada mudará, se não procurarmos nos libertar, pois as pessoas e as coisas continuarão do mesmo jeito. Assim como o mundo e as suas transformações.

Dizem que a vida é um jogo, então temos que aprender a jogar, para não sermos derrotados pelos nossos medos e receios. Cada ser é diferente um do outro, e cada um olha a vida de uma forma. O que temos que fazer é tentar adquirir paciência e compreender o nosso jeito de ser. No livro: Quando chega a hora (Zíbia Gasparetto) ele nos diz: “O Mundo tem muitas coisas boas a oferecer para quem tem a ousadia de buscar”. Reajamos, portanto a cada situação, a cada problema, e busquemos novas soluções para antigos problemas, ao invés de ficarmos aprisionados aos medos do passado.

Muitas vezes pensamos que não temos forças; é por que pensamos que não a temos. Mas ela está lá, só esperando o nosso chamado, e por não a conhecê-la; a deixamos de lado. Mas, quem a busca, descobre o próprio poder e a sua própria capacidade, derrotando assim todos os medos e receios, tornando-se um vencedor. Mas, a nossa maior dificuldade estar em não acreditarmos que temos capacidade. Mudemos. Sejamos otimistas e venceremos; confiar em si mesmo é acreditar que se é capaz de realizar e conseguir os seus objetivos, e essa força nos impulsionará a buscar sempre a vencer qualquer empecilho.

 



* * *




topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual