Espiritualidade e Sociedade



Wellington Balbo

>     Será que nós, espíritas, entendemos Kardec?

Artigos, teses e publicações


Compartilhar

Wellington Balbo
>   Será que nós, espíritas, entendemos Kardec?

 

Kardec, em artigo postado na Revista Espírita de junho do ano de 1858 e que recebeu o título de “Os banquetes magnéticos”, relata a comemoração de dois grupos de magnetizadores que ocorre em Paris em virtude da data de aniversário de Mesmer, pai desta Ciência.

A data é 23 de maio e a comemoração dos grupos ocorre no mesmo horário. Convidado para as duas “festas”, haja vista que na época Kardec estudava o magnetismo há 35 anos, ele compareceu a uma dessas reuniões, mas não sem antes, de forma bem humorada, brincar ao afirmar que ainda não tinha a ubiquidade e, por isso poderia atender apenas a um convite.
Brincadeiras à parte, aborda Kardec sobre a importância da união. Ora, se os dois grupos festejam o mesmo tema por qual razão não confraternizam juntos? Não ganharia - indaga ele - o magnetismo se todos estivessem unidos, haja vista que celebram os mesmos ideais e têm, ambos os grupos, o mesmo mestre?

Lançada em 1858 a crítica de Kardec é ainda bem atual. Poucos são os homens que deixam de lado o espírito de competição para, de fato, confraternizarem, compartilharem e reunirem-se portando-se como autênticos irmãos em Cristo.

Recordo-me de determinada instituição religiosa, encravada em pequena cidade do interior brasileiro, que fazia questão de realizar eventos na mesma data que as outras instituições de sua cidade.

Aquilo dividia o público.

Todos perdiam.

Eu ficava a pensar:
Já que se trata de pequena cidade, por qual razão não realizam os eventos em parceria? Ou, então, ao menos que façam em datas diferentes dando opções para a população da cidade?

Pessoas generosas e de bom coração ainda tropeçam em algumas suscetibilidades. A Terra é morada de espíritos imperfeitos, mas já está no momento de quebrarmos este paradigma e avançarmos.

Disse o Cristo que seus discípulos serão conhecidos por muito se amarem. Kardec neste ponto foi de uma objetividade até assustadora. Ora, se todos têm o mesmo mestre por qual razão confraternizam separados?

Dias atrás um amigo, o José, recebeu ligação de um dirigente de centro espírita. Necessitava o coordenador das atividades espíritas de alguém para palestrar. José pediu que ele sugerisse o tema, o coordenador cravou, de primeira:

- Os malefícios da fofoca!

Depois dessa, cabe-nos apenas refletir:

Será que nós, espíritas, entendemos Kardec?

 

Fonte: http://www.noticiasespiritas.com.br/2017/JANEIRO/12-01-2017.htm

 

Leiam de Wellington Balbo
 150 anos de “O livro dos Médiuns”
 Educação espírita infantil
 O Segundo Sábio
 Será que nós, espíritas, entendemos Kardec?
 Um fofoqueiro no centro...
 Vinganças cotidianas, pequenas, mas machucam...

 

 


topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual