Espiritualidade e Sociedade



Milton Rubens Medran Moreira

>   O marasmo das boas intenções

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Milton Rubens Medran Moreira
>   O marasmo das boas intenções

 

Há uma questão em O Livro dos Espíritos, obra fundamental da filosofia espírita, em que Allan Kardec faz a seguinte indagação às entidades espirituais que entrevista:

- Por que os maus ainda dominam o mundo?

E os espíritos respondem assim:

- Porque eles são audaciosos. Os bons, embora mais numerosos, são tímidos. O dia em que estes quiserem e se organizarem, dominarão.

Particularmente, não tenho dúvida de que vivemos numa sociedade predominantemente constituída de gente boa, honesta e, acima de tudo, bem-intencionada. Tão bem-intencionada, que cada vez mais mostra sua capacidade de se indignar diante do mal. O que ainda ontem era tolerado ou até permitido por normas que existiam justamente para proteger os interesses dos poderosos hoje causa revolta e indignação na maioria.

Mas, segundo a sabedoria popular, de boas intenções o inferno está cheio. Vivemos, hoje, um tempo de muitas belíssimas intenções que, via de regra, conseguem, mesmo, se materializar em diplomas legais modelares. Há não muito tempo, imaginamos poder resolver todos os problemas da nação com uma nova Constituição. Os mais modernos direitos humanos e sociais foram arrolados numa Carta que é, convenhamos, uma primorosa declaração de boas intenções. A partir dela, se multiplicaram os diplomas legais protegendo os consumidores, a criança e o adolescente, os idosos, os deficientes, as minorias raciais etc. Formulamos também meticulosa lei de responsabilidade fiscal, buscando impor limites a administradores perdulários. Aprimoramos a lei eleitoral, visando a aperfeiçoar as eleições a cargos públicos.

Mas também há um ditado, normalmente expresso em castelhano, que diz: "Hecha la ley, hecha la trampa", ou seja, uma vez feita a lei, logo se buscam mecanismos para transgredi-la.

Aí é que entra o conceito formulado pelos interlocutores espirituais de Allan Kardec: os maus são audaciosos; os bons são tímidos. Dificilmente vão além das intenções.

Para uma sociedade funcionar é preciso bem mais que intenção. É necessária, em primeiro lugar, uma ética que nasça da alma e que ali seja cultivada e permanentemente impulsionada por uma educação voltada aos valores supremos do amor e da justiça, da ordem e da paz

E mais do que isso. É necessária a mobilização geral dos que cultivam verdadeira e intimamente esses valores. Uma mobilização solidária contra a injustiça e a corrupção, em favor de uma sociedade intrinsecamente ordeira e justa.

O grande problema é que isso exige renúncia pessoal. Enquanto a ética e a moralidade pública forem apenas bandeira política, meios para a conquista de espaços, sem que antes se as cultivem na intimidade do ser, esse objetivo não se concretiza.

É preciso, enfim, nos darmos conta de que, em cada ato de nossa vida, privada ou pública, temos o dever de sermos justos, independentemente da idéia de que isso vá ou não nos propiciar alguma vantagem. Só um sentimento assim, vindo da alma e sem nada pedir em troca, nos capacita à ação construtiva, arrancando-nos do marasmo das boas intenções.



*Milton Medran - Porto Alegre - Advogado e jornalista

(Artigo publicado na edição do jornal ZERO HORA de 18-07-2008, Porto Alegre/RS)

NOTA DO AUTOR

Amigos:

Tenho me sentido gratificado pela acolhida de artigos meus na grande imprensa. Ultimamente, o jornal Zero Hora, o mais importante do Rio Grande do Sul, assim como o Diário Gaúcho (o jornal popular do mesmo grupo) têm publicado quase que semanalmente uma colaboração minha.

Mas, fico particularmente feliz quando o artigo é acolhido, mesmo se ocupando explicitamente de um tema espírita (o que, até pouco tempo, era habitualmente recusado, nos espaços de opinião dos grandes jornais, sendo apenas publicados, quando o eram, nos espaços destinados "às religiões"). É o caso deste meu modesto trabalho que está em ZH de hoje. Ele foi originariamente publicado pela revista Harmonia, editado por nosso companheiro Marcelo Henrique, de Florianópolis. Ao receber a revista, sequer me recordava de havê-lo escrito. Achei que a temática é apropriadíssima para os dias de hoje, quando a Nação se vê perplexa diante de tantos casos de corrupção, e que, como espíritas, podemos dar uma valiosa e consistente contribuição à análise desses temas, a partir da filosofia kardequiana. Fiz no artigo original alguns retoques e o enviei ao jornal, ontem. Hoje mesmo ela já foi editado.

Os espaços de opinião dos grandes jornais e revistas, quero recordar, são excelentes instrumentos de formação de opinião e nós, espíritas, deveríamos nos valer mais deles para difundir nossas idéias.Mas, é sempre bom recordar, para serem publicados não podem ser escritos em tom confessional ou religioso.

Segue o artigo, extraído do site do jornal www.zerohora.com (edição impressa).

 

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2052714.xml&template=3898.dwt&edition=10290&section=101


topo