Espiritualidade e Sociedade




Fernando A. Moreira

>    A Fé, as Obras e a Bíblia

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Fernando A. Moreira
>    A Fé, as Obras e a Bíblia

 


Tu tens a fé e eu tenho as obras; mostre-me a tua fé sem as tuas obras, que eu com as minhas obras mostrar-te-ei a minha fé.” (Tiago 2, 24)

 

 

O Espiritismo nos destina a fé raciocinada, lastreada, portanto, pela razão, sendo ela extremamente dinâmica, nos fazendo obreiros do nosso progresso moral; esta é a verdadeira fé; a fé com obras; a fé que nos leva ao merecimento, pois “revela o seu objetivo, que consiste em conduzir a criatura ao Criador, mediante a lei incoercível da evolução”. (1)

É a fé que, como mola propulsora, nos impulsiona à reforma íntima e a nossa ascensão espiritual; nos irmana ao nosso próximo, luarizando a nossa evolução, por remeter-nos à reparação de nossas faltas e nos dando, por isso, força espiritual. “A fé é o emblema da perfeição e a insígnia do poder”,
(2) por isso carrega nela, “uma verdadeira força atrativa, de sorte que aquele que não a possui opõe a corrente fluídica uma força repulsiva, ou, pelo menos, uma força de inércia, que paralisa a ação...” (3)

A fé exerce assim o seu poder de cura, pois é a chave que abre a porta da casa construída pelo nosso merecimento, para que possamos ser beneficiados pelos fluidos da justiça divina; (ver figura) a fé nos eleva a Deus e O traz até nós, deixando-nos usufruir a Sua bondade infinita. Esta “graça”, no entanto, só acontece, quando existe este anelamento entre a nossa fé e o nosso merecimento.

 

A fé é força que irradia como energia operante e, por isso, consegue remover as montanhas das dificuldades, aplainar as arestas do conflito, minar as resistências que se opõem à marcha do progresso.” (4)

A fé cega, ao contrário, é estática e acaba estagnada no fanatismo; é a fé sem obras e “(...) que aproveitará, irmãos meus, a um que diz que tem fé se não tem obras? Acaso podê-lo-á salvar a fé? (...) a fé se não tiver obras é morta em si mesma.”
(Tiago 2, 17)

Obra, segundo a conotação bíblica, é o cumprimento dos nossos deveres morais e as boas obras têm mérito e serão recompensadas, porque, “a cada um será dado, segundo as suas obras.”
(Mateus 16, 27)

No Evangelho, no episódio da cura do servo do centurião romano
(Lucas: 7, 1-10), este tendo ouvido falar de Jesus, mandou suplicar por alguns anciãos judeus, que viesse curar o seu servo e eles se dirigindo a Jesus, imploraram seu concurso, dizendo: “É um homem que merece lhe faças esta graça, pois que ama o nosso povo e nos edificou uma sinagoga.” Supõe-se que eles sabiam que Jesus valorizava o merecimento e por isso, invocaram o argumento, e Ele o curou, e só o faria nestas primeiras circunstâncias.

Na parábola da mulher hemorroíssa, que padecia de hemorragia há doze anos,
(Marcos, 5, 21-43) esta veio-lhe da multidão e tocou-lhe a capa, na certeza inquebrantável de que ficaria sã e Jesus dirigindo-se a ela, assim se expressou: “Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz e fica curada do teu mal.”

Ainda no Evangelho, na parábola da cura dos dez leprosos,
(Lucas 17, 11-19) Jesus se dirigiu ao samaritano, único dos dez que havia retornado para, prostrado aos seus pés, render-lhe graças, pronunciando as seguintes palavras: “Levanta-te, vai, tua fé te salvou.”

Os outros nove haviam sido curados, mas só o samaritano estava, assim como a mulher hemorroíssa, salvo pela fé; “salvo sim porque ela fez desabrochar na alma do samaritano o valor, a alegria sã, a gratidão.”
(5)

Ao paralítico na piscina, depois de curado, Jesus disse: “Olha, já estás são; não peques mais, para que te não suceda alguma coisa pior.”
(João 5, 1-14)

Havia aí, pois, um condicionamento para a perpetuação daquela cura, que era o de não pecar mais, mantendo-se na prática das boas obras, para que não lhe sucedesse a recidiva, ou coisa pior.

Nós espíritas temos que ser, os obreiros do amor, em relação ao nosso próximo, amando-o como a nós mesmos e, portanto, também nos amando, como a ele mesmo; acreditar em Deus, acreditando em si mesmo, sendo “filhos legítimos da fé que pensa, da fé que desvenda a imortalidade, da fé que conduz a Deus.”
(6)

A fé é, assim, a luz da esperança; a esperança a dinamizadora da caridade, e a caridade a fonte da reforma íntima, só conseguida pela ação, espelhada na vivência dentro dos preceitos evangélicos. “A vida de Jesus constitui a obra programada pela fé.”
(7)

Não se pode questionar esta sincronização entre o amor, a fé e as obras, contra os argumentos na interpretação errônea dos textos bíblicos, muita vez com dolo, de que “só a fé salva e obras nada valem”.

Citaremos, na bibliografia, algumas referências de alguns destes mesmos textos, inclusive os selecionados no nosso trabalho,
(8) para que não paire qualquer dúvida, sobre o que neles foi dito.

Infelizes daqueles que usam a fé para crescer no materialismo”,
(9) porque, “Nem todos os que dizem: Senhor! Senhor!, entrarão no reino dos céus; aquele, porém, que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, esse entrará no reino dos céus.” (Mateus 7, 21)


BIBLIOGRAFIA

(1) VINÍCIUS. Na Seara do Mestre; 5ª ed.: FEB, 1985, pg 57.
(2) SCHUTEL, Caibar . Parábolas e Ensinos de Jesus: 13ª ed., SP: Casa Ed. “O Clarim”, 1993, pg. 261.
(3) SANTANNA, Ernani. Notações a um Aprendiz, RJ: FEB, 1991, pg. 39.
(4) FRANCO, Divaldo. Jesus e o Evangelho_ À Luz da Psicologia Profunda. Pelo Espírito Joanna de Angelis. 1ª ed., RJ: Liv. Esp. Alvorada. Ed., 2000, pg. 165.
(5) VINÍCIUS. Nas Pegadas do Mestre: 7ª ed., FEB, 1989, pg. 50.
(6) SCHUTEL, Caibar. “O C|LARIM”, Casa Ed. O Clarim, SP, maio, 2000, pg. 5.
(7) MAIA, João Nunes. Pelo Espírito MIRAMEZ. Cristos, 1ª ed., 1989, pg. 163.
(8) Gênesis (4, 7); Salmos (27, 4-5); Provérbios (11, 18); Eclesiástico (36, 18); Mateus (5, 12; 7,15-20; 10, 40-42; 16, 27; 25, 31-40; Lucas (7, 1-10; 17); João (3, 20); Romanos (2, 5-11); Coríntios (I; 13,3; II: 5, 10); Hebreus (6, 10); Tiago (2, 14-18; 2 ,24); Apocalipse (22, 12).
(9) GLASSER, Abel, pelo Espírito SCHUTEL, Caibar. Fundamentos da Reforma Íntima: 4ª ed., Casa Ed. O Clarim, 2000, pg. 84.


Fonte: http://www.ajornada.hpg.ig.com.br/colunistas/fernandomoreira/fernando-0006.htm
http://aeradoespirito.sites.uol.com.br/A_ERA_DO_ESPIRITO_-_Portal/ARTIGOS/ArtigosGRs/A_FE_AS_OBRAS_E_A_BLI.html

 


topo

 


Leiam outros de textos de Fernando A. Moreira

>  Aborto - Crime e Conseqüências
>  A Boa Nova: Depuração da Revelação Mosaica
>  A Casa do Perdão
>  Desencarnação; Processo de Transição
>  Espírito e DNA; Quem Atrai O Quê?
>  A fatalidade na interpretação Espírita
>  A Fé, as Obras e a Bíblia
>  Fisiologia da Alma
>  Intuição e Inspiração; Convergências e Divergências
>  Kardec e a Fidelidade Doutrinária
>  Reencarnação e Genética