Espiritualidade e Sociedade





Teresa Cristina Soares

>    E a Vida Continua

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Teresa Cristina Soares
>    E a Vida Continua

 

 

Ninguém se destrói ante a morte. A vida é imortal. O nosso corpo é roupagem gasta em transformação. Quando preenche a sua finalidade para a qual foi gerado; o espírito que nele habita: Liberta-se. Pois, é justo que liberte o espírito que lhe sofre o comprometimento e o desgaste. A verdadeira vida é a do espírito, ilimitado. Enquanto a do corpo (matéria) se assinala pela sua transitoriedade, com limites e possibilidades, cujo objetivo é crescer e evoluir. Muitas pessoas consideram a “morte” como uma verdadeira desgraça, quando na realidade, morrer, não é finar-se ou consumir-se, mas libertar-se deste envoltório chamado: Corpo.

O ser deste pequeno é preparado para conviver no mundo, mas ninguém o prepara para enfrentar a “morte”, pois acham que este momento nunca chegará, e se enganam; porque ela não tem tempo, nem hora, nem local para chegar, porque é imprevista, e ninguém pode dizer ao certo quando será. Cabendo à Doutrina Espírita, a preparação do ser para as circunstâncias nem sempre agradáveis na vida das pessoas. Mostrando-lhes o caminho redentor da conformação, ensinando-lhe que cada um é o construtor do seu próprio destino, recebendo conforme produziu, conscientizando-o para as responsabilidades decorrentes dos seus atos.

É por isso que Joanna de Ângelis nos diz: “A dor e o agravo, a angustia e o desespero, são vigorosas terapêuticas da vida para que o enfermo espiritual inveterado se preocupe com a cura real e se volte em definitivo para os elevados objetivos da vida maior, em cujo rumo se encontra desde agora, lá chegando quando a desencarnação o despir da transitória indumentária em que marcha tentando a felicidade que só mais tarde alcançará após resgatados os compromissos atrasados”.

Muitos pensando que a morte é o fim de tudo, não sabem que ela não apaga a memória, assim como também tudo o que o ser registrou na vida, como: as experiências, as lembranças, os atos e as ações; antes a aguça, facultando a lucidez. Desvelando assim todo o mistério, enigmas e causas ocultas, que antes pareciam inexplicáveis e ininteligíveis, mas com o conhecimento da vida espiritual tudo se define.

Muitos com medo de morrer, preferem continuar presos a este presídio de dor e sofrimento, ao invés de lograrem a liberdade de seus espíritos, quando soa a hora da partida. É quando vemos que não estamos preparados para enfrentá-la. Porque nos falta o cultivo da prece, a conversação edificante com o alto, o exercício da meditação e da reflexão dos atos praticados na vida, assim como também das boas ações. Se assim ocorresse, nos sentiríamos mais fortalecidos; energias novas vitalizariam e envolveriam o nosso ser, dando e trazendo a paz que nessa hora tanto necessitamos, assim como aos nossos familiares, para podermos seguir tranqüilos.

“Não se turbe o vosso coração. – Credes em Deus, crede também em mim. Há muitas moradas na casa de meu Pai; se assim não fosse, já eu vo-lo teria dito, pois vou preparar-vos lugar”.
(Jo 14.1-2).

“Assim, recorda os teus mortos, com alegria e ternura, mesmo que isto te pareça paradoxal”.
(Joanna de Ângelis)

Cada ser recebeu de Deus uma arma que se chama: Liberdade. Sabei usá-la.

 

* * *

 

 

 

Fonte: Publicado 23/05/2010 www.jc.com.br/cidades

 

 



topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual