Espiritualidade e Sociedade



Marta Antunes Moura

>   Paz e discórdia

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Marta Antunes Moura
>   Paz e discórdia

 

 

Na atualidade essa passagem evangélica ainda é motivo de controvérsias religiosas, sendo às vezes utilizada para justificar atos contrários à moral ensinada e exemplificada pelo Cristo. Nada mais justo, portanto, do que buscar esclarecimentos que auxiliem a correta interpretação do simbolismo "espada", presente no texto de Mateus. Armando-se de prudência, o interpretador não se deixa sucumbir pelo jugo da letra, apoiando-se no lembrete de Paulo de Tarso: "Pois a letra mata, mas o Espírito comunica a vida" (2 Coríntios, 3:6).

Nessas condições, é possível extrair a essência do verdadeiro significado da mensagem cristã, livrando-a de adulterações de qualquer natureza. Deve-se levar em conta que a interpretação simbólica de textos religiosos, independentemente da religião, exige ponderação e discernimento por parte do estudioso, estando este consciente dos prejuízos que uma análise superficial ou apressada pode resultar para o adepto.

Em termos históricos, a palavra símbolo vincula-se a outras:

[...] alegoria, atributo, metáfora, parábola, emblema, arquétipo, sinal de sorte, hieróglifos, sinais elementares.Cada um desses conceitos pode fazer parte de uma área de estudo multidisciplinar. (3)

Na verdade, a interpretação dos símbolos remonta às tradições muito antigas, fazendo parte do programa desenvolvido nas escolas iniciáticas e nas sociedades secretas. De acordo com Udo Becker,

[...] Na origem da palavra símbolo encontra-se o verbo grego symballein, que significa reunir, juntar. O substantivo correspondente é symbolon. A palavra "symbolon" é encontrada pela primeira vez no Egito antigo num selo de chumbo do tipo dos que se usavam na Antiguidade como uma espécie de marca de identidade, confeccionado de diferentes materiais – chamados tesserae em latim. [...] Mas ao mesmo tempo o verbo symballein passou a ser usado em expressões que descreviam a ideia de reunir, de ocultar ou encobrir. Portanto, o sinal transformado em símbolo encobria, dissimulava o sentido aberto do que era representado ou de uma expressão: quem não era iniciado não podia mais entender a expressão assim oculta. (3)

Por outro lado, era uso corrente o vocábulo symbolum, exclusivamente utilizado pelos religiosos, para indicar "[...] os artigos de fé de uma comunidade religiosa resumidos em poucas afirmações fundamentais, com o qual sempre estava associado algo misterioso, um arcano".(3) Contudo, com o passar do tempo, e dentro do contexto cultural, o símbolo passou a ser identificado como algo evocativo, místico ou mágico, um meio que permite expressar conteúdos mentais: ideias, crenças, sentimentos, vontade, estado de espírito etc.

Em consequência, qualquer interpretação simbólica, no presente, exige um certo grau de maturidade espiritual e conhecimento especializado, sobretudo porque, diante de "[...] um número incontável de símbolos ou sinais simbólicos, toda seleção será sempre uma seleção pessoal, consciente ou inconscientemente feita pelo autor".
(3)

Retornando ao texto evangélico, citado no início do artigo, é oportuno inserir a seguinte interpretação de Emmanuel, relativa ao aludido versículo do Evangelho – "Não penseis que vim trazer paz sobre a terra. Não vim trazer paz, mas espada":

Inúmeros leitores do Evangelho perturbam-se ante essas afirmativas do Mestre Divino, porquanto o conceito de paz, entre os homens, desde muitos séculos foi visceralmente viciado. Na expressão comum, ter paz significa haver atingido garantias exteriores, dentro das quais possa o corpo vegetar sem cuidados, rodeando-se o homem de servidores, apodrecendo na ociosidade e ausentando-se dos movimentos da vida. Jesus não poderia endossar tranquilidade desse jaez [...]. (4)

Entretanto, o que dizem os orientadores espirituais sobre o simbolismo "espada", inserido na citação evangélica? Emmanuel elucida com sabedoria, a respeito:

[...] em contraposição ao falso princípio estabelecido no mundo, [Jesus] trouxe consigo a luta regeneradora, a espada simbólica do conhecimento interior pela revelação divina, a fim de que o homem inicie a batalha do aperfeiçoamento em si mesmo. O Mestre veio instalar o combate da redenção sobre a Terra. Desde o seu ensinamento primeiro, foi formada a frente da batalha sem sangue, destinada à iluminação do caminho humano. E Ele mesmo foi o primeiro a inaugurar o testemunho pelos sacrifícios supremos. (4)

A interpretação literal dessa lição evangélica é estímulo à discórdia e às lutas fraticidas, sempre geradoras de tragédias e sofrimento. A medida de equilíbrio que se aplica é, então, avaliar: a) que tipo de paz buscamos, a da vaidade humana ou a do Cristo? b) Que instrumentos devemos utilizar para obtê-la?

Por meio de uma reflexão séria e honesta, fica mais fácil perceber que

É indispensável não confundir a paz do mundo com a paz do Cristo. A calma do plano inferior pode não passar de estacionamento. A serenidade das esferas mais altas significa trabalho divino, a caminho da Luz Imortal. O mundo consegue proporcionar muitos acordos e arranjos nesse terreno, mas somente o Senhor pode outorgar ao espírito a paz verdadeira. (5)

Resta-nos, pois, ficar atentos às ponderaçoes do Benfeitor:

Há muitos ímpios, caluniadores, criminosos e indiferentes que desfrutam a paz do mundo. [...]
Não te esqueças, contudo, de que a paz do mundo pode ser, muitas vezes, o sono enfermiço da alma. Busca, desse modo, aquela paz do Senhor, paz que excede o entendimento, por nascida e cultivada, portas adentro do espírito, no campo da consciência e no santuário do coração.
(5)

A espada simbólica anunciada pelo Cristo procura, à luz do Espiritismo, remover imperfeições morais manifestadas nos pensamentos, palavras e comportamentos dos indivíduos que ainda não conseguem abrir mão dos prazeres fictícios e transitórios da existência. Afirma Emmanuel:

Sim, na verdade o Cristo trouxe ao mundo a espada renovadora da guerra contra o mal, constituindo em si mesmo a divina fonte de repouso aos corações que se unem ao seu amor; esses, nas mais perigosas situações da Terra, encontram, nele, a serenidade inalterável. É que Jesus começou o combate de salvação para a Humanidade, representando, ao mesmo tempo, o sustentáculo da paz sublime para todos os homens bons e sinceros. (4)

 

 

Referências:
1 DIAS, Haroldo Dutra. (Tradutor.) O novo testamento. Brasília: EDICEI, 2010. p. 74.
2 BÍBLIA DE JERUSALÉM. (Tradutores diversos.)
3. reimp. São Paulo: PAULUS, 2004. p. 2019. 3 BECKER, Udo. Dicionário de símbolos. Trad. Edwino Royer. São Paulo: Paulus, 1990. Prefácio, p. 5.
4 XAVIER, Francisco C. Caminho, verdade e vida. Pelo Espírito Emmanuel. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 104, p. 223-224.
5 ______. Vinha de luz. Pelo Espírito Emmanuel. ed. esp. 1. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2011. Cap. 105, p. 225-226.



 

Fonte: http://www.febnet.org.br/reformadoronline/pagina/?id=241 - Em dia com o Espiritismo - Revista Reformador



topo

 

 

Leiam de Marta Antunes Moura
seta dupla verde claro direita  Como Neutralizar as Más Influências Espirituais
seta dupla verde claro direita  Cristo nasceu? Onde? Quando?
seta dupla verde claro direita  Paz e discórdia

seta dupla verde claro direita  O que é vida?

seta dupla verde claro direita  Os Simbolismos da Páscoa e o Espiritismo

 

 

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual