Alexandre Fontes da Fonseca

>    Duplo etérico: conceito espírita ou não?

Artigos, teses e publicações

Compartilhar
Alexandre Fontes da Fonseca
>    Duplo etérico: conceito espírita ou não?

O conceito de duplo etérico é controverso no meio espírita. Ele aparece em obras de autores respeitados como André Luiz, além de outros. Porém, “duplo etérico” não é um conceito espírita, isto é, não foi definido por Kardec ou os Espíritos. Na verdade, “duplo etérico” é um conceito esotérico. Ele é chamado de “Linga Sharira” e significa “na teosofia, o 3º princípio na constituição setenária do homem, que é levemente mais etéreo que o corpo físico (sthula sharira). Segundo a Teosofia, ele permeia todo o corpo humano, sendo um molde de todos os órgãos, artérias, e nervos”.[1] É fácil encontrar na internet definições, funções e interpretações diversas (e supostamente espíritas) para o duplo etérico. Ora se diz que o duplo etérico é um tipo de filtro de energias ou fluidos; ora se diz que ele é o perispírito do encarnado que contém fluido vital; ora se diz que é um corpo vital (outro termo não definido pelo Espiritismo); ou, ainda, que represente ou se manifeste através da aura; que ele é responsável pela vitalização da matéria; que é responsável por administrar as energias vitais etc. Um problema sério com essas definições é que elas são divulgadas como se fossem conceitos científicos, avançados e modernos quando, na verdade, carecem de base tanto científica quanto espírita, e demonstram desconhecimento a respeito da natureza dos fluidos. Por exemplo, o que são energias vitais para se afirmar que existe um corpo espiritual que administra essas energias? Ou o que seria um corpo vital? Há quem diga que André Luiz afirma que o duplo etérico é o corpo vital. Mas se não sabemos ainda o que é, de fato, o duplo etérico, qualquer definição desse tipo se torna vazia e redundante.

Na Doutrina Espírita, o termo “duplo etérico” aparece uma única vez n’O Livro dos Médiuns (LM).[2] Ao analisar a visão que uma senhora teve de um senhor que a visitou durante o período em que estava enferma e, em particular, buscando compreender a descrição que ela fez do senhor que, na visão, portava uma caixa de rapé (item 116 do LM), Kardec supõe (item 126 do LM) que “possivelmente, aos corpos inertes da Terra correspondem outros, análogos, porém etéreos, no mundo invisível; de que a matéria condensada, que forma os objetos, pode ter uma parte quintessenciada, que nos escapa aos sentidos”. Com o fito de desvendar essa questão e os mecanismos de outros fenômenos de efeitos físicos, como a escrita direta, Kardec apresenta uma série de questões ao Espírito São Luís (item 128 do LM). Em particular, na questão 4 do item 128 do capítulo VIII do LM, Kardec usa o termo “duplo etérico” da seguinte forma:

4ª Dar-se-á que a matéria inerte se desdobre? Ou que haja no mundo invisível uma matéria essencial, capaz de tomar a forma dos objetos que vemos? Numa palavra, terão estes um duplo etéreo no mundo invisível como os homens são nele representados pelos Espíritos?

Não é assim que as coisas se passam. Sobre os elementos materiais disseminados por todos os pontos do espaço, na vossa atmosfera, têm os Espíritos um poder que estais longe de suspeitar. Podem, pois, eles concentrar à sua vontade esses elementos e dar-lhes a forma aparente que corresponda à dos objetos materiais.” (Grifos em negrito, meus.)

Da forma como Kardec faz a pergunta, é fácil perceber que ele considerava o conceito de “duplo etérico”, como a simples existência de um segundo corpo de natureza fluídica, assim “como os homens são nele representados pelos Espíritos”. A ideia do homem ser uma criatura que possui dois corpos (físico e perispírito) e, por isso, duplo, pode ser verificada nas seguintes palavras de Kardec na Revista Espírita de 1864 [3]:

Quando a alma está unida ao corpo durante a vida, tem um envoltório duplo: um pesado, grosseiro e destrutível, que é o corpo; outro fluídico, leve e indestrutível, chamado perispírito. O perispírito é o laço que une a alma ao corpo; é por seu intermédio que a alma faz o corpo agir e percebe as sensações experimentadas pelo corpo. (Grifos em negrito, meus.)

Ou seja, no máximo, o conceito de “duplo etérico” no Espiritismo é o de o homem possuir dois corpos: o físico e o perispírito.

O problema em torno do termo e do conceito de “duplo etérico” é sua propagação livre em livros, artigos e palestras espíritas, como se fosse um conceito espírita. Não que seja proibido pensar ou se expressar da forma que bem entende, mas há sempre responsabilidade com relação ao que os nossos leitores e ouvintes aprendem de nós. Infelizmente, várias referências apresentam o “duplo etérico” como um conceito avançado de natureza científica, citando referências como as obras de André Luiz, como argumento de autoridade. Para o leigo, argumentos como esse parecem ser fortes o bastante para introduzir um novo termo ao linguajar espírita. Porém, por recomendar que nossa fé seja sempre raciocinada, que nossa crença seja sempre baseada no entendimento, termos e novidades de outras religiões e filosofias só devem ser utilizados em estudos que os expliquem em termos espíritas. Isso é, exatamente, o que os Espíritos disseram a Kardec na resposta à questão 628 d’O Livro dos Espíritos (LE) [4]:

“628. Por que a verdade não foi sempre posta ao alcance de toda gente?

Importa que cada coisa venha a seu tempo. A verdade é como a luz: o homem precisa habituar-se a ela, pouco a pouco; do contrário, fica deslumbrado. Jamais permitiu Deus que o homem recebesse comunicações tão completas e instrutivas como as que hoje lhe são dadas. Havia, como sabeis, na antiguidade alguns indivíduos possuidores do que eles próprios consideravam uma ciência sagrada e da qual faziam mistério para os que, aos seus olhos, eram tidos por profanos. Pelo que conheceis das leis que regem estes fenômenos, deveis compreender que esses indivíduos apenas recebiam algumas verdades esparsas, dentro de um conjunto equívoco e, na maioria dos casos, emblemático. Entretanto, para o estudioso, não há nenhum sistema antigo de filosofia, nenhuma tradição, nenhuma religião que seja desprezível, pois em tudo há germens de grandes verdades que, se bem pareçam contraditórias entre si, dispersas que se acham em meio de acessórios sem fundamento, facilmente coordenáveis se vos apresentam, graças à explicação que o Espiritismo dá de uma imensidade de coisas que até agora se vos afiguraram sem razão alguma e cuja realidade está hoje irrecusavelmente demonstrada. Não desprezeis, portanto, os objetos de estudo que esses materiais oferecem. Ricos eles são de tais objetos e podem contribuir grandemente para vossa instrução”.
(Grifos em negrito, meus.)

Se o Espiritismo fornece a explicação que torna os conhecimentos esotéricos verdades “facilmente coordenáveis”, então são os conceitos do Espiritismo é que devem ser utilizados para interpretar e compreender esses conceitos de outras doutrinas. Ao introduzir conceitos esotéricos no linguajar espírita, consciente ou não, o movimento espírita age de modo contrário ao que foi recomendado pelos Espíritos na questão 628 do LE. É como se o movimento espírita não apoiasse a Doutrina Espírita, já que valoriza mais as teorias e conceitos de outras doutrinas. É como se o movimento espírita considerasse esses conceitos como mais avançados do que o Espiritismo. Se alguém, de fato, acredita que o Espiritismo é incompleto e inadequado para descrever fenômenos espíritas, que deixe o Espiritismo e se afilie em doutrinas ou filosofias que achar melhor. Se somos espíritas, devemos utilizar os conceitos do Espiritismo. Se desejamos ser espíritas, devemos estudar e compreender com profundidade a Doutrina Espírita.

Mas como o Espiritismo explica o que dizem ser as funções do duplo etérico como filtro, vitalização da matéria etc.? O Espiritismo explica todas essas funções de modo simples e com termos próprios. A Doutrina Espírita define e ensina dois conceitos fundamentais nessa questão: princípio vital e fluido vital. O cap. IV da primeira parte do LE é dedicado ao tema “Princípio Vital”. Nesse capítulo, no comentário à questão 70 do LE, Kardec introduz o termo “fluido vital”. Podemos dizer que o princípio vital é o princípio que permite a animalização da matéria, enquanto que o fluido vital é a porção ou quantidade de uma das modificações do Fluido Universal que contém o princípio vital. Assim explica Kardec no item II da introdução do LE:

Princípio vital, o princípio da vida material e orgânica, qualquer que seja a fonte donde promane, princípio esse comum a todos os seres vivos, desde as plantas até o homem. Pois que pode haver vida com exclusão da faculdade de pensar, o princípio vital é uma propriedade da matéria, um efeito que se produz achando-se a matéria em dadas circunstâncias. Segundo outros, e esta é a ideia mais comum, ele reside em um fluido especial, universalmente espalhado e do qual cada ser absorve e assimila uma parcela durante a vida, tal como os corpos inertes absorvem a luz. Esse seria então o fluido vital que, na opinião de alguns, em nada difere do fluido elétrico animalizado, ao qual também se dão os nomes de fluido magnético, fluido nervoso etc.”. (Grifos em negrito, meus.)

Portanto, o Espiritismo apresenta os conceitos de princípio vital e fluido vital de modo coerente com seus conceitos de fluidos, de perispírito etc. Como não há na codificação nenhuma menção à estrutura do perispírito como sendo formada por vários corpos, não há definição alguma de expressões como “corpo vital”. Essas expressões são destituídas de significado dentro do contexto espírita.

Mas alguns poderiam perguntar se não poderia ser a “aura”, o que algumas pessoas chamam de “duplo etérico”. Aqui, novamente, a questão está sendo proposta sem um maior aprofundamento na Doutrina Espírita. Nas obras básicas e na Revista Espírita, Kardec não usou a palavra “aura”. Porém usou a expressão “atmosfera fluídica” ou “atmosfera individual” e a definiu da seguinte maneira no item 11 do capítulo intitulado “Manifestações dos Espíritos” em Obras Póstumas (OP) [5]:

“O perispírito não se acha encerrado nos limites do corpo, como numa caixa. Pela sua natureza fluídica, ele é expansível, irradia para o exterior e forma, em torno do corpo, uma espécie de atmosfera que o pensamento e a força da vontade podem dilatar mais ou menos. Daí se segue que pessoas há que, sem estarem em contato corporal, podem achar-se em contato pelos seus perispíritos e permutar a seu mau grado impressões e, algumas vezes, pensamentos, por meio da intuição”. (Grifos em negrito, meus.)

A definição acima coincide com o conceito de aura que conhecemos. No item 22 do mesmo capítulo e obra, Kardec diz:

“O perispírito das pessoas vivas goza das mesmas propriedades que o dos Espíritos. Como já foi dito, o daquelas não se acha confinado no corpo: irradia e forma em torno deste uma espécie de atmosfera fluídica”. (Grifos em negrito, meus.)

Aqui Kardec usa a expressão “atmosfera fluídica”. Mais adiante em OP, no capítulo intitulado “Introdução ao estudo da fotografia e da telegrafia do pensamento”, Kardec diz:

“Cada um de nós tem, pois, o seu fluido próprio, que o envolve e acompanha em todos os movimentos, como a atmosfera acompanha cada planeta. É muito variável a extensão da irradiação dessas atmosferas individuais. Achando-se o Espírito em estado de absoluto repouso, pode essa irradiação ficar circunscrita nos limites de alguns passos; mas, atuando à vontade, pode alcançar distâncias infinitas. A vontade como que dilata o fluido, do mesmo modo que o calor dilata os gases. As diferentes atmosferas individuais se entrecruzam e misturam, sem jamais se confundirem, exatamente como as ondas sonoras que se conservam distintas, ...” (Grifos em negrito, meus.)

Aqui, Kardec chama a aura de “atmosferas individuais” e não tem nada a ver com os conceitos de fluido vital. Vemos, portanto, que Kardec utilizou termos mais apropriados para os conceitos de fluido vital e irradiação de fluidos.

Percebemos, portanto, que o conceito de “duplo etérico” como uma camada ou corpo do perispírito não está presente na Doutrina Espírita. Cientificamente falando, não é correto fazer uso de termos de outras doutrinas, sem que haja justificativas plenamente coerentes com os critérios espíritas. Para quem respeitosamente acredita que o fato de um Autor respeitado como André Luiz ter usado o termo “duplo etérico”, seja razão suficiente para incorporar esse termo ao linguajar e conceitos espíritas, vejamos o comentário e o exemplo do próprio Allan Kardec na Revista Espírita de 1868 [6] sobre um conceito que ele acreditava como correto (e que hoje sabemos pela Ciência que estava errado), mas que ele preferiu não adotá-la na Doutrina Espírita por ser apenas uma opinião própria:

“A questão da geração espontânea está neste número. Para nós, pessoalmente, é uma convicção, e se a tivéssemos tratado numa obra comum, tê-la-íamos resolvido pela afirmativa; mas numa obra constitutiva da Doutrina Espírita, as opiniões individuais não podem fazer lei; não se baseando a Doutrina em probabilidades, não podíamos decidir uma questão de tal gravidade, apenas despontada, e que ainda está em litígio entre os especialistas. Afirmando a coisa sem restrição, teria sido comprometer a Doutrina prematuramente, o que jamais fazemos, mesmo para fazer prevalecerem as nossas simpatias”. (Grifos em negrito, meus.)

Como se vê nas palavras de Kardec acima, não se deve tomar opiniões ou descrições individuais de encarnados ou desencarnados com relação a conceitos que diferem do Espiritismo. Em Ciência, como sabemos, não é assim que o conhecimento progride. [7]

Por fim, há quem questione “por que confiar no Espiritismo, na forma como ele descreve os fenômenos espíritas (incluindo a relação entre fluido vital e o corpo físico)?" A confiança que nós espíritas podemos depositar no Espiritismo decorre do estudo da forma como Kardec obteve o conhecimento espírita. O Espiritismo é a única teoria conhecida na Humanidade que foi desenvolvida através do duplo caráter de uma revelação: divino e científico.[8] O Espiritismo não é fruto de opiniões isoladas de Kardec (como na citação acima), mas sim da observação, do estudo e da análise cuidadosa dos fenômenos espíritas, das mensagens e ensinamentos dos Espíritos e suas consequências. Kardec não formou a Doutrina a partir das primeiras mensagens, mas observou e testou, constantemente, durante sua vida, os conceitos apresentados pelos Espíritos. Em outras palavras, Kardec desenvolveu e aplicou um método científico apropriado para a investigação dos fenômenos espíritas, e teve na assistência constante dos bons Espíritos, a supervisão na preparação dos textos da Doutrina Espírita. Através desse esforço de observação e verificação dos conceitos observados ou ensinados pelos Espíritos, Kardec foi capaz de tornar um conjunto de crenças a respeito da vida após a morte em um verdadeiro conhecimento.[9] Por essas razões, os conceitos espíritas são muito mais confiáveis do que os de outras doutrinas esotéricas e mesmo daquelas que, superficialmente, se apresentam em nome de conceitos científicos como os da Física.

O movimento espírita deve ter notado que a Espiritualidade tem manifestado preocupação em nos orientar a pautar e valorizar nossos estudos pelo Espiritismo. Inúmeras mensagens, desde décadas, têm buscado incentivar o estudo e valorização do Espiritismo em nossas casas espíritas. Veja, por exemplo, trechos inteiros de mensagens de Bezerra e Camilo, pela mediunidade de Chico Xavier, Divaldo P. Franco e Raul Teixeira, transcritos na parte final do artigo intitulado “A Pureza Doutrinária e a Ciência”, publicado em O Consolador [7]. Aqui, encerramos o artigo com as seguintes palavras de Eurípedes Barsanulfo: [10]

“Continuamos convosco, renovando nossos mais sinceros votos de um trabalho fervoroso, comprometido, idealista, estudado, dissecado, meditado, instruído, amadurecido, balizado, abençoado e, sobretudo, incrustado em Allan Kardec!” (grifos em negrito, meus.)

Referências:

[1] Tirado do link da Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Linga_sharira.

[2] A. Kardec. O Livro dos Médiuns, Editora FEB, 62ª Edição, Rio de Janeiro (1996).

[3] A. Kardec. “Resumo da Lei dos Fenômenos Espíritas”. In: Revista Espírita Jornal de Estudos Psicológicos 4 (Abril), pp. 147-156 (1864); FEB: Tradução de Evandro Noleto Bezerra.

[4] A. Kardec. O Livro dos Espíritos. Editora FEB, 76ª Edição, Rio de Janeiro (1995).

[5] A. Kardec. Obras Póstumas. IDE, 1ª edição, Araras (1993).

[6] A. Kardec, “A Geração Espontânea e A Gênese”, In: Revista Espírita Jornal de Estudos Psicológicos 7 (Julho), pp. 285-293 (1868); FEB: Tradução de Evandro Noleto Bezerra.

[7] A. F. da Fonseca. “A Pureza Doutrinária e a Ciência”, O Consolador 319 (2013), link de acesso: http://www.oconsolador.com.br/ano7/319/especial.html.

[8] A. F. da Fonseca, “Espiritismo: único conhecimento humano que tem o duplo caráter de uma Revelação!”, O Consolador 209 (2011), link de acesso: http://www.oconsolador.com.br/ano5/209/alexandre_fonseca.html.

[9] A. F. da Fonseca. “Como o Espiritismo contribui para a Sociedade?”, Jornal de Estudos Espíritas 1, artigo número 010203 (2013). Link de acesso: https://sites.google.com/site/jeespiritas/volumes/Volume-1---2013/resumo---art-n-010203.

[10] Mensagem psicografada pelo médium Emanuel Cristiano na noite de 20/04/2014 no Centro Espírita “Allan Kardec” de Campinas/SP.


Fonte:

http://www.oconsolador.com.br/ano9/416/alexandre_fonseca.html



topo

 

Visitem também o Jornal de Estudos Espíritas (JEE), editado por Alexandre Fontes da Fonseca
       -   https://sites.google.com/site/jeespiritas

Leiam outros artigos de Alexandre Fontes da Fonseca

>  Aliança entre Ciência e Religião: Uma Contribuição da Matemática
>  Amai-vos e instruí-vos: estudando Ciência

>  Análise Científica da Teoria da Apometria
>  Análise de 'A Teoria Corpuscular do Espírito' e 'Psi quântico
>  Aniversário do Desencarne de Kardec: como comemorar?
>  A atualidade do termo “fluido” no Espiritismo
>  Caos, complexidade e a influência dos espíritos sobre os fenômenos da natureza
>  Carne: comer ou não comer? Eis a questão sob a luz da Doutrina Espírita
>  A Ciência em busca da verdadeira felicidade
>  Ciência e Espiritismo: um alerta de Allan Kardec e André Luiz
>  Controvérsias, contradições e polêmicas: um paralelo entre a Ciência e o Espiritismo
>  Chips em Cérebros: o que diz o Espiritismo
>  O Cientista, a pulga e Kardec
>  Como se ver livre da Obsessão?
>  Como o Espiritismo contribui para a Sociedade?
>  Considerações sobre a Ressonância "Shumann"
>  Cura Quântica
>  Curas: pomadas e cremes de origem mediúnica sob a luz do Espiritismo
>  Das Simetrias da Natureza às leis Morais
>  Duplo etérico: conceito espírita ou não?
>  É correto falar magnetismo?
>  Em Busca dos Mecanismos da Mediunidade
>  Estaria o Espiritismo ultrapassado?... Ou muito na frente?
>  O Espiritismo e a Universidade: condições necessárias mas não suficientes
>  Explicando conceitos espíritas em Mecanismos da Mediunidade parte I: analogia com raios gama
>  Explicando conceitos espíritas em Mecanismos da Mediunidade parte II: analogia com circuitos elétricos
>  Evocação no Movimento Espírita: quem disse que não há?
>  A Fábula dos Três Porquinhos e o Estudo do Espiritismo
>  Fé Raciocinada: Segundo Jesus, a Maior Fé!
>  Fenômeno de transporte: Bozzano, Zöllner, a Física e o Espiritismo
>  Física Quântica e Espiritismo : Um Alerta!
>  O Fluido Cósmico Universal e as Teorias Cosmológicas
>  O Genoma Humano e a Identidade do Espírito
>  O homem que questionou Jesus
>  Homenagem aos 156 anos (1857-2013) do Espiritismo: uma análise matemática do Controle Universal do Ensino dos Espíritos
>  A Importância do "Instruí-vos"
>  O “insight” pertence ao cérebro ou ao Espírito?
>  Jogo do Ultimato e o Progresso da Humanidade
>  Magnetismo ou Espiritismo? Parte I: A excelência teórica do Espiritismo
>  Magnetismo ou Espiritismo? Parte II: Reflexões em torno da palavra magnetismo no movimento espírita
>  Matéria e Energia Escura: não são o Fluido Universal
>  "Mensagem" dos Cristais de Água: Cientificamente NÃO Comprovado
>  A obra "A Física da Alma" e o Espiritismo
>  Opinião do espírita no movimento espírita
>  Parábola do Semeador: Revisitando Reflexões sobre o “Semeador”
>  O Pensamento é matéria? É quântico?
>  Permanentes Mudanças e Permanência
>  Pesquisa Espírita e Espiritualista
>  A Pureza Doutrinária e a Ciência
>  O que é Apometria e diferenças entre ela e o Espiritismo
>  O que é que o Espiritismo tem... que os outros não tem?
>  O que seria Pureza Doutrinária segundo o Espiritismo?
>  Sobre Caboclos e Pretos Velhos
>  A Transmissão do Pensamento é um Fenômeno Não-Local?
>  Um ensaio sobre matéria e energia
>  Uma análise científica de algumas afirmações de A Grande Síntese, de Pietro Ubaldi
>  Viagem no tempo: uma restrição espírita

Curso de Ciência e Espiritismo :
>   1 - Introdução e Conceito de Ciência
>   2 - O Método científico e um pouco mais sobre ciência
>   3 - A Ciência Espírita e a divulgação dos trabalhos científicos
>   4 - Tópicos de pesquisa multidisciplinar entre algumas Ciências e o Espiritismo - O método de análise por pares
>  5 - Contribuições da Matemática : Periódicos espíritas
>  6 - Física e Espiritismo I : propriedades da matéria - A diferença entre livros e artigos
>  7 - Física e Espiritismo II : energia e matéria. Referências científicas na pesquisa espírita
>  8 - Física e Espiritismo III : Análise dos Fenômenos Espíritas. Exemplos de pesquisas com valor científico
>  9 - Física e Espiritismo IV : Fenômenos espíritas: Clássicos ou quânticos?
>  10 - Física e Espiritismo V : Deus, Espírito e Função de onda
>  11 - Comprovação científica versus característica científica
>  12 - Física e Espiritismo : considerações finais
>  13 - O Espiritismo e a Universidade
>  14 - O que é um Projeto de Pesquisa ?
>  15 - Exemplo de Projeto de Pesquisa Espírita
>  16 - O Estudo e a orientação no trabalho de pesquisa espírita
>  17 - O Laboratório da Pesquisa Espírita
>  18 - Conclusões Finais

> Curso de Ciência e Espiritismo - texto completo em word

Artigos com co-autoria:

Alexandre Fontes da Fonseca; Ademir Xavier Jr.,
> Um Diálogo Fraterno sobre Ciência & Espiritismo

Alexandre Fontes da Fonseca; Alvaro Vannucci
> Embriões congelados: espíritos ligados por até 12 Anos

Alexandre Fontes da Fonseca; Antonio Cunha Leite Lacerda; CristianoTorchi
> Reflexões Críticas sobre o Perispírito e sua Influência na Formação e Manutenção do Corpo Físico

Alexandre Fontes da Fonseca; Leonardo Marmo Moreira
>    As Barreiras vibratórias e suas consequências para a programação reencarnatória
>    Reencarnação e suas evidências científicas: trabalhos acadêmicos de Erlendur Haraldsson e correlações doutrinárias



topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual