Espiritualidade e Sociedade




Marco Biagini

>  Mind and brain: A scientific discussion leading to the existence of the soul
(Mente e cérebro: uma discussão científica que leva à existência da alma)

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Marco Biagini - Ph.D. in Solid State Physics
>   Mind and brain: A scientific discussion leading to the existence of the soul

 

 

Introduction

Certainly the problem of consciousness has been widely discussed in philosophy. Since the aim of this article is to discuss the subject of consciousness from a scientific point of view, I will not dwell upon the different definitions and conceptions adopted by philosophers. I limit myself to define consciousness or psychical life as our capacity to feel sensations, emotions, thoughts etc. I will use the word "intelligence" because today this word is often combined to the concept of artificial intelligence, which does not imply and kind of consciousness. Science, contrary to philosophy, is always based on the observation of phenomena; the possibility of an experimental check is basically what distinguishes a scientific theory from a philosophical idea. Consciousness is a directly observable phenomenon, of which we have then a full experimental evidence (indeed, it represents the foundations of every other experimental observation, since if we were not conscious, we could observe no phenomena); the phenomenon "consciousness" deserves then to be analysed from a scientific viewpoint.


What is the brain?

Now we know that our brain is only a set of particles, such as electrons and protons, interacting through the electromagnetic field. Every biological process is due only to the chemical reactions, which in their turn, are due only to the electromagnetic interaction among the electrons and the protons of the atoms forming our organism. Every neuron and every cell are nothing but sets of electrons, protons and neutrons, in a given spatial arrangement; the electromagnetic interaction may in fact be attractive so that particles may attract one another and form certain geometrical arrangements in the space. The properties of every (including also DNA molecules) and every biological process are due only to the laws of physics; more precisely, since in our organism no nuclear reactions occur and gravitational forces are too weak to interfere with molecular processes, every biological process is due uniquely to the laws of quantum electrodynamics.

Science has proved that all chemical, biological and cerebral processes consist only in some successions of elementary physical processes, determined in their turn only by the laws of quantum mechanics. Such a view of biological processes does not allow to account for the existence of consciousness; so, materialism is incompatible with science. On the other hand, every materialistic attempt to explain the existence of consciousness implies that what suffers, loves, desires, feels etc. in us are objects such as electrons or electromagnetic fields. The point is that objects can feel nothing at all; objects cannot feel happiness, sadness, love, anger,self-awareness, etc. Science has proved that the equations of the electromagnetic field are universal; they describe the electromagnetic field within our brain as well as within a copper wire or an atom. There is no trace of consciousness, sensations, emotions, etc. in the equations of physics. These equations do not explain the existence of consciousness and our capacity to feel. If one hypothesizes that the electromagnetic fields are responsible of our sensations, emotions and thoughts, the only logical conclusion would be that also our television, our washing machine, etc. sometimes would be happy or depressed. In fact, from a scientific point of view there is no difference between the electromagnetic fields present in our brain and the ones present in those objects.

The claim that the electric impulses in our brain are or generate sensations and thoughts, is in contradiction with the laws of physics that consider equivalent all electric impulses, inside or outside our brain. In fact, an electric impulse is formed only by some electrons moving in a certain direction; according to the laws of physics, electrons are all equal and indistinguishable, and they are always moving in every material or electric circuits. To ascribe to the electrons in our brain the property to generate consciousness, and not to ascribe the same property to the electrons moving in a bulb, is in contradiction with quantum physics, which establishes that all electrons are equal and indistinguishable, that is they have all exactly the same properties.

Besides, the laws of physics establish that electric impulses generate only electromagnetic fields; so the materialistic hypothesis that the electric impulses in the brain generate sensations, emotions and thoughts is in striking contradiction with the laws of physics. The electromagnetic waves generated by the electric impulses in our brain are absolutely equivalent to the ones generated by any other electric impulses; such waves go out of our brain and travel in the external space at the velocity of light, as every electromagnetic wave.

The laws of physics establish which kind of processes occur in the physical reality; excluding nuclear and subnuclear reactions, that do not occur in biological systems, the only possible processes are the movement of particles and the exchange of energy among particles (collisions) or between a particle and the electromagnetic field (absorption and emission of photons). The only possible physical processes are determined by a mathematical operator called "Hamiltonian", which determines also the only possible kind of energy of the physical reality; in fact, the Hamiltonian is formed by the sum of a few terms, each determining a specific kind of energy, such as the kinetic energy of the electron or the energy of the photon. In order to have new processes or other kind of energy it is necessary to add some new term to the Hamiltonian; however, this would modify the equations of physics, and consequently it would change all their solutions (see the paragraph entitled "The laws of physics and History").

In conclusion, the laws of physics deny the basic hypothesis of materialism, according to which consciousness would be generated by cerebral processes. The laws of physics do not allow us to explain (neither conceptually ), the existence of consciousness; they allow to explain neither the existence of the most banal sensation.


Biological life does not imply consciousness

Science has proved that our brain is only a set of particles (that is an object), and that biological life consists uniquely in a succession of chemical reactions, which, in their turn, consist uniquely in physical processes (more precisely, in quantum-electromagnetic processes). On the other hand, consciousness transcends the laws of physics and cannot then be considered the product of biological and cerebral processes. This implies that our mind and our brain are not the same entity, but two different yet interacting entities. I use the word "psyche" to indicate this non-physical/non-biological element, necessarily present in man, that is man's component responsible of the existence of our consciousness and psychical life. Of course, other words could be used, such as mind, spirit or soul.

At this point, we should try to understand whether there is a scientific evidence of the existence of some sort of consciousness also in animals. Now we know that it is possible to simulate with a computer every feature of the behavior of animals, including their capacity to learn and their apparent capacity to recognize their image in a mirror. An adequate software can allow the computer to record input data, analyze them and give specific outputs; all these operations occur automatically, without any consciousness, any sensations, any emotions, any thoughts. For example a computer, connected to a camera, can analyse the external images; this occur automatically through some mathematical algorithms, and the computer has no visual sensations. This proves that the fact that a dog can distinguish a bone from a stick, does not imply that the dog has a visual sensation.

Therefore it is not possible to exclude from a scientific and rational point of view, that the life of animals is only a purely biological/chemical process without any kind of consciousness (neither sensations or emotions). In other words, science cannot exclude the possibility that the animal is only a biological robot, feeling nothing at all, which actions and reactions are uniquely determined by a chemical software implanted in its brain. It is also possible to explain those behaviors of animals, which are usually considered as an indication of emotions. For example, the dogs which, because of some genetic mutations, presented some affectionate behaviors, had a greater probability to be adopted by man, and consequently, to survive. It was sufficient that the animal presented those behaviors also towards only a member of the family (even not the one who gave it food) to be accepted by the family. It would be only a case of natural selection, even if unawares induced by man, who has programmed the behavior and the reactions of the dog. Since we have no way to observe directly the existence of any kind of consciousness in animals, and the hypothesis of existence of consciousness in animals is not necessary to explain the observable phenomena in animals, we can conclude that there is no experimental or scientific evidence of the existence of any kind of consciousness in animals, neither sensations or emotions.

The idea that animals have sensations and emotions is then only an arbitrary hypothesis, without any scientific or rational foundations. Such an hypothesis can be considered only a reminiscence of childhood, since all children tend to ascribe to animals thoughts, sensations and emotions. Besides, primitive peoples were used to anthropomorphize many natural elements; the sun, the moon, the mountains, animals, etc. During history man has then understood that natural phenomena occur automatically because of specific natural laws: man has understood that nature is only an object and not a person. The anthropomorfic concept of animals is then only the last residue of this inclination to anthropomorphize natural processes. Now the technological and scientific progress allow us to explain the behavior of animals without ascribing them any anthropomorphic features.


Cerebral activity and consciousness

I would like to point out that the fact that brain damages or drugs induce changes in our mental capacities simply proves the existence of an interaction between the brain and the psyche. By no means this can be considered a proof that the brain is the origin of consciousness and the capacity to feel sensations, emotions, thoughts, etc. If you have a problem in your eyes, your visual capacities would be altered, but this certainly does not mean that it is your eye which has the visual sensation; this simply proves that your eye has a preliminary role in the process of generation of the visual sensation. The eye is only an instrument used by the psyche to see, but the eye can see nothing at all and has no visual sensations. In the same way, the brain has only a preliminary role in the process of generation of sensations or emotions, and it can be considered an instrument used by the psyche. All neurological studies on brain only prove the existence of an interaction between psyche and brain. But the existence of this interaction is obvious; in fact, without this interaction, our psyche would be completely isolated from the external reality, and we could not interact with the external reality.

It must be stressed that the physical stimulus and the sensation we feel are two completely different phenomena. For example, the vibrations of the molecules of the air are not the sensation "sound" we feel; the molecules of the air hear nothing, and it would be absurd to say that the molecules of the air are an auditory sensation. The sensation "sound" exist only in the psychical reality, and not in the physical reality; the auditory sensation is generated only by the psyche and is the psychical elaboration of a physical stimulus. In the same way, the chemical reactions and the electric impulses which occur in our brain are not emotions, feelings, awareness; they are only physical stimuli. It is the our psyche who elaborates and translates these ordinary physical processes into emotions, feelings, etc.


The laws of physics and the other natural sciences

Now I would like to give some considerations about the reliability of our scientific knowledges. First of all I would like to explain the difference between a phenomenological theory and a first-principle theory. A phenomenological theory is only an approximated and simplified version of a first-principle theory, that represents the exact explanation of natural phenomena. Biology and neurology are examples of phenomenological theories, while physics is the only first-principle theory, from which all the other natural sciences derive. Of course, since first principle calculations are very lengthy and arduous, we need also simplified theories in order to treat more easily systems formed by many atoms.

The laws of physics have a general validity, but in their application to specific systems, it is possible to use simpler rules, specific for that kind of system; these rules are neither extraneous, nor independent from the laws of physics, but they are a direct consequence of the law of physics. A result of these phenomenological theories cannot be accepted if it results to be in contradiction with the laws of physics, which are the only true principles at the origin of the phenomenological theory. Only the laws of physics represent the first-principle explanation of the material reality, both inorganic and organic matter. Obviously, an approximated theory (such as biology and neurology) cannot be used to deny the exact theory from which the approximated theory derives.

All natural sciences are then subordinate to physics. We can also point out that all natural sciences (biology, neurology, etc.) use in their studies and in their microscopic analysis only instruments that have been designed uniquely on the basis of the laws of physics. The data studied and analysed by these natural sciences have sense only because the laws of physics assure the correct working of their instruments. If the laws of physics are questioned, all other natural sciences would immediately fall down to pieces, because all the microscopic data used by these sciences to support their theories, would lose any meaning. Therefore , no natural sciences can elaborate theories in contradiction with the laws of physics. This would mean to make all data to lose sense, data on which the phenomenological theories have been built; it is an obvious logical contradiction. The laws of physics are then the foundations of all natural sciences.

To understand better the relationship between Physics and the other natural sciences, consider the following example: to open a combination lock, we need know the combination. Even if we do not know the combination, and therefore we cannot open the lock, we already know what kind of process will occur when we find the combination. The laws of mechanics establish that the only kind of process we will get is the opening of the lock; the laws of mechanics establish that the combination will not make the lock begin to think, feel pain or pleasure, feel sadness or joy. Similarly, Quantum Electrodynamics establish that every biological process consists only in some successions of chemical reactions, which, in their turn, consist in successions of kinetic and electromagnetic processes, that is movement of particles, emission and absorption of photons. We do not know yet the exact successions of chemical reactions occurring in all biological processes, and biology has the task to discover these successions; however, exactly as in the case of the combination lock, the laws of physics establish that no successions of chemical reactions can generate consciousness, sensations, emotions or thoughts. Hence, a non-physical element (the soul) must exist as the source of our consciousness and our psychical life.


The laws of physics and history

The laws generating all chemical, biological, neurological processes are now perfectly known. Never before in history, science has been able to explain the principles by which all biological processes are originated. This represents a true turn in history. All that physics will discover in the future will have nothing to do with the biological processes in our organism, or any other organism. Even if there are still some things not perfectly known in astrophysics, these astrophysical process do not affect biological processes, which are due uniquely to the laws of quantum electrodynamics. There is then no reason to question the validity of the laws of physics in the explanation of biological or neurological processes.

The laws of physics consists of a system of mathematical equations. Their mathematical structure exclude the possibility that these equations can be modified; in fact, even a slight change in a mathematical equation would generates radical changes in all its solutions. We have already found billions and billions of correct solutions from the laws of physics; if we changed them, we would suddenly cast away all these correct solutions. On the other hand, every day we find a systematic experimental confirmation of the laws of physics on ever new systems. To hypothesize that the laws of physics are wrong would be equivalent to say that all these billions and billions of systematic and quantitative experimental confirmations are only a lucky coincidence. In these last decades, we have done many more experiments than in all history, but the laws of quantum electrodynamics, discovered in the beginning of last century, have never been changed. On the basis of the number of experimental tests, we can say that quantum electrodynamics is the oldest scientific theory in history.


First principle Calculations

Today we are able to do first-principle calculations for molecular systems formed by many atoms; this means that we can calculate the solutions of the equations of quantum physics also for macroscopic systems. The point is that we already know what KIND of information we can get from a first-principle calculation for every possible molecular system. In fact from the solution of the Schroedinger equation for a molecular system we know that we can obtain information such as charge distributions or energy spectra. By no means we can obtain consciousness, emotions, feelings, etc. These are not possible outputs of a first-principle calculation. Even if we had a supercomputer with the capacity to find the wave function for our brain, we could find from the wave function only properties such as charge density or energy spectra. We could not find consciousness from the wave function calculated with the super computer. In fact we already know what KIND of properties can be obtained from every possible wave function. We are already able to do first-principle calculations for many different molecular systems, but the kind of properties we can find from their wave functions does not depend on which molecular system we have studied, because they are general outputs of every first-principle calculation, and it is independent from the kind of atoms or the number of atoms of the system. If the psyche did not exist as a non-physical component of man, according to our scientific knowledges we should be only a sort of biological robots, without any consciousness and without feeling anything, which actions and reactions were due only to chemical reactions . All the neurological studies prove only the existence of an interaction between psyche and brain, but they reveal nothing about the nature of the psyche.


Conclusions

Materialism is incompatible with the scientific view of biological processes. Science has in fact proved that all chemical, biological and cerebral processes consist only in some successions of elementary physical processes, determined in their turn only by the laws of quantum mechanics. This view of biological processes does not allow (neither conceptually) to account for the existence of consciousness;nor it allows to account for the existence of the most banal sensation. This result acquires a very deep meaning if we analyse the state of our present scientific knowledges. First of all, all natural sciences are subordinate to the laws of physics, which represent the principles from which they derive and of which they are only approximative versions. Today in fact we know the laws which determine all molecular, electromagnetic, chemical, biological and neurological processes: they are the laws of Quantum Electrodynamics, the scientific laws which have received the most wide, general, systematic, numerous and precise experimental confirmations in all history. The laws of quantum electrodynamics are confirmed by such a huge number of experimental results that it would be absurd to question their validity in the explanation of molecular systems, and in particular, of biological systems.

On the other hand, the rigidity of the mathematical structure of quantum electrodynamics, makes absolutely unreasonable the hypothesis of a possible change of such laws, since this would have dramatic consequences on all the correct solutions we have presently obtained. This means that quantum electrodynamics can be considered the ultimate theory for the explanation of molecular processes, and, consequently, for the explanation of biological processes.

The laws of quantum electrodynamics can be considered the first principles which determine all molecular and biological processes. The point is that such principles give (at least conceptually) a mechanicistic explanation of all molecular and biological processes, but they do not allow to explain (neither conceptually ) the existence of consciousness. The laws of physics deny the basic hypothesis of materialism, according to which consciousness would be generated by biological or cerebral processes. Consciousness transcends the laws of physics, and therefore, the cause of the existence of consciousness cannot be identified with the brain; consciousness is necessarily originated by a non-physical/non-biological (that is, a supernatural) component: the psyche or soul. There are then two distinct realities; the physical reality, that is the universe, which has an intrinsic mathematical structure (the laws of physics) determining every physical, chemical and biological process; the psychical reality, which transcends such laws, and consequently, transcends the physical reality.

At this point we must consider the question: where does our psyche come from? The phenomenon of consciousness proves that, at a certain time, our psyche certainly begins to exist in us. The laws of physics prove that the psyche cannot be the product of physical, chemical or biological processes. Therefore, the origin of our psyche is transcendent to the physical reality. We can then identify with God the necessary Cause of the existence of the psyche, being such Cause transcendent. This represents a scientific confirmation of the christian doctrine according to which each man has a soul, created directly by God. I think that it is correct to say that today the existence of the soul and the existence of a transcendent God are scientifically proved.

 

A note about the theory of evolution

I would like to add a brief consideration about the theory of evolution. The theory of evolution can be applied only to biological organisms. We do not have sufficient elements to establish whether the human biological organism is the result of an evolution process; neither we have sufficient elements to exclude this possibility. However, the point is that consciousness is transcendent to the physical/biological reality and requires the existence in man of a transcendent component (the psyche or soul).

Since no fossils of psyche exist, the theory of evolution can say nothing about the origin of consciousness and human psychical life. So, even if our organism derived from a previous animal organism, we could have no conscious psychical life if God had not created in each of us a soul. Without a soul, we would be only biological robots, able to act and react, but without any consciousness and incapable of feeling any sensations, emotions, thoughts, etc.

 

Fonte original: http://xoomer.virgilio.it/fedeescienza/mindandbrain.html

 

* OBS. esta tradução abaixo foi realizada utilizando-se o tradutor automático apenas

 

Introdução

Certamente o problema da consciência tem sido amplamente discutido na filosofia. Como o objetivo deste artigo é discutir o assunto da consciência do ponto de vista científico, não vou me debruçar sobre as diferentes definições e concepções adotadas pelos filósofos. Limito-me a definir consciência ou vida psíquica como nossa capacidade de sentir sensações, emoções, pensamentos etc. Usarei a palavra "inteligência" porque hoje essa palavra é frequentemente combinada com o conceito de inteligência artificial, que não implica nem meio que consciência. A ciência, ao contrário da filosofia, sempre se baseia na observação de fenômenos; a possibilidade de uma verificação experimental é basicamente o que distingue uma teoria científica de uma idéia filosófica. A consciência é um fenômeno diretamente observável, do qual temos uma evidência experimental completa (de fato, representa os fundamentos de qualquer outra observação experimental, pois, se não estivéssemos conscientes, não poderíamos observar nenhum fenômeno); o fenômeno "consciência" merece ser analisado do ponto de vista científico. representa os fundamentos de todas as outras observações experimentais, pois, se não estivéssemos conscientes, não poderíamos observar fenômenos); o fenômeno "consciência" merece ser analisado do ponto de vista científico. representa os fundamentos de todas as outras observações experimentais, pois, se não estivéssemos conscientes, não poderíamos observar fenômenos); o fenômeno "consciência" merece ser analisado do ponto de vista científico.


O que é o cérebro?

Agora sabemos que nosso cérebro é apenas um conjunto de partículas, como elétrons e prótons, interagindo através do campo eletromagnético. Todo processo biológico é devido apenas às reações químicas, que, por sua vez, são devidas apenas à interação eletromagnética entre os elétrons e os prótons dos átomos que formam nosso organismo. Todo neurônio e toda célula não são senão conjuntos de elétrons, prótons e nêutrons, em um determinado arranjo espacial; a interação eletromagnética pode de fato ser atraente, de modo que as partículas possam se atrair e formar certos arranjos geométricos no espaço. As propriedades de todas (incluindo também moléculas de DNA) e de todos os processos biológicos são devidas apenas às leis da física; mais precisamente, uma vez que em nosso organismo não ocorrem reações nucleares e as forças gravitacionais são muito fracas para interferir nos processos moleculares, todo processo biológico é devido exclusivamente às leis da eletrodinâmica quântica.

A ciência provou que todos os processos químicos, biológicos e cerebrais consistem apenas em algumas sucessões de processos físicos elementares, determinados por sua vez apenas pelas leis da mecânica quântica. Tal visão dos processos biológicos não permite explicar a existência da consciência; então, o materialismo é incompatível com a ciência. Por outro lado, toda tentativa materialista de explicar a existência da consciência implica que o que sofre, ama, deseja, sente etc. em nós são objetos como elétrons ou campos eletromagnéticos. O ponto é que os objetos não podem sentir nada; os objetos não podem sentir felicidade, tristeza, amor, raiva, autoconsciência, etc. A ciência provou que as equações do campo eletromagnético são universais; eles descrevem o campo eletromagnético dentro do nosso cérebro, bem como dentro de um fio de cobre ou átomo. Não há vestígios de consciência, sensações, emoções etc. nas equações da física. Essas equações não explicam a existência da consciência e nossa capacidade de sentir. Se alguém supuser que os campos eletromagnéticos são responsáveis ??por nossas sensações, emoções e pensamentos, a única conclusão lógica seria que também nossa televisão, nossa máquina de lavar etc. às vezes ficariam felizes ou deprimidos. De fato,

A alegação de que os impulsos elétricos em nosso cérebro são ou geram sensações e pensamentos, está em contradição com as leis da física que consideram equivalentes a todos os impulsos elétricos, dentro ou fora de nosso cérebro. De fato, um impulso elétrico é formado apenas por alguns elétrons se movendo em uma determinada direção; de acordo com as leis da física, os elétrons são todos iguais e indistinguíveis, e estão sempre se movendo em todos os circuitos materiais ou elétricos. Atribuir aos elétrons em nosso cérebro a propriedade de gerar consciência, e não atribuir a mesma propriedade aos elétrons que se movem em uma lâmpada, está em contradição com a física quântica,

Além disso, as leis da física estabelecem que os impulsos elétricos geram apenas campos eletromagnéticos; portanto, a hipótese materialista de que os impulsos elétricos no cérebro geram sensações, emoções e pensamentos está em flagrante contradição com as leis da física. As ondas eletromagnéticas geradas pelos impulsos elétricos em nosso cérebro são absolutamente equivalentes às geradas por quaisquer outros impulsos elétricos; essas ondas saem do nosso cérebro e viajam no espaço externo à velocidade da luz, como toda onda eletromagnética.

As leis da física estabelecem que tipo de processos ocorrem na realidade física; excluindo reações nucleares e subnucleares, que não ocorrem em sistemas biológicos, os únicos processos possíveis são o movimento de partículas e a troca de energia entre partículas (colisões) ou entre uma partícula e o campo eletromagnético (absorção e emissão de fótons). Os únicos processos físicos possíveis são determinados por um operador matemático chamado "hamiltoniano", que determina também o único tipo possível de energia da realidade física; de fato, o Hamiltoniano é formado pela soma de alguns termos, cada um determinando um tipo específico de energia, como a energia cinética do elétron ou a energia do fóton. Para ter novos processos ou outro tipo de energia, é necessário adicionar um novo termo ao Hamiltoniano; no entanto, isso modificaria as equações da física e, consequentemente, mudaria todas as suas soluções (veja o parágrafo intitulado "As leis da física e da história").

Em conclusão, as leis da física negam a hipótese básica do materialismo, segundo a qual a consciência seria gerada por processos cerebrais. As leis da física não nos permitem explicar ( nem conceitualmente ) a existência da consciência; eles não permitem explicar nem a existência da sensação mais banal.


A vida biológica não implica consciência

A ciência provou que nosso cérebro é apenas um conjunto de partículas (que é um objeto) e que a vida biológica consiste unicamente em uma sucessão de reações químicas, que, por sua vez, consistem unicamente em processos físicos (mais precisamente, em quantum). processos eletromagnéticos). Por outro lado, a consciência transcende as leis da física e não pode mais ser considerada produto de processos biológicos e cerebrais. Isso implica que nossa mente e nosso cérebro não são a mesma entidade, mas duas entidades diferentes, porém interagindo. Eu uso a palavra "psique" para indicar esse elemento não físico / não biológico, necessariamente presente no homem, que é o homem. s componente responsável pela existência de nossa consciência e vida psíquica. Obviamente, outras palavras poderiam ser usadas, como mente, espírito ou alma.

Nesse ponto, devemos tentar entender se existe uma evidência científica da existência de algum tipo de consciência também nos animais. Agora sabemos que é possível simular com um computador todas as características do comportamento dos animais, incluindo a capacidade de aprender e a aparente capacidade de reconhecer sua imagem no espelho. Um software adequado pode permitir que o computador grave dados de entrada, analise-os e dê saídas específicas; todas essas operações ocorrem automaticamente, sem consciência, sensações, emoções ou pensamentos. Por exemplo, um computador conectado a uma câmera pode analisar as imagens externas; isso ocorre automaticamente através de alguns algoritmos matemáticos e o computador não tem sensações visuais. Isso prova que o fato de um cão poder distinguir um osso de um graveto não implica que ele tenha uma sensação visual.

Portanto, não é possível excluir, de um ponto de vista científico e racional, que a vida dos animais seja apenas um processo puramente biológico / químico sem nenhum tipo de consciência (nem sensações nem emoções). Em outras palavras, a ciência não pode excluir a possibilidade de o animal ser apenas um robô biológico, sem sentir absolutamente nada, cujas ações e reações são determinadas exclusivamente por um software químico implantado em seu cérebro. Também é possível explicar esses comportamentos dos animais, que geralmente são considerados uma indicação de emoções. Por exemplo, os cães que, por causa de algumas mutações genéticas, apresentaram alguns comportamentos afetuosos, tinha uma maior probabilidade de ser adotada pelo homem e, consequentemente, de sobreviver. Foi suficiente que o animal apresentasse esses comportamentos também em relação a apenas um membro da família (mesmo que não o desse a comida) para ser aceito pela família. Seria apenas um caso de seleção natural, mesmo que indevidamente induzido pelo homem, que programou o comportamento e as reações do cão. Como não temos como observar diretamente a existência de qualquer tipo de consciência nos animais, e a hipótese de existência da consciência nos animais não é necessária para explicar os fenômenos observáveis ??nos animais,

A ideia de que os animais têm sensações e emoções é apenas uma hipótese arbitrária, sem quaisquer fundamentos científicos ou racionais. Tal hipótese pode ser considerada apenas uma reminiscência da infância, pois todas as crianças tendem a atribuir aos animais pensamentos, sensações e emoções. Além disso, os povos primitivos eram usados ??para antropomorfizar muitos elementos naturais; o sol, a lua, as montanhas, os animais etc. Durante a história, o homem entendeu que os fenômenos naturais ocorrem automaticamente devido a leis naturais específicas: o homem entendeu que a natureza é apenas um objeto e não uma pessoa. O conceito antropomórfico de animais é então apenas o último resíduo dessa inclinação para antropomorfizar processos naturais. Agora, o progresso tecnológico e científico nos permite explicar o comportamento dos animais sem atribuir-lhes nenhuma característica antropomórfica.


Atividade cerebral e consciência

Gostaria de salientar que o fato de que danos cerebrais ou drogas induzem mudanças em nossas capacidades mentais simplesmente prova a existência de uma interação entre o cérebro e a psique. De maneira alguma isso pode ser considerado uma prova de que o cérebro é a origem da consciência e a capacidade de sentir sensações, emoções, pensamentos etc. Se você tiver um problema em seus olhos, suas capacidades visuais serão alteradas, mas isso certamente acontece. não significa que é o seu olho que tem a sensação visual; isso simplesmente prova que seu olho tem um papel preliminar no processo de geração da sensação visual. O olho é apenas um instrumento usado pela psique para ver, mas o olho não vê nada e não tem sensações visuais. Da mesma forma, o cérebro tem apenas um papel preliminar no processo de geração de sensações ou emoções, e pode ser considerado um instrumento usado pela psique. Todos os estudos neurológicos do cérebro provam apenas a existência de uma interação entre a psique e o cérebro. Mas a existência dessa interação é óbvia; de fato, sem essa interação, nossa psique seria completamente isolada da realidade externa e não poderíamos interagir com a realidade externa. o cérebro tem apenas um papel preliminar no processo de geração de sensações ou emoções, e pode ser considerado um instrumento usado pela psique. Todos os estudos neurológicos do cérebro provam apenas a existência de uma interação entre a psique e o cérebro. Mas a existência dessa interação é óbvia; de fato, sem essa interação, nossa psique seria completamente isolada da realidade externa e não poderíamos interagir com a realidade externa. o cérebro tem apenas um papel preliminar no processo de geração de sensações ou emoções, e pode ser considerado um instrumento usado pela psique. Todos os estudos neurológicos do cérebro provam apenas a existência de uma interação entre a psique e o cérebro. Mas a existência dessa interação é óbvia; de fato, sem essa interação, nossa psique seria completamente isolada da realidade externa e não poderíamos interagir com a realidade externa. Mas a existência dessa interação é óbvia; de fato, sem essa interação, nossa psique seria completamente isolada da realidade externa e não poderíamos interagir com a realidade externa. Mas a existência dessa interação é óbvia; de fato, sem essa interação, nossa psique seria completamente isolada da realidade externa e não poderíamos interagir com a realidade externa.

É preciso enfatizar que o estímulo físico e a sensação que sentimos são dois fenômenos completamente diferentes. Por exemplo, as vibrações das moléculas do ar não são a sensação "som" que sentimos; as moléculas do ar não ouvem nada, e seria absurdo dizer que as moléculas do ar são uma sensação auditiva. A sensação "som" existe apenas na realidade psíquica, e não na realidade física; a sensação auditiva é gerada apenas pela psique e é a elaboração psíquica de um estímulo físico. Do mesmo modo, as reações químicas e os impulsos elétricos que ocorrem em nosso cérebro não são emoções, sentimentos, consciência; eles são apenas estímulos físicos. É a nossa psique que elabora e traduz esses processos físicos comuns em emoções, sentimentos, etc.


As leis da física e as outras ciências naturais

Agora, gostaria de fazer algumas considerações sobre a confiabilidade de nossos conhecimentos científicos. Antes de mais, gostaria de explicar a diferença entre uma teoria fenomenológica e uma teoria do primeiro princípio. Uma teoria fenomenológica é apenas uma versão aproximada e simplificada de uma teoria de primeiro princípio, que representa a explicação exata dos fenômenos naturais. Biologia e neurologia são exemplos de teorias fenomenológicas, enquanto a física é a única teoria do primeiro princípio, da qual todas as outras ciências naturais derivam. Obviamente, como os cálculos do primeiro princípio são muito longos e árduos,

As leis da física têm uma validade geral, mas em sua aplicação a sistemas específicos, é possível usar regras mais simples, específicas para esse tipo de sistema; essas regras não são estranhas nem independentes das leis da física, mas são uma conseqüência direta da lei da física. Um resultado dessas teorias fenomenológicas não pode ser aceito se resultar em contradição com as leis da física, que são os únicos princípios verdadeiros na origem da teoria fenomenológica. Somente as leis da física representam a explicação do primeiro princípio da realidade material, tanto matéria inorgânica quanto orgânica. Obviamente,

Todas as ciências naturais são então subordinadas à física. Também podemos apontar que todas as ciências naturais (biologia, neurologia etc.) usam em seus estudos e em suas análises microscópicas apenas instrumentos que foram projetados exclusivamente com base nas leis da física. Os dados estudados e analisados ??por essas ciências naturais só têm sentido porque as leis da física garantem o correto funcionamento de seus instrumentos. Se as leis da física forem questionadas, todas as outras ciências naturais cairão imediatamente em pedaços, porque todos os dados microscópicos usados ??por essas ciências para apoiar suas teorias perderiam qualquer significado. Portanto , nenhuma ciência natural pode elaborar teorias em contradição com as leis da física. Isso significaria fazer com que todos os dados perdessem o sentido, dados sobre os quais as teorias fenomenológicas foram construídas; é uma contradição lógica óbvia. As leis da física são então os fundamentos de todas as ciências naturais.

Para entender melhor o relacionamento entre a Física e as outras ciências naturais, considere o seguinte exemplo: para abrir uma fechadura de combinação, precisamos conhecer a combinação. Mesmo que não conheçamos a combinação e, portanto, não possamos abrir a trava, já sabemos que tipo de processo ocorrerá quando encontrarmos a combinação. As leis da mecânica estabelecem que o único tipo de processo que obteremos é a abertura da fechadura; as leis da mecânica estabelecem que a combinação não fará com que a fechadura comece a pensar, sentir dor ou prazer, sentir tristeza ou alegria. Similarmente, A Eletrodinâmica Quântica estabelece que todo processo biológico consiste apenas em algumas sucessões de reações químicas, que, por sua vez, consistem em sucessões de processos cinéticos e eletromagnéticos, ou seja, movimento de partículas, emissão e absorção de fótons. Ainda não sabemos as sucessões exatas de reações químicas que ocorrem em todos os processos biológicos, e a biologia tem a tarefa de descobrir essas sucessões; no entanto, exatamente como no caso da fechadura combinada, as leis da física estabelecem que nenhuma sucessão de reações químicas pode gerar consciência, sensações, emoções ou pensamentos.


As leis da física e da história

As leis que geram todos os processos químicos, biológicos e neurológicos são agora perfeitamente conhecidas. Nunca antes na história, a ciência foi capaz de explicar os princípios pelos quais todos os processos biológicos são originados. Isso representa uma verdadeira virada na história. Tudo o que a física descobrirá no futuro não terá nada a ver com os processos biológicos em nosso organismo, ou qualquer outro organismo. Mesmo se ainda houver algumas coisas que não são perfeitamente conhecidas na astrofísica, esses processos astrofísicos não afetam os processos biológicos, que são devidos exclusivamente às leis da eletrodinâmica quântica.

As leis da física consistem em um sistema de equações matemáticas. Sua estrutura matemática exclui a possibilidade de que essas equações possam ser modificadas; de fato, mesmo uma ligeira mudança em uma equação matemática geraria mudanças radicais em todas as suas soluções. Já encontramos bilhões e bilhões de soluções corretas das leis da física; se as mudássemos, repentinamente abandonaríamos todas essas soluções corretas. Por outro lado, todos os dias encontramos uma confirmação experimental sistemática das leis da física em sistemas sempre novos. A hipótese de que as leis da física estão erradas seria equivalente a dizer que todos esses bilhões e bilhões de confirmações experimentais sistemáticas e quantitativas são apenas uma coincidência de sorte. Nas últimas décadas, realizamos muito mais experimentos do que em toda a história, mas as leis da eletrodinâmica quântica, descobertas no início do século passado, nunca foram alteradas. Com base no número de testes experimentais, podemos dizer que a eletrodinâmica quântica é a teoria científica mais antiga da história. realizamos muito mais experimentos do que em toda a história, mas as leis da eletrodinâmica quântica, descobertas no início do século passado, nunca foram alteradas. Com base no número de testes experimentais, podemos dizer que a eletrodinâmica quântica é a teoria científica mais antiga da história. realizamos muito mais experimentos do que em toda a história, mas as leis da eletrodinâmica quântica, descobertas no início do século passado, nunca foram alteradas. Com base no número de testes experimentais, podemos dizer que a eletrodinâmica quântica é a teoria científica mais antiga da história.


Cálculo do primeiro princípio

Hoje somos capazes de fazer cálculos de primeiro princípio para sistemas moleculares formados por muitos átomos; isto significa que podemos calcular as soluções das equações da física quântica também para sistemas macroscópicos. O ponto é que já sabemos que TIPO de informação podemos obter de um cálculo de primeiro princípio para todos os sistemas moleculares possíveis. De fato, a partir da solução da equação de Schroedinger para um sistema molecular, sabemos que podemos obter informações como distribuições de carga ou espectros de energia. De maneira alguma podemos obter consciência, emoções, sentimentos etc. Não são possíveis resultados de um cálculo de primeiro princípio. Mesmo se tivéssemos um supercomputador com a capacidade de encontrar a função de onda para o nosso cérebro, poderíamos encontrar a partir da função de onda apenas propriedades como densidade de carga ou espectros de energia. Não conseguimos encontrar consciência a partir da função de onda calculada com o super computador. De fato, já sabemos que TIPO de propriedades podem ser obtidas de todas as funções de ondas possíveis. Já somos capazes de fazer cálculos de primeiro princípio para muitos sistemas moleculares diferentes, mas o tipo de propriedades que podemos encontrar de suas funções de onda não depende de qual sistema molecular estudamos, porque são resultados gerais de todos os cálculos de primeiro princípio , e é independente do tipo de átomos ou do número de átomos do sistema. Se a psique não existisse como um componente não físico do homem, de acordo com nossos conhecimentos científicos, deveríamos ser apenas uma espécie de robôs biológicos, sem consciência e sem sentir nada, cujas ações e reações eram devidas apenas a reações químicas. Todos os estudos neurológicos provam apenas a existência de uma interação entre psique e cérebro, mas não revelam nada sobre a natureza da psique. de acordo com nossos conhecimentos científicos, deveríamos ser apenas uma espécie de robôs biológicos, sem consciência e sem sentir nada, cujas ações e reações eram devidas apenas a reações químicas. Todos os estudos neurológicos provam apenas a existência de uma interação entre psique e cérebro, mas não revelam nada sobre a natureza da psique. de acordo com nossos conhecimentos científicos, deveríamos ser apenas uma espécie de robôs biológicos, sem consciência e sem sentir nada, cujas ações e reações eram devidas apenas a reações químicas. Todos os estudos neurológicos provam apenas a existência de uma interação entre psique e cérebro, mas não revelam nada sobre a natureza da psique.


Conclusões

O materialismo é incompatível com a visão científica dos processos biológicos. De fato, a ciência provou que todos os processos químicos, biológicos e cerebrais consistem apenas em algumas sucessões de processos físicos elementares, determinados por sua vez apenas pelas leis da mecânica quântica. Essa visão dos processos biológicos não permite ( nem conceitualmente) para explicar a existência da consciência, nem permite explicar a existência da sensação mais banal. Esse resultado adquire um significado muito profundo se analisarmos o estado de nossos conhecimentos científicos atuais. Antes de tudo, todas as ciências naturais estão subordinadas às leis da física, que representam os princípios dos quais derivam e dos quais são apenas versões aproximadas. Hoje, de fato, conhecemos as leis que determinam todos os processos moleculares, eletromagnéticos, químicos, biológicos e neurológicos: elas são as leis da Eletrodinâmica Quântica, as leis científicas que receberam o mais amplo, geral, sistemático, numerosas e precisas confirmações experimentais em toda a história. As leis da eletrodinâmica quântica são confirmadas por um número tão grande de resultados experimentais que seria absurdo questionar sua validade na explicação de sistemas moleculares e, em particular, de sistemas biológicos.

Por outro lado, a rigidez da estrutura matemática da eletrodinâmica quântica torna absolutamente irracional a hipótese de uma possível mudança de tais leis, uma vez que isso teria consequências dramáticas em todas as soluções corretas que temos atualmente obtido. Isso significa que a eletrodinâmica quântica pode ser considerada a teoria última para a explicação de processos moleculares e, conseqüentemente, para a explicação de processos biológicos.

As leis da eletrodinâmica quântica podem ser consideradas os primeiros princípios que determinam todos os processos moleculares e biológicos. O ponto é que esses princípios dão (pelo menos conceitualmente) uma explicação mecanicista de todos os processos moleculares e biológicos, mas eles não permitem explicar ( nem conceitualmente ) a existência de consciência. As leis da física negam a hipótese básica do materialismo, segundo a qual a consciência seria gerada por processos biológicos ou cerebrais. A consciência transcende as leis da física e, portanto, a causa da existência da consciência não pode ser identificada com o cérebro; a consciência é necessariamente originada por um componente não físico / não biológico (isto é, um sobrenatural): a psique ou alma. Existem então duas realidades distintas; a realidade física, que é o universo, que possui uma estrutura matemática intrínseca (as leis da física) determinando todo processo físico, químico e biológico;

Nesse ponto, devemos considerar a questão: de onde vem nossa psique? O fenômeno da consciência prova que, em um determinado momento, nossa psique certamente começa a existir em nós. As leis da física provam que a psique não pode ser o produto de processos físicos, químicos ou biológicos. Portanto, a origem da nossa psique é transcendente à realidade física. Podemos então identificar com Deus a causa necessária da existência da psique, sendo essa causa transcendente. Isso representa uma confirmação científica da doutrina cristã segundo a qual cada homem tem uma alma, criada diretamente por Deus.

Uma observação sobre a teoria da evolução

Eu gostaria de acrescentar uma breve consideração sobre a teoria da evolução. A teoria da evolução pode ser aplicada apenas a organismos biológicos. Não temos elementos suficientes para estabelecer se o organismo biológico humano é o resultado de um processo de evolução; nem temos elementos suficientes para excluir essa possibilidade. Contudo, o ponto é que a consciência é transcendente à realidade física / biológica e requer a existência no homem de um componente transcendente (a psique ou alma).

Como não existem fósseis da psique, a teoria da evolução não pode dizer nada sobre a origem da consciência e da vida psíquica humana. Portanto, mesmo que nosso organismo derivasse de um organismo animal anterior, não teríamos vida psíquica consciente se Deus não tivesse criado em cada um de nós uma alma. Sem uma alma, seríamos apenas robôs biológicos, capazes de agir e reagir, mas sem qualquer consciência e incapazes de sentir sensações, emoções, pensamentos etc.

 

 


topo

 

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual