Espiritualidade e Sociedade



Luiz Carlos Formiga

>    A Elevada missão da Ciência Espírita

Artigos, teses e publicações


Compartilhar

Luiz Carlos Formiga
>   A Elevada missão da Ciência Espírita


Conhecereis a verdade e ela vos fará livres, das lepras, do suicídio, das obsessões espirituais e da ignorância mediúnica.

A inteligência será rica de méritos, porque sob a condição de ser bem empregada.

Haverá responsabilidade na maturidade e conforto-prazer na realização da tarefa confiada. Não esperando receber nada em troca nos sentiremos úteis, o que nos bastará.

Moisés proibiu o intercâmbio entre “vivos e mortos”? O leitor poderá tirar conclusões examinando a Bíblia, em Deuteronômio capítulo 18 e Números 11.

Os espíritos são as almas dos homens que já deixaram a Terra. São “corações e mentes” que não estão à nossa disposição na hora que melhor nos convier. No entanto, pesquisadores que fizeram intercâmbio e se submeteram à observação criteriosa, disciplinada e, principalmente, sem intenções subalternas ficaram diante do fenômeno. Foram inúmeros fatos, que se repetiram para a colheita de dados estatísticos ao máximo.

Em 1869, o cientista William Crookes assistiu a uma sessão mediúnica com “raps”, levitação de corpos pesados e escrita direta. Na mesma época esteve presente a sessões onde houve a psicofonia. Em 1907 recebeu o Prêmio Nobel de Química.

Voltemos a 1870 para registrar que o cientista havia publicado “O Espiritualismo visto à luz da Moderna Ciência”. Nesse artigo lembramos o “conhecereis a verdade e ela vos libertará”, porque o Nobel de Química afirma que “o crescente emprego dos métodos científicos produzirá uma geração de observadores, que lançará o resíduo imprestável do Espiritualismo ao limbo desconhecido da magia e da necromancia”.

Na época, seus pares achavam que ele desvendaria uma farsa. Isso não aconteceu. O cientista examinou médiuns como Daniel D. Home, cujos efeitos físicos eram produzidos à luz clara, permitindo total controle. Diversos fenômenos foram catalogados como levitação; suspensão de corpos pesados; efeitos luminosos, materializações à luz do dia, transportes e outros.

Crookes considerou ser seu dever enviar os resultados à Royal Society, lançando o peso da sua reputação científica em apoio à verdade. Causou impacto. Além de Crookes, testemunharam outras pessoas de “notório saber e reputação ilibada”. Isso não o livrou de perseguições e injúrias.

Ele examinou também uma médium de nome Florence Eliza Cook.

Sua mediunidade havia surgido na infância.

Na adolescência, aconteceu com a médium em vigília a primeira materialização parcial do espírito Katie King. Posteriormente, com Florence em transe profundo, o espírito adquiriu autonomia e pode sair da cabine escura e deixar-se observar à luz do dia.

Pensando em fraude, um experimentador despreparado tentou imobilizar o espírito materializado, que se lhe escapuliu das mãos. Imediatamente verificaram que a médium estava na cabine. Encontraram-na ainda atada às amarras, com o lacre que a prendia à cadeira. Florence adoeceu, mas depois se ofereceu para quebrar no laboratório científico outras incredulidades.

Crookes durante três anos trabalhou com o espírito Katie, em materialização total. O espírito submeteu-se a medidas de pulsação, pesagem e fotografias. Katie, numa materialização tangível, se permitiu abraçar pelo pesquisador. Diante dos fatos, Crookes declarou: “Não digo que isso é possível; digo que é real!”

Realmente, a experimentação é o método ideal de aquisição de conhecimentos positivos. Nada como uma observação provocada, em condições controladas. Afinal, o fenômeno deve repetir-se tantas vezes quantas forem necessárias para a verificação do fato. A regra geral não é observada nas ciências sociais, nem podemos reproduzir à vontade os fenômenos astronômicos e meteorológicos.

O fornecimento de uma prova científica esbarra num número apreciável de hipóteses. Assim, é necessário depurar variáveis para chegar-se à hipótese mais provável, capaz de melhor explicar o fenômeno. Nasce a relatividade, porque a ciência é feita com o uso autoconsciente de nossas faculdades mentais e o homem não possui uma medida absoluta da verdade.

Podemos dizer que a ciência é um conjunto de declarações ou afirmações que são assumidas como verdades sobre a realidade.

O observador comanda as pesquisas físico-químicas até onde as energias podem ser controladas. Nessas pesquisas o objeto é passivo e nos apoiamos na experimentação ou na analogia.

No campo das ciências sócio-morais o cientista recolhe dados e usa a Estatística. Nesta, o observador deve ser passivo. Aguardará que o fato ocorra, para observar e analisar a reincidência dos fenômenos, no tempo e no espaço. Na Psicologia, na História, no Direito, na Sociologia, o objeto é o animal racional, o socius, a pessoa, a criatura divina, o espírito, no uso do livre-arbítrio.

Na Ciência que estuda a mediunidade encontramos dois socius: o encarnado e o desencarnado, agindo e reagindo, racionalmente. O médium e o espírito se interpenetram para o efeito da ação conjunta. O Espírita quando examina o fenômeno mediúnico e depois realiza as deduções e projeções do que foi observado estará “filosofando” e, ao manter a harmonia interior e a postura ética estará exercendo a “consequência moral” espírita.

Na Microbiologia Médica, por exemplo, temos os Postulados de Koch. Observação ao microscópio, isolamento microbiano em cultura pura, reprodução da doença em modelo animal e a recuperação da mesma bactéria a partir do animal doente. Esses postulados permitiram que o pesquisador confiasse nos resultados. A etiologia bacteriana da tuberculose era altamente provável e sua negação era improvável. Estava demonstrada a origem microbiana da Tuberculose.

A pesquisa experimental, em Espiritismo, exige uma série de procedimentos, tanto prévios quanto concomitantes e posteriores, como em qualquer área das ciências estabelecidas. Antes de pesquisar, o experimentador já escolheu o objeto a ser pesquisado. Um exemplo é a comprovação da existência da faculdade mediúnica de materialização na médium Florence.

Ao realizar suas observações, Allan Kardec estabeleceu como seu objeto o mundo espiritual, enquanto “lócus” de vivência do Espírito desencarnado, e sua interação dialética com o mundo material. Objeto extremamente ambicioso pela amplitude. O resultado foi “O Livro dos Espíritos”, uma filosofia espiritualista decorrente de um procedimento científico de observação controlada de fatos e análise do material dele derivado.

Como ponto fundamental, o pesquisador espírita deve ter claro que ele será um dos elementos essenciais da pesquisa e que não haverá condições para uma “neutralidade axiológica” absoluta, como nas “ciências exatas”. Pesquisador e objeto estarão indissoluvelmente comprometidos a nível energético. A começar pelo relacionamento psicológico e magnético com o médium, o qual poderá facilitar ou prejudicar o bom andamento das experiências.

Como os fenômenos estão ligados ao psiquismo do médium, e se produzem por seu intermédio, se ele sofrer um desequilíbrio emocional, sentir-se ferido em sua dignidade, o bom êxito da investigação estará fatalmente comprometido. Ao estabelecer os meios e as formas de controle, o pesquisador deverá fazê-lo de modo a evitar a fraude e o charlatanismo, mas levando em conta que o médium é um ser humano que deve merecer o devido respeito.

Na pesquisa mediúnica sempre se parte do fato para se chegar à teoria. Isto evitará ideias e teorias “pré-concebidas”. O experimentador que mantenha uma ideia fixa quanto à corroboração de uma teoria, a priori, irá interferir no processo.

Na Física existe a suspeita de que muitos resultados não são os que deveriam ocorrer naturalmente, mas fruto da maneira tendenciosa como a pesquisa foi conduzida.

Na investigação psíquica um fato indiscutível é que a mente do experimentador tem o poder de interferir e pode impor um resultado diverso do normal. Um grande número de experiências proporcionará massa crítica necessária para se determinar leis e princípios do fato estudado. Este foi o procedimento adotado por Allan Kardec.

Outro fator importante é a conduta moral do pesquisador. Nas ciências exatas o estado moral do cientista não tem a menor interferência no andamento da experiência. Respeitado o método requerido pelo estudo, um cientista ético e um canalha chegarão às mesmas conclusões. No estudo dos fenômenos psíquicos isso não ocorre. É necessário criar um clima de serenidade, recolhimento e pensamentos nobres, para que funcione a lei de afinidade psíquica, atraindo para colaborar com as experiências entidades honestas e confiáveis.

Cremos que mais uma vez devemos lembrar a posição de Moisés em Números, Cap XI, v.16 -39, com ênfase no v. 26. Ainda hoje a melhor referência bibliográfica sobre esse assunto é “O Livro dos Médiuns”.

Como pesquisar o fenômeno “Jesus”?

O máximo que conseguimos foi discutir a morte na crucificação. (*)

Por ser espírito superior, o Mestre tinha um estilo de vida que estava além do limite de tempo e espaço. Poucos foram aqueles puderam se aproximar deste nível do existir.

Ele proclamava que sua vida estava além dos limites do tempo e do espaço, mas a nossa ciência trabalha dentro dos intervalos do tempo. Como estudar fenômenos que estão além desses limites?

“Como homem, Jesus tinha a organização dos seres carnais; porém, como Espírito puro, desprendido da matéria, havia de viver mais da vida espiritual, do que da vida corpora”.

A vida futura é o delineamento essencial de todo o ensinamento de Jesus. Sua trajetória revela para a Humanidade a certeza da vida espiritual aquela que aguarda a todos. O Reino que Ele nos trouxe deve ser erguido no Templo da Alma, na consciência do homem de Bem.

“Então Ele veio e disse que já era hora de seguir. Indicou o caminho tortuoso, mostrou as pedras e os espinhos. Mas quando viu que o medo assolava os nossos corações, nos fez olhar o sol atrás dos montes e disse: “confiem e vão”. Então viemos, porque ninguém resiste ao Seu chamado” (**).

 

(*) Bergeron, J.W. 2012. The crucifixion of Jesus. J. Forensic Leg Med., Apr. 19:113-116.

http://orebate-jorgehessen.blogspot.com.br/2015/04/jesus-tome-e-nos.html

(**) Chamado - Marielza Tiscate (com legenda)
https://www.youtube.com/watch?v=3K5iStyiE20&sns=em


topo

 

 

 

Leia também outros artigos do Professor Luiz Formiga:


->  Alteridade - Termômetro
->  Anencéfalos, argumentos de ministros e "O Livro dos Espíritos"
->  Anomalias fetais: abortar?
->  Apego ao cargo - O poder neurótico
->  Borboletas na janela - texto conta a história de Helen Keller e discute preconceitos comuns
->  Casamentos, ricos e pobres de Espírito
->  Chorão e Retroalimentação
->  A Ciência do espírito
->  As Ciências Biomédicas, os Doutores, o Espiritismo e os Cegos de Nascença
->  Cirurgias, Materializações e Micróbios, Diferentes
->  O Cirurgião e a Doença da Negação
->  Contraceptivo - Titânio para prevenir aborto criminoso
->  Dano e dor sem nome
->  Dependência química - 1,3 bilhão de pessoas são dependentes do tabaco
->  Deus me livre!
->  Diante da Adversidade... A Melhor Defesa
->  Dignidade para a mulher - É necessário restabelecer a igualdade entre cidadãos
->  Discutindo a Sexualidade
->  Drogas. O exemplo Arrasta
->  Drogas e Espiritualidade - instituições religiosas e dependência química
->  Drogas. “Quase Viúva”
->  Ecologia da alma
->  Educação na idade dourada
->  Eleição? Antes de Votar pergunte ao Candidato Sobre o Aborto  
->  A Elevada missão da Ciência Espírita
->  Encadernação Vermelha, Bioquímica, Finados e Aborto
->  Ensino, Pesquisa e Ética na Microbiologia Médica
->  Escala de Valores, Cura e Prevenção
->  Espíritas e Voluntariado
->  Estudo das Células-tronco - Abordagem científica, jurídica e espírita
->  Ética, Sociedade e Terceiro Milênio
->  Evangelização Espírita e a "Febre das Almas Gêmeas"
->  EXU
->  Fatalidade
->  O Homem, a Mulher e as Linhas Paralelas
->  Incentivar a pesquisa: Universidades brasileiras negligenciam a pesquisa
->  Mainha tinha razão
->  Máscara de Sanidade. Transtorno da Personalidade Antissocial
->  Médicos, Médiuns “de Bem” e o Aborto
->  Médium: “Cuidado Perigo!”
->  A Mulher do "Próximo" - dos delitos e das penas
->  “Não Vai Ter Copo!”
->  O que espero de meus médicos: Idéias para uma "Declaração de Direitos do Paciente Terminal
->  O Poder das Palavras, no Princípio era o Verbo
->  A política do aborto: O que se quer é “desumanizar” o embrião
->  Preconceito, Exclusão, Espíritas, Umbandistas e Ciganos
->  Queria ter um filho assim!
->  Razões da Dor - Os Espíritas e o STF diante dos Fetos Anencéfalos
->  Recebendo a visita de um morto, a cujo funeral compareceu
->  Sexo - Artigo de Compra e Venda
->  Somatização das Doenças
->  O Sonho de Nieta e o Pesadelo de Teresa
->  Suicídio e aborto de anencéfalos
->  Talento extraordinário
->  Tendências Reveladoras
->  Tons de Cinza
->  Umbanda e Candomblé: Torres Gêmeas Afro-brasileiras
->  Um "centro de referência" na UERJ: prevenindo demandas judiciais - Responsabilidade civil x erros de diagnóstico bacteriológico
->  Universidade e Suicídio - Discutindo Arquitetura e Prevenção
->  Vacinação desafio de urgência
->  Vida, Esperança e Fé, para Não Espíritas
->  A Visão Espírita dos sonhos
->  O Zigoto no banco dos réus: Visão espírita das pesquisas que usam células-tronco

Formiga, Luiz Carlos D. & Formiga, André Luiz B.
->  Direito à Saúde: a Constituição brasileira assegura o direito à saúde
->  Universidade da Alma. Cidade Universitária do Espírito

Formiga, Luiz Carlos D. & Formiga, Lívia B.
->  Há sempre um amanhã

Formiga, Luiz Carlos D. & Formiga, Sonia B.
->  Jesus, Tomé e Nós

 

>
topo